Debate

Enem: servidor do Inep envolvido em fraude foi cooptado com viagens voltadas ao turismo sexual, diz PF

Redação Hypeness - 07/12/2021

Uma reportagem do site Metrópoles revelou à Polícia Federal que um funcionário do Ministério da Educação foi subornado por uma empresa de segurança com viagens de turismo sexual.

De acordo com as investigações da Operação Bancarrota, a empresa Valid e a multinacional RR Donnelley atuaram para conseguir contratos com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) que se referiam ao Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM).

– O homem que faltou ao trabalho por 15 anos, recebendo salário, até ser descoberto 

Servidores são alvo de investigação da Polícia Federal; empresas são suspeitas de prover quantias milionárias e viagens com fins de turismo sexual para trabalhadores do INEP para obter vantagens em contratos

Segundo as investigações da Polícia Federal, um servidor não identificado e a servidora Eunice de Oliveira Ferreiras receberam benefícios para aprovar contratos superfaturados para impressão e segurança da prova mais importante do país. O esquema ocorreu entre 2010 e 2019.

– Leva Jato: Brasileirinhas fecha trilogia política com pornô sobre corrupção 

R$ 130 mi em superfaturamento

O servidor auxiliou a empresa a passar contratos superfaturados e recebeu em troca viagens com fins de turismo sexual. Já Eunice de Oliveira Ferreiras foi apontada como sendo beneficiária de enriquecimento ilícito; seu filho possui dois carros de luxo incompatíveis com a renda da família. De acordo com a PF, ela é suspeita de receber R$ 5 milhões das empresas para privilegiá-las em contratos com o governo federal.

Até agora, a Operação Bancarrota já cumpriu 41 mandados de busca e apreensão no DF, em São Paulo e no Rio de Janeiro. A Justiça Federal também determinou o sequestro de R$ 130 milhões das empresas e pessoas físicas envolvidas no esquema de corrupção que pode ter superfaturado os mesmos R$ 130 milhões em contratos fraudulentos.

– Ricardo Barros participou, no governo Temer, de compra de remédio sem eficácia contra o câncer 

Os envolvidos devem ser acusados pelos crimes de organização criminosa, corrupção ativa e passiva, crimes da lei de licitações e lavagem de dinheiro.

Publicidade

Fotos: Marcos Oliveira/Agência Senado


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Notice: date_default_timezone_set(): Timezone ID 'UTC-3' is invalid in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/part/home/brand-channel.php on line 29

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.