Viagem

Time-lapse de 5 dias revela como é o sol que nunca se põe no Polo Sul

01 • 12 • 2021 às 08:18
Atualizada em 03 • 12 • 2021 às 08:20
Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

Para a vasta maioria da população da Terra, o nascer e o pôr do sol são não somente importantes marcações de tempo, mas também verdadeiros espetáculos da natureza, que trazem beleza e sentido para todos os dias – mas não para quem está no ponto mais ao sul do planeta. Na Antártida, durante o verão, o sol nunca se põe: por meses, a cada ano, ocorre o fenômeno conhecido como “Dia Polar’, no qual o sol permanece brilhando no céu, sem jamais a noite chegar no Polo Sul. Pois os dias sem noite desse fenômeno foram registradas em um incrível time-lapse realizado pelo astrofísico Robert Schwarz, em uma de suas muitas missões antárticas.

Sol na Antártida

O sol permanece praticamente na mesma altura do horizonte pelos 5 dias do vídeo

-Antártida: o que o único continente livre do coronavírus pode ensinar sobre isolamento

O vídeo mostra 5 dias ininterruptos do mês de março de 2017, com o sol permanentemente no céu, como se estivesse em vias de se pôr, mas sem nunca desaparecer no horizonte. O dia eterno na Antártida, também conhecido como “Sol da Meia-Noite”, dura vários meses, com o processo comumente começando por volta de outubro, e podendo durar até o fim de março. Nesse mesmo período, no outro extremo da Terra, o Polo Norte passa pelo fenômeno oposto e, enquanto o sol não se põe na Antártida, do “outro lado” o sol simplesmente nunca nasce.

-Ilha que eliminou relógio quer ser reconhecida como 1ª ‘zona livre sem tempo’

“O que faz o Sol no Polo Sul?”, pergunta o título do vídeo. Pois o registro publicado por Schwarz mostra justamente os últimos dias de sol no continente ao sul, pouco antes do sol enfim desaparecer, e o processo se inverter: entre os meses de abril a agosto, aproximadamente, a noite é permanente na Antártida. É o fenômeno também conhecido como “Noite Polar”, quando o sol desaparece dos céus do Pólo Sul durante o inverno. De modo geral, portanto, o tempo nas extremidades do planeta é dividido entre um imenso dia, seguida de uma imensa noite em boa parte do ano – por todos os anos.

Sol na Antártida

Em alguns momentos, quase parece ser um início de noite, apesar do sol no céu

-21 fotos da Antártida clicadas em 1911 e que estavam esquecidas

Há mais de 15 anos que o astrofísico Robert Schwarz trabalha em expedições na Antártida, principalmente como parte do projeto experimental Keck Array, que estuda radiação cósmica de fundo em micro-ondas através de telescópios de alta precisão localizados em uma das muitas estações de pesquisa na região. Não por acaso, Schwarz é conhecido pelo apelido de “Homem de Gelo”, e seu canal no Vimeo disponibiliza, além do “Sol da meia-noite” em time-lapse, outros diversos registros dos mais incríveis fenômenos naturais que captou na Antártida ao longo dos anos – de dias e noites quase eternas.

Sol na Antártida

Em outros momentos, o sol é mais intenso sob o gelo antártico

Publicidade

© fotos: Vimeo/Reprodução


Canais Especiais Hypeness