Debate

‘BBB’: racismo e transfobia contra Douglas Costa e Linn da Quebrada mostram tolerância de gigantes da internet

Redação Hypeness - 31/01/2022 às 14:21

O “BBB” mal começou e já estamos vendo as mais revoltantes demonstrações de ódio e preconceito começarem a brotar na internet. Recentemente, os participantes Douglas Silva e Linn da Quebrada foram covardemente (e, é claro, anonimamente) atacados por um site criminoso, que usa fotos de membros da Ku Klux Klan para ilustrar o texto de título “Douglas Silva, um macaco no BBB”.

Nessa publicação racista, que ainda não teve o autor identificado, podemos encontrar termos com “negro imundo” e “preto fedido” se referindo ao participante e ainda uma frase fazendo apologia à escravidão “O lugar desse preto fedido é trabalhando no sol quente numa lavoura e levando chicotada do nosso amigo Capataz Sancto”, diz o trecho.

A participante Linn da Quebrada também foi alvo desses ataques, mas especificamente quando precisou corrigir (pela milésima vez) uma colega que se referiu a ela no masculino. “Linn, o traveco do ‘BBB 22’ está chateado por ter sido chamado de ‘amigo’. Eu não entendi qual é o problema, já que só utilizaram o substantivo correto ao chamar ele de amigo, pois ele é HOMEM [sic]”.

Contra-ataque

Antes de ir para o confinamento, Douglas, já prevendo esse tipo de problema, deixou uma procuração com seu advogado, Ricardo Brajterman, que entrou com um pedido de investigação na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi). Brajterman foi à Polícia acompanhado de um representante da Comissão de Combate às Discriminações e Preconceitos da ALERJ.

Importante deixar aqui registrado que ambos os ataques são considerados crimes, uma vez que que podem ser considerados racismo e transfobia.

Passada de pano digital

Grande parte dos usuários do Twitter estão pedindo novas regulações na plataforma e, em especial, a implementação de uma ferramenta contra notícias falsas. A movimentação está tão grande que até subiram a hashtag #TwitterApoiaFakeNews, que esteve entre os assuntos mais comentados da rede social na semana passada. Entre as principais reclamações estava o fato do Twitter no Brasil não disponibilizar oportunidade de denunciar publicações com informações falsas sobre a pandemia da Covid-19.

Nos Estados Unidos, na Coreia do Sul e na Austrália esta ferramenta está funcionando desde agosto de 2021. De acordo com a rede social, o uso nos três países começou em caráter de teste, para posteriormente ser disponibilizado para o restante do mundo. Ao g1, o Twitter disse que, recentemente, fez uma revisão da política de verificação. Agora, qualquer usuário pode submeter solicitações via formulário e, caso a conta atenda aos critérios da empresa, o selo é concedido.

Publicidade

Reprodução: Instagram


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Canais Especiais Hypeness