Debate

‘Dark web’ se torna campo frutífero para traficantes de drogas; entenda

14 • 01 • 2022 às 10:22
Atualizada em 17 • 01 • 2022 às 11:21
Redação Hypeness
Redação Hypeness Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Como Vender Drogs Online (Rápido)” é uma daquelas séries não tão famosas mas que deveriam — e mereciam — ser. A atração alemã é exibida na Netflix e conta a história de Moritz Zimmermann, um nerd que, na tentativa de reconquistar um amor, acaba virando vendedor de drogas nas profundezas da internet. Moritz mergulha na chamada “deep web” e passa a vender ecstasy online. Com informações da BBC Brasil. 

Whindersson Nunes revela abuso de drogas após terminar com Luísa Sonza: ‘LSD em doses cavalares’

O ator alemão Maximilian Mundt na pele do personagem Moritz Zimmermann, da série “Como Vender Drogas Online (Rápido)”.

A história foi inspirada no caso real de Maximilian Schmidt, um jovem alemão que construiu um império de comércio ilegal de drogas dentro do próprio quarto sem levantar suspeita de seus pais. O caso de Maximilian não é um episódio isolado, ele faz parte de uma rede que atua nos mais profundos abismos da internet e que cresce cada vez mais.

Os repórteres Joe Tidy e Alison Benjamin, da “BBC”, mergulharam no universo de venda de drogas online. Por lá, conseguiram comprar ecstasy e cocaína em uma plataforma chamada Torrez e em um outro site. Os produtos chegaram pelo correio, em embalagens que disfarçavam o verdadeiro conteúdo do pacote. 

Depois de uma análise laboratorial, atestou-se que as drogas eram bem menos potentes do que se previa. 

– ‘Cocaína artesanal’ vira febre entre viciados ricos do Reino Unido

Pouco tempo depois da compra online feita pelos repórteres, a plataforma Torrez saiu do ar, numa espécie de retirada voluntária antes que algo de ruim aconteça — como, por exemplo, ser preso. 

A plataforma Torrez, que encerrou suas atividades recentemente, era uma das que vendia drogas na deep web.

Ao deixar a vida do crime no submundo virtual de forma tão abrupta, pode-se imaginar o quanto de dinheiro as mentes por trás do comércio ilegal estão faturando. De acordo com David Décary-Hétu, professor e criminologista da Universidade de Montreal, os responsáveis pela administração desses portais de vendas conseguem faturar até mais de US$ 100 mil por dia. 

Em uma outra perspectiva da aposentadoria precoce de quem faz muito dinheiro vendendo drogas em troca de criptomoedas, há também os golpes conhecidos como “golpe de saída”. Nele, os operadores de vendas e os próprios sites desaparecem da deep web com o dinheiro dos clientes. A tática é conhecida como “golpe de saída”. 

Segundo uma pesquisa feita com usuários de drogas do mundo todo, em 2021, quase um em cada quatro entrevistados na América do Norte admitiu que comprava drogas online. Na Rússia, esse número chegou aos 86%.

Um levantamento feito pela “BBC” mostra que há pelo menos 450 traficantes operando na internet hoje em dia. Acredita-se que o número seja muito  inferior ao retrato da realidade. Apesar de saberem de operações policiais que buscam encontrá-los, os traficantes não parecem muito preocupados com as buscas. 

As repressões baseadas na lei não afetaram muito nossos negócios, e acreditamos que a maioria dos outros fornecedores também não se importa com isso“, afirmou o Pygmalion Syndicate, um “coletivo hippie” de traficantes do Reino Unido e da Alemanha. 

Publicidade

Canais Especiais Hypeness