Debate

‘Feminismo e as princesas da Disney’ vira debate racista, machista e gordofóbico em podcast

11 • 01 • 2022 às 14:17
Atualizada em 11 • 01 • 2022 às 14:27
Redação Hypeness
Redação Hypeness Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Nessa semana, a produtora Brasil Paralelo publicou em seu canal do Youtube um episódio do podcast ‘Red Pill’. Com o tema ‘Feminismo e as princesas da Disney‘, a conversa logo se transformou em um show de falas racistas, conspirações anticomunistas, e discursos homofóbicos e absolutamente classistas.

Com as influenciadoras conservadoras Mariana Brito e Pietra Bertolazzi e dois apresentadores da própria produtora de conteúdo de extrema-direita, o podcast tem como ideia principal uma conspiração de que a Disney está mudando o jeito de suas princesas para transformar as crianças em feministas.

– Disney impede mulher de amamentar em público para ‘não chocar clientes estrangeiros’

Quatro pessoas brancas acham que princesa Moana é feia e defendem até voto censitário

Racismo, gordofobia e defesa da submissão

De acordo com Brito e Bertolazzi, a introdução de princesas que não têm príncipes e a inclusão de figuras femininas sem a presença de príncipe são uma ameaça ao sistema familiar.

Para elas, a introdução de figuras como a princesa Moana ou de Camilla Cabello como Cinderela,

Além disso, as princesas não podem mudar de etnia. “Agora queriam colocar uma Pequena Sereia negra, lembra dessa? Eu acho que isso vem muito desse [feminismo interseccional], fez uma narrativa. A pequena sereia, toda bonitinha, feminista? Então, não tem andado muito certo aqui porque o mundo continua do mesmo jeito? Agora pegar e, vamos usar a partir desse feminismo intersecciona, vamos fazer uma outra pauta aqui para para o filme. Vamos agora colocar uma uma pequena sereia negra aqui. É uma contradição, né? se você for parar pesquisar, a Pequena Sereia, que é dinamarquesa. Ela é ruiva, né? […] é a lacração, né?”, afirma uma das participantes do podcast.

– Disney vai colocar alerta de preconceito em cenas de filmes clássicos

As participantes falam que corpos gordos não podem ser belos, em um show de gordofobia. “A gente está sendo induzido agora queria achar que se gordo é bonito. Não estou falando gordinho, estou falando de obesidade. Que pode saudável e ser obeso. Que pode ser bonito você ser feio”, disse uma delas.

Elas ainda defendem que a feminilidade é a submissão e a busca por um marido. “Se você não tem a princesa você perde a feminilidade e a submissão. Hoje a gente tem as feministas convencendo todo mundo de que submissão é algo ruim e não é. Porque submissão significa que você sabe o teu papel na hierarquia do casamento então você tem um papel igualmente importante de outra forma”, afirma uma delas. “Manter uma princesa da Disney é manter um resgate à nossa natureza: a mulher feminina”, completa outra.

– Acusada de embranquecimento, Disney redesenha ‘Princesa Tiana’ em ‘Detona Ralph’

No meio do podcast, os apresentadores do programa ainda defendem a volta do voto censitário. “A democracia do Brasil tem uma solução: só vota quem paga o boleto. Vários caras não se elegeriam”, afirma o apresentador do podcast. “Cara, eu restringiria um pouco mais: quem paga um darf. Boleto qualquer um paga”, completa uma das convidadas.

Publicidade

Canais Especiais Hypeness