Debate

Coach que esnobou bombeiros ao ser resgatado com grupo em trilha dispara: ‘Cada um que cuide da sua vida’

Vitor Paiva - 19/01/2022 às 08:56

A história do “coacho messiânico” Pablo Marçal não para de ganhar novos e mais questionáveis capítulos a cada dia. Após comandar uma malsucedida expedição coletiva ao Pico dos Marins, na Serra da Mantiqueira, em São Paulo, não agradecer aos bombeiros que resgataram o grupo, e ser apontado como integrante de uma quadrilha no passado, agora o “influenciador digital” afirmou em entrevista que não é responsável pela imprudente excursão que liderou, e que colocou em risco a vida de 60 pessoas, resgatadas após mais de 20 horas de ventos intensos e chuva torrencial no último dia 4 de janeiro – os bombeiros precisaram de 9 horas de trabalho para encontrar o grupo.

o “coacho messiânico” Pablo Marçal

O “coacho messiânico” Pablo Marçal “em ação”

-Coach sentimental é acusado de extorquir e transmitir doença sexual para clientes

A declaração foi dada no último domingo, em entrevista para o programa Fantástico, da Rede Globo, e buscou, de forma confusa e autocentrada, justificar o ocorrido. “Está todo mundo aí falando: o Pablo é irresponsável. Eu sou irresponsável com a minha própria vida. Então, cada um que cuide da sua”, afirmou o coach, que conduziu o grupo pelas trilhas na direção do Pico dos Marins sem seguir as orientações sobre o mau tempo e sem os equipamentos de segurança necessários. “Eu não me vejo irresponsável, sendo que eu chamei o Corpo de Bombeiros. Porque não precisou. Eu chamei de precaução, contra o grupo inteiro. Eu sou o irresponsável?”, questionou. Algumas pessoas do grupo já apresentavam quadro de hipotermia quando os bombeiros chegaram para realizar o resgate.

Marçal em trilha anterior

Marçal em trilha percorrida anteriormente

-Coach de relacionamento vira réu após ser acusado de agredir a ex

Entre os muitos que não concordaram com as declarações de Marçal está o tenente Pedro Aihara, do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, que foi às redes sociais comentar o ocorrido. “Um ‘coach’ irresponsável fanfarrão coloca 60 pessoas para subir o Pico do Marins debaixo de chuva. Sem conhecimento técnico, sem suporte adequado, sem estrutura, porque, segundo ele, ‘é tudo emocional’”, escreveu o militar. A justiça aceitou um pedido do Ministério Público, e proibiu Marçal, que chega a cobra R$ 3 mil por seus cursos motivacionais, de conduzir qualquer atividade profissional em trilhas, montanhas, picos, lagos ou mares.

trilha anterior

“Só conquista o topo dessa montanha quem está disposto a entregar todos os seus recursos durante o caminho”, diz legenda de post mostrando trilha anterior

-Casal perdido em trilha com cachorro machucado é salvo por escoteiro de 12 anos

O Ministério Público Federal confirmou que Marçal era ligado a uma quadrilha que desviava dinheiro de bancos – condenado em 2010, o influencer teve sua pena extinta em 2018 por prescrição retroativa, quando se passam mais anos do que a sentença em trânsito em julgado. Ainda segundo a reportagem da Rede Globo, os guias contratados para auxiliar no trajeto alertaram que a missão era “loucura” por conta do mau tempo e das condições do terreno, mas o coach e seus grupos insistiram que queriam seguir. O Pico dos Marins é o terceiro ponto mais alto de todo o estado de São Paulo, e a ideia de chegar ao topo da montanha era apontada por ele como um símbolo de superação e conquista pessoal.

Publicidade

© fotos: Instagram/Reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness