Debate

Turista holandesa que fez saudação nazista em campo de concentração de Auschwitz é detida e multada

Vitor Paiva - 27/01/2022 às 09:09

Uma mulher holandesa foi presa após fazer uma saudação nazista em frente ao portão do antigo campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, na Polônia. A turista de 29 anos não teve sua identidade revelada, e foi detida por guardas do próprio local, no passado o maior dos campos de extermínio nazista, hoje transformado em memorial e museu.

Segundo a imprensa polonesa, o crime aconteceu no último domingo, enquanto a mulher posava para uma foto tirada por seu marido, de 30 anos: após ser multada e detida, ela admitiu sua culpa e afirmou à polícia que a saudação foi feita “somente” como uma “piada estúpida”.

campo de concentração de Auschwitz-Birkenau

A entrada do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, onde o crime foi cometido

-Namorados presos juntos em Auschwitz se encontraram 72 anos depois

Pela lei polonesa, o crime de promoção pública de fascismo ou nazismo pode levar a dois anos de prisão, pela saudação “associada com terrível sofrimento humano e ódio”, conforme afirmou um porta-voz do museu, que sublinhou a importância da reação imediata da equipe de segurança do local, como um aviso para quem pensar em usar o memorial como local de manifestações de ódio.

“Ainda que não possa ocorrer em lugar algum, fazê-lo no local de um antigo campo de concentração é inaceitável, um desrespeito a todas as vítimas do campo”, afirmou, em comunicado.

campo de concentração de Auschwitz-Birkenau

Judeus húngaros sendo direcionados para a câmara de gás no campo

-Brasileiro sobrevivente de Auschwitz dá relato forte sobre campo de concentração

Essa não é a primeira vez que o local é cenário de gestos ou declarações semelhantes: conforme lembrou a imprensa polonesa, em 2013 dois estudantes turcos foram condenados a seis meses de prisão e multa por tirarem foto semelhante, diante do portão de Auschwitz, onde se lê a sombria frase “O trabalho liberta” (Arbeit macht frei, em alemão).

Desde que o local foi tornado em museu, em 1947 – dois anos após a libertação por tropas soviéticas –, diversos crimes de ódio semelhantes, em sua maioria cometidos por turistas e visitantes, ocorreram no campo.

campo de concentração de Auschwitz-Birkenau

Entrada de Auschwitz-Birkenau vista de dentro do campo

-A história de resistência da bailarina polonesa que atirou em nazistas a caminho da câmara de gás

A rede de campos de concentração de Auschwitz-Birkenau funcionou na Polônia ocupada entre maio de 1940 e janeiro de 1945, e se tornou a principal peça para o plano nazista de extermínio da população judaica na Europa, como o maior dos campos de concentração.

Dos mais de 6 milhões de judeus assassinados durante o Holocausto, estimam-se que entre 1 e 2 milhões tenham morrido em Auschwitz: os que não era assassinados em câmaras de gás morriam fuzilados, de doença ou fome. Anualmente o museu recebe cerca de 30 milhões de visitantes.

campo de concentração de Auschwitz-Birkenau

Prisioneiros junto de soldados soviéticos no dia da libertação

Publicidade

© fotos: Wikimedia Commons


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness