Debate

Padre é denunciado por mulher repreendida por ele por causa de decote

Redação Hypeness - 09/02/2022 às 10:25 | Atualizada em 09/02/2022 às 12:24

Uma mulher foi impedida de assinar a certidão de casamento de uma familiar sua pelo padre da cerimônia. O motivo? Ele julgou o decote dela como inaceitável. O ano era 1930? Não, 2022. A mulher, minha gente, ela não tem sossego nem na hora de prestigiar a felicidade das pessoas queridas.

A servidora pública Beatriz Souza, de 27 anos, comprou o tecido e. Moradora do Distrito Federal, ela viajou até o povoado de Bebedouro, no interior da Bahia, para ser madrinha de casamento de sua prima.

Na hora de assinar o livro como testemunha do casamento, o padre Maycon Jilyéser José Borges Battisti encarnou a editora de O Diabo Veste Prada e gongou o vestido de Beatriz. No melhor estilo bulling da pastoral, o conservador simplesmente fechou o livro e apontou para o decote da convidada.

“Ele me constrangeu. Na hora e, que dei o passo para ir assinar, ele fechou o livro e apontou para a minha roupa, mostrando o decote. Eu fiquei extremamente triste. Desde o acontecimento, choro horrores pela vergonha que passei. Além do episódio comigo, o mesmo padre vetou músicas que eram especiais para os noivos durante a cerimônia”, conta Beatriz ao Metropoles.

De acordo com apuração do Metropoles, a funcionária pública afirma que o líder religioso já desagradou muitas pessoas e se dedicou a arruinar outros eventos da Paróquia Nosso Senhor do Bonfim, em Baianópolis. “Já presenciei a atitude em outros casamentos. Ele não é querido pela comunidade”, alegou a jovem.

Desdobramento do caso

Usando suas redes sociais, Beatriz publicou fotos do evento, expondo o caso. O vestido longo e nada decotado foi notado por amigos e seguidores que oferecem apoio à jovem. Ela mesma afirma que ninguém teve a mesma impressão do conservador pároco e agradeceu pela solidariedade.

A decisão de expor o caso veio para que outras mulheres não precisem passar por isso e, caso passem, saibam se posicionar. O próximo passo é denunciar o religioso ao bispo da Diocese de Barreiras.

“Já entrei em contato com a Diocese de Barreiras, e o bispo está disponível para uma conversa. Eles disseram que vão me atender. Vou até o fim e aguardo que a justiça possa resolver. Roupa não significa caráter de ninguém”, conta Beatriz.

Publicidade

Fotos: Getty Images e Arquivo Pessoal/Beatriz Souza


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Canais Especiais Hypeness