Ciência

Foguete que irá se chocar com a Lua em março é chinês, e não de Elon Musk; entenda

Vitor Paiva - 16/02/2022 às 10:29 | Atualizada em 18/02/2022 às 11:09

Em janeiro de 2022, o astrônomo e pesquisador independente Bill Gray causou celeuma ao descobrir que restos de um foguete que há anos vagam pelo espaço irão colidir com a lua, no início de março. Inicialmente, a previsão afirmou se tratar de parte do Falcon 9, nave lançada pela empresa SpaceX, de Elon Musk, em 2015, e utilizada para impulsionar o Observatório Climático do Espaço Profundo dos EUA (DSCOVR, na sigla em inglês): recentemente, porém, Gray corrigiu sua previsão, revelando que não se trata dos restos do foguete de Musk, mas sim, provavelmente de uma nave de longa marcha que fez parte da missão chinesa Chang’e 5-T1, lançada ao espaço em outubro de 2014.

Lançamento da Falcon 9

Lançamento da Falcon 9: novos cálculos concluíram que não são os restos desse foguete que irão colidir com a lua

-Astrocolonialismo: como as big techs estão roubando o céu da humanidade

Após a correção, o astrônomo publicou uma explicação e um pedido de desculpas no site Project Pluto, explicando que novos cálculos mostraram que o objeto que irá colidir com a lua vem do equipamento chinês – o anúncio anterior causou uma série de críticas à empresa de Musk. “Pensei que eram ou restos da DSCOVR ou alguns pedaços de dispositivos associados a ela”, escreveu Gray. “Dados adicionais confirmaram que sim, o objeto WE0913A [como foram nomeados os restos da Falcon 9] passaram pela Lua dois dias após o lançamento da DSCOVR”, esclareceu, a partir de erro apontado pelo engenheiro Jon Giorgini, do Laboratório de Propulsão a Jato, (JPL), da Nasa.

Decolagem da missão Chang’e 5-T1, em outubro de 2014

Decolagem da missão chinesa Chang’e 5-T1, em outubro de 2014

-Foto “inédita” mostra a visão do astronauta Buzz Aldrin, da Apollo 11, na Lua, 52 anos depois

Segundo o comunicado, a expectativa, agora revista e corrigida, é de que os destroços na direção da lua sejam do foguete chinês, lançado em 23 de outubro de 2014, e atingirão o astro no próximo dia 4 de março. A missão chinesa que enviou uma cápsula para voar ao redor da Lua teve originalmente o propósito de testar a tecnologia que a agência espacial do país iria utilizar em missão seguinte, que coletou material lunar. “Eu tinha evidenciais circunstanciais sólidas para a identificação, mas nada conclusivo. Isso não é incomum: identificações de lixo espacial costumam exigir trabalho de detetive, e muitas vezes nos não conseguimos a resposta. Há uma porção de restos não identificados pelo espaço”, escreveu Gray.

Representação de parte do equipamento lançado pela Chang’e 5-T1

Representação de parte do equipamento lançado pela Chang’e 5-T1

Capsula recuperada em solo da Chang’e 5-T1

Capsula recuperada em solo da Chang’e 5-T1 após retorno à Terra

-Nasa mostra preocupação com colisão catastrófica entre constelação de satélites

Seja qual for a origem dos destroços, a situação serve, segundo o astrônomo, para ilustrar a importância de um maior controle por parte das agências e empresas espaciais com os destroços e restos de cada missão. “Esse tipo de coisa seria consideravelmente mais fácil se houvesse algum tipo de regulação ambiental a qual as pessoas que lançam naves espaciais tivessem de se reportar”, afirmou. Segundo a NASA, esse não é o primeiro equipamento a colidir com o astro, e os efeitos do impacto sobre o solo lunar são pouco expressivos ou preocupantes: a provável formação de uma nova cratera no lado escuro do astro será observada através da Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO), sonda que orbita a lua.

A expectativa é que a colisão forme uma nova cratera no solo lunar

A expectativa é que a colisão forme uma nova cratera no solo lunar

Publicidade

© fotos 1, 2, 3, 4: Wikimedia Commons

© foto 5: PxHerex


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness