Ciência

Conheça o fóssil de criança de 250 mil anos encontrado na África do Sul

15 • 12 • 2021 às 09:09 Redação Hypeness
Redação Hypeness Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

O fóssil de uma criança hominídea foi encontrado no complexo de cavernas da África do Sul conhecido como Rising Star, em 2017. Segundo datação dos cientistas, o fóssil tem cerca de 250 mil anos de idade. Os estudos sobre o registro foram publicados em dois artigos no jornal PaleoAnthropology.

– Nossos antepassados se relacionaram com neandertais – e há um pouco deles em cada um de nós

fóssil criança

Dentes não repetidos mostravam que o fóssil era de apenas um corpo

Os pesquisadores encontraram diversos fragmentos do fóssil. Foram 28 pedaços de crânio e 6 dentes que pertenciam a um indivíduo criança.

“Ao juntarmos o crânio, vimos que não havia partes repetidas e que muitos trechos se encaixavam, indicando que todos eram de uma única criança”, analisa o paleoantropólogo Darryl de Ruiter, em comunicado.

“Esse foi um dos sítios com fósseis de hominídeos mais desafiadores ao qual tivemos que chegar em Rising Star”, comenta Marina Elliott, que trabalhou nas escavações entre 2015 e 2017 e participou da descoberta desse fóssil.

– Menina de 4 anos encontra pegada de dinossauro de 215 milhões de anos em praia

O indivíduo foi classificado como pertencente à espécie Homo naledi. Os pesquisadores deram o nome de Leti à criança, com inspiração na palavra tswana “letimela”, que significa ‘perdido’.

Os cientistas descobriram que o volume do cérebro de Leti era de 90% a 95% o do tamanho de um adulto, o que o coloca com uma idade estimada entre 4 e 6 anos de idade.

fóssil criança

Pesquisadores estimaram que fóssil se trata de criança de até seis anos de idade

– Encontraram uma múmia de 2 mil anos com língua de ouro em Alexandria

Agora, os pesquisadores desejam entender melhor por que a criança estava em um local tão distante e o que pode ter motivado a sua morte.

“É mais um enigma entre os vários que rodeiam esse fascinante parente humano já extinto”, diz o pesquisador Lee Berger.

Publicidade

Fotos: Universidade Wits/Reprodução


Canais Especiais Hypeness