Diversidade

LGBTQIAP+: o que cada letra da sigla significa?

Roanna Azevedo - 03/12/2021 | Atualizada em - 07/12/2021

As siglas do movimento LGBTQIAP+ passaram por diversas mudanças ao longo dos anos. Na década de 1980, a oficial era a GLS, que fazia referência aos gays, lésbicas e simpatizantes. Nos anos 1990, mudou para GLBT com o objetivo de incluir pessoas bissexuais e trans. Logo depois, o “L” e o “G” trocaram de posição, numa tentativa de dar mais visibilidade às demandas da comunidade lésbica, e o “Q” foi adicionado, juntamente com outras letras. A intenção dessas alterações é representar o maior número possível de identidades de gênero e orientações sexuais, sem deixar ninguém de fora.

Mas o que cada letra da sigla LGBTQIAP+ significa? Você saberia dizer? Se a resposta for negativa, não tem problema! Abaixo, explicamos uma por uma.

De GLS para LGBTQIAP+: anos de mudança e evolução.

L: Lésbicas

Orientação sexual de mulheres, sejam elas cis ou transgênero, que se atraem sexual e afetivamente por outras mulheres, também cis ou transgênero.

G: Gays

Orientação sexual de homens, sejam eles cis ou transgênero, que se atraem sexual e afetivamente por outros homens, também cis ou transgênero.

B: Bissexuais

Orientação sexual de pessoas cis ou trans que se sentem atraídas afetiva e sexualmente por mais de um gênero além do delas. Ao contrário do que muita gente pode achar, bissexuais também podem se atrair por pessoas de gênero não-binário.

5 mulheres trans que fizeram a diferença na luta LGBTQIA+

T: Transgêneros, transexuais e travestis

A identidade de gênero de uma pessoa transgênero não corresponde ao sexo biológico dela.

Primeira letra da sigla que se refere a identidade de gênero, e não a orientação sexual. Transgênero é uma pessoa que se identifica com um gênero diferente daquele que lhe foi atribuído ao nascer. Transexuais são transgêneros que passaram por uma transição, seja ela hormonal ou cirúrgica, para se adequar a sua verdadeira identidade de gênero. Travestis são pessoas que tiveram o gênero masculino designado a elas no nascimento, mas vivem de acordo com a concepção do gênero feminino.

Em resumo, o “T” diz respeito a todas as pessoas que não são cisgênero, ou seja, pessoas cujas identidades de gênero não coincidem com seus sexos biológicos.

Após 28 anos, OMS deixa de considerar transexualidade transtorno mental

Q: Queer

Termo abrangente que descreve todas as pessoas que não se identificam com a heteronormatividade e/ou com a cisnormatividade. Essas pessoas podem ou não saber como definir sua orientação sexual ou identidade de gênero. No passado, a palavra “queer” era usada como ofensa à comunidade LGBTQIAP+ por siginificar “estranho”, “esquisito”. Com o tempo, ela foi reapropriada e hoje é utilizada como forma de reafirmação.

I: Intersexuais

Pessoas intersexuais são aquelas que nascem com anatomia reprodutiva, genética, hormonal ou sexual não correspondente ao sistema binário de sexo biológico. Elas não se encaixam no padrão normativo do sexo feminino ou masculino. Costumavam ser chamadas de hermafroditas, um termo que não deve ser usado porque descreve apenas espécies não-humanas que têm gametas funcionais masculinos e femininos.

A: Assexuais

A assexualidade também é sexualidade.

Pessoas cis ou transgênero que não sentem atração sexual por nenhum gênero, mas podem ou não se atrair romanticamente por alguém e ter relacionamentos.

P: Pansexuais

Orientação sexual de pessoas, sejam elas cis ou transgênero, que se atraem sexual e afetivamente por outras pessoas, independentemente da identidade de gênero delas. A pansexualidade está ligada à rejeição da ideia de gênero binário, ao reconhecimento da existência de mais de dois gêneros e a defesa da identidade de gênero como algo fluido e flexível.

O que é pronome neutro e porque é importante usá-lo

+: Mais

O símbolo de “mais” inclui outras orientações sexuais e identidades de gênero. A ideia por trás do seu uso é englobar toda a diversidade e mostrar que ela é extensa e mutável.

Publicidade

Foto 1: SLAYTINA/Pexels

Foto 2: Rosemary Ketchum/Pexels

Foto 3: Shawn Goldberg/Shutterstock


Roanna Azevedo
Diretamente da zona norte do Rio, é jornalista por profissão e curiosa por conta própria. Ama escrever sobre cinema e o universo do entretenimento há mais de dois anos. Tem paixão por tudo que envolve cultura, música, arte e comportamento, além de ficar sempre ligada no que rola no mundinho da comunicação nas redes sociais.

Notice: date_default_timezone_set(): Timezone ID 'UTC-3' is invalid in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/part/home/brand-channel.php on line 29

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.