Debate

Príncipe Andrew: entenda processo por abuso sexual que pode levar filho de Elizabeth II ao tribunal

Redação Hypeness - 17/01/2022 às 11:15

2022 começando e, felizmente, a chapa está cada vez quente para os abusadores. Tão quente que está começando a fritar até a monarquia. Em agosto do ano passado a amizade do príncipe Andrew, do Reino Unido, com o financista americano Jeffrey Epstein (falecido em 2019) trouxe à tona um possível crime sexual cometido pelo duque de York. O terceiro filho da rainha Elizabeth II foi considerado por investigadores americanos como “pessoa de interesse” no caso que analisa o envolvimento de Epstein e sua parceira de negócios, a socialite britânica Ghislaine Maxwell, com tráfico e exploração sexual de mulheres.

 

De agosto para cá muita coisa já aconteceu. Para facilitar o entendimento de quem não acompanhou o processo desde o início, aqui vai uma atualização.

O caso

O príncipe Andrew foi destituído de seus títulos militares e defenderá um processo civil de agressão sexual como um “cidadão privado”, anunciou o Palácio de Buckingham.

O duque de York retornou suas nomeações e patrocínios militares “com a aprovação e o acordo da rainha” e não será mais conhecido como Sua Alteza Real.

Na sexta-feira, o príncipe Charles ignorou perguntas sobre o exílio de Andrew da família real durante uma aparição pública na Escócia.

Charles e William foram “instrumentais” na decisão e pediram à rainha para removê-lo, de acordo com o Daily Mail.

A decisão de rebaixar o príncipe Andrew veio depois que ele falhou na tentativa de convencer um juiz a arquivar um processo civil movido por Virginia Giuffre em um tribunal federal de Nova York.

Giuffre alega que foi forçada a fazer sexo com os amigos de Jeffrey Epstein – incluindo o duque de York – quando tinha 17 anos. O príncipe Andrew nega veementemente as acusações contra ele.

Virginia Giuffre disse que pediu a Epstein para tirar esta foto dela com o príncipe Andrew e Maxwell; o duque de York disse que não se lembra dela ou do momento da fotografia

Enquanto isso, o The Times relata que a equipe jurídica de Andrew pode ouvir ainda neste fim de semana se Sarah Ferguson e o príncipe Beatrice enfrentarão questionamentos dos advogados de Giuffre.

Giuffre disse que um julgamento seria “uma chance de expor a verdade”.

Uma chance de expor a verdade

Virginia Giuffre disse que o julgamento de agressão sexual do príncipe Andrew será “uma chance de expor a verdade” depois que um juiz dos EUA permitiu que seu caso contra o filho da rainha prosseguisse.

Seus primeiros comentários sobre a decisão de um juiz federal de negar a moção de Andrews para arquivar seu processo vêm depois que seus títulos militares e patrocínios reais foram retirados pela rainha.

Giuffre comemorou decisão de juiz de Nova York e disse que ‘serão apresentadas provas das suas acusações’ contra o príncipe Andrew

Giuffre abordou o assunto em uma série de tweets na noite de quinta-feira, dizendo que estava “satisfeita” que o caso fosse levado a julgamento.

“Estou satisfeito com a decisão do juiz Kaplan ontem, que permite que meu caso contra o príncipe Andrew avance. Estou feliz por ter a chance de continuar expondo a verdade e sou profundamente grata à minha extraordinária equipe jurídica”, escreveu ela no Twitter.

Linha de sucessão

O príncipe Andrew permanece na linha do trono britânico, apesar de ter sido destituído de algumas regalias monárquicas e de cargos militares honorários, o duque é o nono na linha de sucessão.

O primeiro na linha de sucessão ao trono é o príncipe Charles, seguido pelo príncipe William. Os três filhos de William vêm em seguida; George, Charlotte e depois Louis.

O duque de Sussex (Principe Harry) é o próximo na fila, seguido por seu filho Archie e sua filha Lilibet. Andrew é o próximo na fila depois de Lilibet.

Decisão judicial

O príncipe Andrew enfrenta a perspectiva de um julgamento civil por acusações de que ele abusou sexualmente de Virginia Roberts Giuffre quando ela era menor de idade, depois que um juiz negou sua tentativa de arquivar o processo.

A decisão desta semana é um grande golpe para o duque de York, cujo advogado alegou que um acordo confidencial com o financista Jeffrey Epstein deveria absolvê-lo de responsabilidade.

Isso abre o caminho para os advogados de Giuffre entrarem em uma fase prolongada de descoberta e depoimento que pode atrair outros membros da família real.

Um julgamento pode começar a qualquer momento, embora ainda não esteja claro se a realeza terá que viajar para os Estados Unidos ou será obrigada a depor de outra forma.

Perda de privilégios

O ministro da Segurança do Reino Unido, Damian Hinds, recusou-se a confirmar se os contribuintes britânicos continuarão a pagar pelos detalhes de segurança pessoal do príncipe Andrew.

Andrew, de 61 anos, foi destituído de seus títulos militares, não pode mais se chamar Sua Alteza Real e lutará em um caso de agressão sexual civil como “cidadão privado”, anunciou o Palácio de Buckingham na quinta-feira.

Falando no rádio LBC , Hinds disse: “Nossas forças de segurança, a polícia e outros, fazem o que julgam necessário para proteger nosso país, para proteger as pessoas nele”. Ele disse que era um princípio de longa data que o governo não divulgasse detalhes sobre a proteção de figuras públicas.

Quando pressionado pelo apresentador Nick Ferrari, ele disse: “Eu sei que isso vai parecer para você possivelmente, e possivelmente para alguns ouvintes, como eu ofuscando e evitando a pergunta, e suponho que talvez até de certa forma esteja evitando a pergunta, mas apenas porque é correto dizer que a polícia e as nossas forças de segurança alargadas fazem o que é certo e proporcionado para proteger a população deste país. E não divulgamos exatamente o que isso abrange.”

Em uma entrevista em 2021, o príncipe Harry revelou que perdeu sua equipe de segurança financiada publicamente quando ele e Meghan Markle deixaram os deveres reais no ano anterior.

Insustentável

O príncipe Andrew está enfrentando crescentes pedidos de que ele seja destituído de seu título de duque de York dos líderes políticos do país.

A deputada do York Central Rachel Maskell disse que era “insustentável” que Andrew “se agarrasse ao seu título por mais um dia”.

“Há uma acusação muito séria feita contra este homem de privilégio e direito. Estou trabalhando com agências para combater a violência sexual e a misoginia”, acrescentando a hashtag #NotInYorksName.

Ainda não há mais nenhuma definição sobre o caso, o que nos resta é aguardar que esse julgamento seja conduzido de forma idônea e que se houverem culpados, que seja aplicada a punição, independente da “cor” do seu sangue.

Publicidade

Reprodução: The Independent


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Canais Especiais Hypeness