Inspiração

Coleção de fotos mostra pessoas lendo em Paris nos anos 1950

13 • 12 • 2021 às 12:28
Atualizada em 03 • 01 • 2022 às 08:24
Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

Para os mais jovens, que perguntam o que as pessoas faziam para passar o tempo quando não existiam smartphones – e para onde elas olhavam quando estavam sozinhas em um café, um bar ou mesmo caminhando – a resposta era uma só, ao menos na Paris dos anos 1950: elas liam. É isso que uma compilação de fotos publicada nas redes revela, com diversas imagens de pessoas do passado na capital francesa, em posição semelhante a que hoje assumimos com um telefone nas mãos sequestrando nossa atenção – no lugar, porém, da tela luminosa, o que se vê nas cenas de cerca de 70 anos atrás são livros e jornais.

Homem lendo em Paris

O jornal era o smartphone dos anos 1950

Mulher lendo em Paris

Uma leitura é capaz de roubar nossa atenção da paisagem, seja qual for o suporte – e a época

-Vale a pena comprar um Kindle? Veja motivos e dicas de e-books para ler no aparelho

As fotos mostram parisienses de todas as idades, nas mais variadas situações e momentos, tendo em comum o cenário ao redor, e o momento de leitura registrado. É claro que nosso vício tecnológico atual é bastante diferente do hábito de ler um livro ou jornal enquanto se aguarda alguém em um restaurante, ou simplesmente enquanto se curte o sol à beira de um rio, mas é de fato curioso perceber como as posturas corporais se aproximam – e como a atenção humana busca focos de interesse de forma semelhante, mesmo que tão diferente.

mulheres lendo em Paris

Uma rebelde entre leitoras no salão de beleza parisiense

Mulher lendo em Paris

Lia-se até nos reflexos das vitrines

-Coletivo artístico cria jornais vazios para combater o excesso de informação em que vivemos

Nenhuma foto selecionada é posada ou ensaiada nos registros, e algumas se destacam pelo contexto inusitado da leitura – com evidente destaque para a imagem do homem conduzindo uma bicicleta ao mesmo tempo em que lê um jornal. Segundo a legenda original, a leitura em movimento aconteceu em 19 de março de 1950, durante os Seis Dias de Paris, prova de ciclismo que, como o nome revela, durava seis dias. Outros leem enquanto caminham, correndo o risco de trombar ou tombar em meio a um parágrafo.

Homem lendo em Paris

Homem lendo de costas para o rio que outro admira

Homem lendo em Paris

Um jornal era a companhia perfeita para se aguardar por alguém

Homem lendo em Paris

A notícia do combate ao álcool – lida em um bar

-A ‘livraria’ francesa onde você pode, literalmente, passar a noite

A maioria, porém, simplesmente lê enquanto deixa o tempo passar na Paris dos anos 1950. É inevitável imaginar o que estavam lendo no momento da foto – o que tomava a atenção da garotinha ou do senhor, olhando para o papel ao invés de mirarem a bela vista da cidade, por exemplo. Em uma das fotos, essa resposta é tão clara quanto contundente: a manchete, em letras garrafais, noticia a morte do líder soviético Joseph Stalin, ocorrida em 5 de março de 1953. Em outra imagem, de 1954, um homem lê sobre políticas impostas pelo governo francês para inibir o consumo de álcool – em uma mesa de bar.

Homem lendo em Paris

A morte de Stálin estampou a capa de todos os jornais do mundo

Homem lendo em Paris

Ciclista lendo durante os Seis Dias de Paris

Homem lendo em Paris

Entregado, também sobre uma bicicleta, colocando a leitura em dia

menina lendo em Paris

Ler era passatempo perfeito para todas as idades – e ainda é

banca de jornal em Paris nos anos 50

Uma charmosa banca de jornais e revistas parisiense dos anos 1950

Homem lendo em Paris

Um homem lendo enquanto caminha é um tombo esperando para acontecer

Publicidade

© fotos: Live Journal/Reprodução

 


Canais Especiais Hypeness