Futuro

Estação Espacial irá ‘cair’ na Terra em 2031; entenda para onde satélites são levados

Vitor Paiva - 10/02/2022 às 10:05 | Atualizada em 11/02/2022 às 16:09

A Estação Espacial Internacional tem uma viagem marcada para 2031, mas não na direção de um novo ponto da órbita baixa da Terra, nem mesmo a outro ponto no espaço, e sim para o fundo do mar – mais precisamente para uma região no Oceano Pacífico conhecida como Ponto Nemo. A “queda” da ISS, como a estação é conhecida por sua sigla em inglês, não será, é claro, fruto de um acidente, mas sim pelo fim das atividades, como destino natural para um equipamento que se encontra em órbita desde 1998 e que vem sendo tripulado e utilizado ininterruptamente desde o ano 2000 – e que não irá mais funcionar após o prazo por conta da fadiga estrutural que começará a apresentar.

A Estação Espacial Internacional

A Estação Espacial Internacional está em órbita e funcionando há cerca de 22 anos

-Vídeo mostra aterrissagem histórica de astronautas da NASA após 2 meses na Estação Espacial

Uma “data de validade” da ISS não só estava prevista desde a fabricação do equipamento, como originalmente calculava-se em um prazo menor: a estação só tem aprovação para funcionar até 2024. O governo do atual presidente estadunidense Joe Biden anunciou que pretende estender as atividades da ISS até 2030, para em seguida colocá-la para “descansar” no fundo do mar. A extensão ainda depende, no entanto, da aprovação de outros países membros, parceiros na manutenção e utilização do equipamento, como a Rússia. A agência espacial russa já declarou que qualquer utilização da estação após 2030 estará ameaçada por futuras falhas “irreparáveis” no equipamento.

A astronauta Karen Nyberg admirando a incrível vista de sua janela na ISS

A astronauta Karen Nyberg admirando a incrível vista de sua janela na ISS 

-Nasa paga 1 milhão de dólares por ideias sobre como alimentar astronautas em Marte

Segundo declaração da NASA, agência espacial dos EUA, após a aposentadoria da ISS as atividades na órbita baixa da Terra serão transferidas para o setor privado. A transição representará uma economia de cerca de 1,3 bilhão de dólares para os cofres estadunidenses, já que a NASA passará a pagar somente pelos serviços e usos pontuais de futuras estações privadas construídas, e não mais pela operação geral e manutenção dos equipamentos. Mais de 3 mil experimentos, pesquisas e projetos científicos já foram realizadas na Estação Espacial Internacional desde o início de suas atividades, como um gigante laboratório de microgravidade e atividades espaciais.

O astronauta Tim Kopra, da NASA, trabalhando em um experimento no laboratório da Estação

O astronauta Tim Kopra, da NASA, trabalhando em um experimento no laboratório da Estação

Representação do Ponto Nemo, local mais isolado de todo o oceano

Representação do Ponto Nemo, local mais isolado de todo o oceano, onde a ISS irá “cair”

-Wi-fi no espaço passa por satélite instalado a 35 mil km de altitude na órbita da Terra

Também conhecido como “Polo da Inacessibilidade do Pacífico”, o Ponto Nemo, onde a ISS será colocada, é a região oceânica mais distante de qualquer continente ou ilha, e um dos pontos mais isolados do planeta. Localizado no meio do Oceano Pacífico, a região é tão distante de qualquer ponto de terra que se calcula que os seres humanos mais próximos do Ponto Nemo são justamente os astronautas na Estação Espacial, a uma altitude de 416 quilômetros: o barco que mais rápido alcançou o local levou mais de 15 dias de viagem. No “Polo” foram afundados centenas de equipamentos espaciais inutilizados, incluindo satélites antigos e os restos da antiga estação espacial Mir, que funcionava na órbita terrestre antes da ISS.

A estimativa é de que a Estação funcione até 2030

A estimativa é de que a Estação funcione até 2030

Publicidade

© foto 1, 2, 3: NASA/Reprodução

© foto 4: Wikimedia Commons

© foto 5: ESA/Reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness