Arte

Amélie Poulain 20 anos: 13 curiosidades deste clássico cult do cinema francês

Redação Hypeness - 22/02/2022 às 10:04

“Uma pessoa pode mudar sua vida para sempre”. E um filme também. O Fabuloso Destino de Amélie Poulain, esta obra-prima do cinema francês acaba de completar 20 anos e segue como um dos grandes filmes já produzidos no mundo.

Vencedor de 51 prêmios de cinema em todo o mundo, incluindo 4 Césars, além de 46 indicações – 4 dessas ao Oscar – o diretor Jean-Pierre Jeunet catapultou Amélie para um sucesso imediato e internacional, criando o que é sem dúvida um dos melhores filmes franceses de todos os tempos. E que agora está de volta ao catálogo do Telecine!

O enredo é tipicamente francês com sua sutileza e ritmo prolongado. A trama acompanha a personagem principal Amélie Poulain, interpretada por Audrey Tautou, durante um período em que ela busca desesperadamente por um sentido para a vida.

Constantemente à procura de amor, Amélie é uma personagem deliciosa, com imaginação extraordinária, amor quase infantil pela vida e seu desejo ardente de ajudar quem está à sua volta. Outro tema muito presente é o da interação entre a humanidade, o mundo físico e nossa curiosidade pelos pequenos prazeres. Amélie é um escapismo criativo purinho!

Conheça agora algumas curiosidades sobre o longa:

1. Emily ou Amélie Poulain?

Jean-Pierre Jeunet escreveu o papel, em francês, para a atriz inglesa Emily Watson, e deu o nome da atriz para a personagem principal do filme. Jeunet percebeu que o talento de atuação de Watson não era tão bom quando ela não estava falando sua língua nativa e até tentou fazer uma revisão do roteiro para indicar que Emily havia crescido na Inglaterra. Mas a atriz acabou abandonando o projeto, pois não queria ficar longe de casa por seis meses. Audrey fez o teste e rapidamente foi escolhida para o papel já com o nome de Amélie.

2. Estrela no poster

De acordo com Jeunet, ele estava andando pelas ruas de Paris não muito tempo depois que Emily Watson desistiu do papel, pensando em sua substituta, quando viu um pôster do filme “Instituto de Beleza Vênus”, com Audrey Tautou. “Fiquei impressionado com um par de olhos escuros, um lampejo de inocência, um comportamento incomum”, disse ele. “Marquei uma reunião e ela fez o texto para o papel. Depois de 10 segundos, eu sabia que ela era a única”.

3. Crianças registradas como Amélie

Em 2000, um ano antes do lançamento do filme, havia 12 bebês na Inglaterra e no País de Gales com o nome de Amélie. O número subiu para 250 em 2002 e, em 2007, havia cerca de 1.100 novas Amélies registradas. O número se manteve estável desde então. A tendência foi semelhante nos EUA, com Amélie figurando na lista de nomes mais populares do país.

4. Paris fake, mas real

Todos os filmes anteriores de Jeunet (incluindo “Delicatessen” e “Alien: Resurrection”) foram filmados quase completamente em estúdios, numa preferência do diretor para ter maior controle de luz e ambiente. Mas recriar o bairro parisiense de Montmartre teria sido proibitivamente caro, então Jeunet teve que filmar nas ruas, mesmo que a coisa real não combinasse com a atmosfera onírica de sua imaginação. Para dar essa ideia, a equipe deixou o cenário limpo, sem carros, grafites e cartazes. “Digamos apenas que tentei exercer o máximo controle possível sobre a qualidade estética da cidade.” A pós-produção ajudou Jeunet a alcançar essa visão.

5. Cenas na Alemanha

As cenas do interior do apartamento de Amélie foram feitas em um estúdio na Alemanha, mas especificamente em Colônia. Jeunet rodou as cenas lá e não na França para se beneficiar de incentivos fiscais.

6. A Trilha sonora

Podemos agradecer a um assistente de produção por essa grande trilha sonora de Yann Tiersen. Jeunet nunca tinha ouvido o trabalho do músico até que um assistente de produção colocou para tocar um de seus CDs. Numa mudança de planos, o diretor convidou Tiersen para escrever a trilha para Amélie e acabou incluindo algumas de suas músicas já produzidas. O álbum da trilha sonora atingiu o primeiro lugar nas paradas musicais francesas.

7. Sem trilha, nada de Cannes

Rolou todo um burburinho quando Amélie estreou na França, com críticas entusiasmadas e dúvida do porquê o filme não foi convidado para o Festival de Cinema de Cannes. Jeunet disse que o diretor do festival simplesmente “não achou o filme muito interessante”, mas a escolha teve ainda outra reviravolta: o comitê de seleção viu uma versão inacabada do longa, ainda sem trilha sonora. Teria feito diferença? Pensando na música como essencial para o filme, vamos dizer que é possível sim.

8. Amélie na Broadway

Ainda que o diretor não gostasse de musicais, ele vendeu os direitos de adaptação para doar os lucros para a caridade. O musical Amélie foi anunciado em agosto de 2013 e estreou na Califórnia. E caso você esteja se perguntando: não, a trilha musical de Yann Tiersen do filme não faz parte dessa história.

9. Produção lucrativa

Amélie Poulain é o filme francês de maior bilheteria já lançado na América do Norte. Amélie ganhou US$ 33,2 milhões no país, superando facilmente os US$ 20,4 milhões feitos pelo recordista anterior, “A Gaiola das Malucas”, de 1978.

10. O Café

Jeunet usou um lugar real, chamado Café des Deux Moulins, para o local de trabalho de Amélie e o centro de grande parte das cenas do filme. Da próxima vez que você estiver em Paris, você o encontrará na 15 Rue Lepic em Montmartre, parecendo mais ou menos como no filme, exceto que agora o crème brûlée leva o nome de Amélie, e a fachada está sempre cheia de turistas tirando fotos do lugar.

11. Mais cor, menos azul

Em geral, a paleta de cores do longa é quente, com muitos vermelhos, amarelos e verdes; embora outro filme francês tenha sugerido o contrário, em Amélie o azul não é a cor mais quente. Quando você vê azul em Amélie, geralmente é para fornecer contraste – e muitas vezes foi adicionado na pós-produção.

12. Amélie distópica

Em 1995, o ator e diretor francês Mathieu Kassovitz fez “O Ódio”, um violento drama sociopolítico sobre a tensão racial em Paris, aclamado por seu realismo. Essa é a versão distópica de Amélie, onde Paris é uma cidade-fantasia quase bizarra por ser livre de problemas e ter uma população quase inteiramente branca – o que inclusive rendeu muitas críticas ao filme.

13. Audrey não queria ser atriz

Audrey Tautou foi atriz e modelo desde jovem, mas não era o que ela planejava fazer depois que crescesse. Ela queria ser primatologista e, de fato, fez uma viagem a Sumatra depois de Amélie para estudar orangotangos.

O Fabuloso Destino de Amélie Poulain acaba de entrar para o catálogo do Telecine e é uma grande chance para ver e rever este grande sucesso do cinema francês. Afinal, clássicos nunca envelhecem! Assista e aproveite outros grandes filmes na Cinelist de filmes premiados.

Publicidade

Fotos e gifs: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Canais Especiais Hypeness