Tecnologia

Twitch: maratonas de lives para milhões de pessoas aumentam solidão e casos de burnout

17 • 12 • 2021 às 17:39
Atualizada em 17 • 12 • 2021 às 17:39
Redação Hypeness
Redação Hypeness Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Casimiro Miguel é um fenômeno nas redes sociais. O comunicador vascaíno atrai milhões de cliques em seu canal de cortes no Youtube e mantém fiel audiência em suas lives da Twitch, onde soma mais de um milhão de seguidores. O criador de conteúdo carioca faz maratonas de 9 horas durante a madrugada para milhares de “nerdolas”, como qualifica seus fãs.

– Síndrome de Burnout: Esgotamento profissional é reconhecido como doença OMS

“Agora eu sou rico!” brinca Casimiro em seus vídeos. Considerado um fenômeno da pandemia, Casimiro passou a estourar entre o fim do ano passado e esse ano. Desde os clássicos “gols da rodada” – onde fala de esporte, seu ambiente de domínio na comunicação – até vídeos de comida de rua em Bangladesh, o diverso e engraçado conteúdo do vascaíno pode parecer apenas uma fonte de renda divertida e sem custos.

Casimiro se tornou fenômeno na internet; streamer relata problemas de sono e estresse por conta de lives na Twitch

Entretanto, em entrevistas, é comum que Casimiro relate problemas de sono e um cansaço excessivo: suas lives começam por volta das 23h e podem ir até às 8h da manhã do dia seguinte. Isolado da pandemia, Casimiro relata problemas de sono e até eventos traumáticos durante as transmissões.

Em entrevista ao Bolívia Talk Show, Casimiro revela que é comum que as transmissões tenham momentos mais densos. “A live é alto astral, mas às vezes acontece de um sub por exemplo falar: “Desculpa quebrar o clima da live hoje, mas meu pai morreu”. E aí eu quebro na hora. A live lá no alto e uma informação dessa dá uma quebrada. Mas e se esse cara só tem a minha live pra compartilhar isso? E se esse cara só tem a live como companhia dele? Essa audiência da madrugada é específica, é uma galera sozinha. É maneiro saber que isso faz companhia para uma galera”, disse.

– Dominado por homens, cenário competitivo competitivo dos games começa olhar para a diversidade no Brasil

O fenômeno Casimiro estabelece uma relação com o público relatando seu cansaço e frequentemente notifica o público de que não irá fazer as transmissões que já deixaram de ser diárias. Ele também relata que irá parar de fazer transmissões em algum momento.

Plataforma exige longas jornadas

Mas o sistema das plataformas de streaming não permite que criadores médios consigam ter esse luxo. Na plataforma, criadores valorizados são os que transmitem por horas e até dias sem interrupção. E muitos criadores relatam um esgotamento completamente frente ao seu público.

“Eu simplesmente não me sinto mais entretido e realmente não sei por que as pessoas continuam assistindo”, disse o criador Lirik no início deste mês. “É como subir ao palco todo dia e não saber mais o que dizer, porque você está sem material”, disse ao Polygon.

“Um streamer pode manter as suas próprias horas de trabalho e isso faz com que transmitamos entre 8 e 12 horas por dia, todos os dias. Esse esforço é assustador, porque após longas jornadas desse tipo você ganha uma recompensa que te força a fazer isso de novo. Eu tive que parar de fazer horários extremos de livestream para conseguir manter minha saúde mental e isso pode me prejudicar a curto prazo, mas colabora para a longevidade de minha carreira”, disse a criadora de conteúdo Imane Anys, a Pokimane, ao The Guardian.

“Os criadores sofrem das mesmas angústias da geração nativa digital, mas o burnout e o cansaço em excesso ocorre de maneira mais frequente entre os streamers por conta de pressão que a própria audiência imputa ao criador”, explica Kruti Kanojia, CEO da Healthy Gamer, uma organização que provém serviços de saúde mental para jogadores.

Publicidade

Fotos: Reprodução/Youtube/Cortes do Casimiro


Canais Especiais Hypeness