Ciência

Sinais de rádio emitidos da via Láctea por objetos desconhecidos intrigam astrônomos

Vitor Paiva - 21/01/2022 às 07:35

Uma série de misteriosas ondas de rádio vindas do centro da galáxia e detectadas por cientistas da Escola de Física da Universidade de Sidney, na Austrália, vem movendo uma verdadeira investigação espacial. De acordo com o estudo que documentou a descoberta, publicado no Jornal de Astrofísica da universidade, o fenômeno foi notado primeiramente em 2020, é diferente de qualquer outro estudado anteriormente, e tem como origem um objeto estelar ainda desconhecido – desde sua descoberta, o caso vem sendo monitorado por pesquisadores australianos, junto a cientistas da Universidade de Wisconsin-Milwaukee, nos EUA.

O radiotelescópio ASKAP, na Austrália, que detectou o sinal

O radiotelescópio ASKAP, na Austrália, que primeiro detectou o sinal

-Astrônomos detectam sinal de rádio misterioso que pode indicar vida extraterrestre

Os sinais foram primeiro captados através do radiotelescópio ASKAP, na Austrália, e chamaram a atenção de Ziteng Wang, estudante de doutorado da Escola de Física da Universidade de Sydney e principal autor do estudo, por conta da luz e do brilho do objeto, que piscava e apagava em sequência sem padrão regular, ficando 100 vezes mais claro e mais escuro ao longo do tempo. “A propriedade mais estranha desse novo sinal é que ele tem uma polarização muito alta. Isso significa que sua luz oscila em apenas uma direção, mas essa direção gira com o tempo”, afirmou Wang, em comunicado.

Ziteng Wang, estudante de doutorado da Escola de Física da Universidade de Sydney

O ASKAP é formado por 36 antenas

-MDZhB: a misteriosa rádio soviética que segue emitindo sinais e ruídos há quase 50 anos

O objeto foi batizado de ASKAP J173608.2-321635 a partir de suas coordenadas, e emitiu seis poderosos sinais de rádio, captados por dois diferentes telescópios ao longo de nove meses, que desapareceram e reapareceram com longos e irregulares intervalos. “Nunca vimos nada parecido”, afirmou Wang, sublinhando que as ondas descobertas não se encaixam em nenhum padrão conhecido ou classificação atual de fontes de rádio no espaço. “Este objeto era o único que começou invisível, tornou-se brilhante, desbotou e então reapareceu. Esse comportamento foi extraordinário”, afirmou Tara Murphy, da Universidade de Sydney.

O autor do estudo é Ziteng Wang, doutorando em Física na Universidade de Sydney

O autor do estudo é Ziteng Wang, doutorando em Física na Universidade de Sydney

-‘Fantasmas dançantes’ são achados perto de buraco negro; entenda

Inicialmente a equipe de cientistas pensou se tratar de um pulsar, tipo denso de estrela de nêutrons que gira veloz, ou uma estrela emitindo grandes explosões, mas as ondas detectadas não correspondem ao que se sabe sobre o comportamento de tais estrelas. Atualmente, as esperanças dos cientistas estão Square Kilometer Array, que será o maior radiotelescópio do mundo, ainda em construção no Observatório de Radioastronomia da África do Sul. “Esperamos que o poder deste telescópio nos ajude a resolver mistérios como esta última descoberta, mas também abrirá novas áreas do cosmos para a exploração do espectro de rádio”, concluiu Wang.

Square Kilometer Array

Representação artística do Square Kilometer Array, que será construído na África do Sul

Publicidade

© fotos 1, 2, 4: Wikimedia Commons

© foto 3: Universidade de Sidney

 


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness