Inspiração

Maratonista com lúpus volta a correr graças a teste com novo tratamento

07 • 12 • 2021 às 11:26
Atualizada em 27 • 12 • 2021 às 09:43
Redação Hypeness
Redação Hypeness Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Uma corredora de maratona precisou interromper seu treinamento devido ao lúpus – que é um distúrbio autoimune debilitante – mas um teste experimental a colocou de volta no páreo e o melhor: pode vir a criar a primeira terapia segura para interromper a progressão da doença.

Foi durante o treinamento para a Maratona de Nova York de 2020 que Sasheen Reid, de 35 anos, teve a falta de sorte de morar na cidade com o maior lockdown do país, colocando seus planos para a maratona em espera. “Eu dei à luz em maio de 2020 e então tive uma crise muito forte por cerca de seis semanas após o parto,” Reid disse ao GNN.

Maratonista com lúpus volta a correr graças a teste com novo tratamento

Como a esclerose múltipla ou ELA, o lúpus é um distúrbio do sistema imunológico que faz com que os mecanismos naturais de defesa do corpo se voltem contra si mesmo. Ao mesmo tempo, uma pesquisa se iniciava no Feinstein Institutes for Medical Research, em Manhasset, para estudar os efeitos de um medicamento para lúpus chamado Benlysta. Então Reid se inscreveu para participar.

Comecei o teste em outubro de 2020. Meu marido é assinante da Lupus Foundation, então sempre que um novo medicamento era lançado, ele me contava. Eu li muito sobre a luta das pessoas contra o lúpus, só tenho dores nas articulações e queda de cabelo. Não tenho envolvimento com rins ou arritmia cardíaca e acho que esse é o objetivo do estudo, se os pacientes podem ser diagnosticados precocemente, você pode prevenir a progressão da doença?

 

Parando a doença em seu caminho

“Um dos maiores obstáculos [para o tratamento] é diagnosticar precocemente os pacientes com a doença”, disse a médica Cynthia Aranow, reumatologista da Feinstein envolvida no estudo. “Em média, pode levar até seis anos para obter um diagnóstico adequado, o que pode atrasar o início da medicação para as pessoas controlarem seus sintomas, sua doença e prevenir danos a órgãos”.

O Benlysta foi aprovado para pacientes com lúpus há mais de dez anos e, mais recentemente, foi aprovado pelo FDA (orgão que regulamenta os medicamentos nos Estados Unidos) para o tratamento da doença renal lúpica. No entanto, geralmente é usado depois que outros medicamentos falharam. “O objetivo deste estudo de dois anos é focado em pacientes com um diagnóstico recente e precoce. Estamos especificamente interessados ​​em ver se o tratamento precoce com Benlysta pode interromper a progressão da doença em seu curso ”, disse ela.

“Se pudermos alterar o curso da doença por meio de intervenção precoce, esperamos poupar os pacientes da necessidade de medicamentos imunossupressores (que estão associados a muitos efeitos colaterais) para controlar sua doença no futuro.”

Reid não sabe se ela recebeu o placebo ou Benlysta, mas ela já se sente muito melhor, e seus testes para o principal biomarcador de lúpus – anti DNA de fita dupla – caíram de 650 (normal para pacientes com lúpus). Para Reid, isso se traduziu em: tirar os tênis de corrida do armário, comprar as bebidas de colágeno pós-treino e entrar na pista. “Eu era uma corredora. Fiz 10 km, fiz meias maratonas, viajei para Barbados e para o interior do estado de Nova York para fazer maratonas”, disse ela. “Então, quando recebi o diagnóstico, estava determinada a, assim que possível, retomar meu estilo de vida.”

Ela diz que com um cronograma de treinamento de corredor, um trabalho em tempo integral e três filhos, ela tem que ter certeza de que se cuida, especificamente com alongamento antes e depois das corridas e corridas alternadas com treinamento cruzado para força, para fortalecer as articulações, que estão sujeitas a uma inflamação maior com o lúpus.

Reid completou recentemente uma corrida de 6 km, um marco em seu treinamento para a Maratona de Nova York de 2023 que se aproxima. “Temos esperança de que os dados importantes coletados de Sasheen e outros levem a avanços na compreensão, tratamento e cuidado de pessoas com lúpus”, disse o Dr. Aranow.

Publicidade

Fotos: Reprodução/Good News Network e Getty Images


Canais Especiais Hypeness