Inovação

Wired Festival 2021: evento traz diversidade para discussões sobre futuro, sustentabilidade e inovação

Bárbara Martins - 03/12/2021 | Atualizada em - 06/12/2021

Após o hiato causado pelo isolamento social, o Wired Festival retorna em uma edição presencial focada em reunir diferentes perspectivas para pensar o futuro. Sediado no Planetário da Gávea, no Rio de Janeiro, o evento acontece nos dias 1 e 2 de dezembro e convida palestrantes e visitantes a pensar sustentabilidade, sociedade e inovação a partir de visões não hegemônicas.

Com notável protagonismo de ativistas periféricos, de pessoas não brancas, de indígenas, de mulheres, da comunidade LGBTQIAP+ e de pessoas de outras origens não hegemônicas no geral, o quadro de convidados do festival fortaleceu a importância da diversidade nas tomadas de decisão sobre o futuro.

Foto de divulgação do Wired Festival 2021.

Wired Festival 2021 deu destaque a pautas com foco em diversidade para debater sobre tecnologia, inovação, sustentabilidade e futuro

Em dois dos painéis do primeiro dia de festival (1/12), a equipe Hypeness ouviu e destacou algumas das reflexões de maior urgência, para o Brasil e para o mundo, que foram abordadas nas conversas dos convidados.

Leia abaixo e não deixe de acompanhar os palestrantes nas redes sociais:

‘Favela em expansão: olhando para as potências da periferia’

No primeiro painel, participaram Jefferson Quirino, professor de surfe e fundador do projeto Favela Radical, Gizele Martins, jornalista e mestra em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (UERJ), e Buba Aguiar, patologista, socióloga e ativista do Coletivo Fala Akari.

Durante a conversa, os convidados falaram sobre a potência das favelas, sobre o senso de coletividade que é marca registrada do lugar e sobre as maiores dificuldades para que todas as qualidades da periferia sejam valorizadas e ouvidas por quem vive fora dela.

“A favela é uma potência, um celeiro de talentos”, ressaltou Jefferson Quirino.

A favela tem no seu DNA a adaptabilidade, a flexibilidade e a inovação. O ‘coletivo’ da favela tá muito interno e a gente precisa conectar com o asfalto.

Jefferson Quirino durante Wired Festival 2021.

Jefferson Quirino fundou o projeto Favela Radical, que leva esportes para crianças da favela do Turano, na Zona Norte do Rio.

“A favela é coletividade, ela é vida […] A gente tem nosso saber, tem nossa intelectualidade”, disse Gizele Martins.

A gente não quer só sobreviver, porque é histórico da favela sobreviver. A gente quer viver.

Gizele Martins durante Wired Festival 2021.

A jornalista Gizele Martins chamou atenção para os processos históricos de resistência nas favelas.

“Nós [da Favela de Acari, na Zona Norte do Rio de Janeiro] fomos citados numa música de Jorge Ben Jor; é um lugar praticamente invisível aos olhos da sociedade, mas tem muita vida, tem muita cor”, afirmou Buba Aguiar.

O favelismo é o ubuntu, uma coletividade que não se vê em locais não empobrecidos.

Buba Aguiar chamou atenção para os processos históricos de resistência nas favelas.

A ativista Buba Aguiar ressaltou a força da coletividade nas favelas e o poder disso para a sobrevivência conjunta nas comunidades.

LEIA TAMBÉM: Sustentabilidade na veia: jovem cria moto de madeira movida à energia solar

‘Mudanças climáticas e o impacto na desigualdade para as mulheres’

No segundo painel, participaram Alice Pataxó, ativista, comunicadora indígena e graduanda em Humanidades (UFSB), Rayana Burgos, cientista política e ativista pela justiça climática, e Priscilla Santos, advogada e mestra em política ambiental.

Durante a conversa, as convidadas debateram sobre a importância de analisar a realidade a partir de perspectivas que contemplem mulheres em situação de vulnerabilidade, mulheres periféricas e mulheres não brancas, além de levantarem alternativas para pensar em um futuro mais inclusivo e sustentável para as gerações futuras.

LEIA TAMBÉM: Artistas, mulheres e mães se reúnem para celebrar maternidade e apoiar projeto Mães da Favela

“Eu não fui na COP26 para viajar, eu fui buscar soluções para o país”, contou Alice Pataxó, que foi uma das representantes indígenas a representar o Brasil na Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2021.

Os dados mostram que, a cada ano que passa, a gente perde mais meninas na educação. E as mudanças climáticas agravam ainda mais essa situação, justamente por serem as pessoas mais responsáveis pelas tarefas domésticas, por terem filhos muito cedo.

Alice Pataxó durante Wired Festival 2021.

Alice Pataxó é influenciadora e comunicadora indígena e tem milhares de seguidores nas redes sociais.

“O desmatamento não é um favor, é uma questão econômica também”, ressaltou Priscilla Santos ao tratar da preservação do meio ambiente como um assunto também de escala econômica para o país.

Todo mundo é afetado pelas mudanças climáticas, mas cada um de uma maneira. Precisamos lembrar que o Brasil é marcado pela desigualdade social, e há a dupla exposição: vulnerabilidade social e ambiental.

A advogada Priscilla Santos durante Wired Festival 2021.

Mestra em política ambiental, Priscilla Santos ressaltou as diferentes esferas sociopolíticas impactadas pela emergência climática.

“É importante aumentar a empregabilidade de jovens em carreiras climáticas em busca de um mundo melhor”, defendeu Rayana Burgos.

Precisamos não só de jovens, mas da atuação junto ao governo e às instituições. A política não se resume ao período eleitoral.

Rayana Burgos durante Wired Festival 2021.

A cientista política Rayana Burgos chamou atenção para a necessidade de incluir os jovens nos debates sobre o meio ambiente.

Esta matéria foi feita em parceria com a redatora Mariana França.

Publicidade

Fotos: Hypeness/Bárbara Martins


Bárbara Martins
Criada em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, é jornalista, fotógrafa e videomaker. Envolvida pela cultura, história e arte de subúrbios e periferias, dedicou pouco mais de dois anos à cobertura de pautas relacionadas à música como redatora do site Reverb, antigo parceiro do Rock in Rio. Em formação pela UFRJ, também tem experiência com produção de conteúdo para redes sociais, assessoria de imprensa e gravação de sessions e entrevistas.

Notice: date_default_timezone_set(): Timezone ID 'UTC-3' is invalid in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/part/home/brand-channel.php on line 29

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.