Diversidade

Super Bowl reúne big 6 do rap para amenizar problemas da NFL com racismo e Eminem lembra ‘caso Kaepernick’

Redação Hypeness - 14/02/2022 às 15:18 | Atualizada em 14/02/2022 às 15:50

A temporada da National Football League (NFL) acabou com uma vitória do Los Angeles Rams sobre os Cincinatti Bengals, no Superbowl. O evento, que conta com a maior audiência da televisão dos EUA e tem repercussão mundial, sempre separa com uma atração artística no sempre aguardado show do intervalo, o chamado “Half-Time Show”. Neste ano, a apresentação foi comandada por Dr. Dre, Snoop Dogg, 50 Cent, Kendrick Lamar, Eminem e Mary J. Blige.

Show histórico com Big 6 na NFL não pode esconder racismo endêmico da elite do futebol americano

O supergrupo de rappers, alcunhado de Big 6, reuniu figuras da Costa Leste – como Blige e 50 – e da Costa Oeste  – Dre, Snoop e Kendrick – e foi aclamado como uma homenagem a toda a história do hip-hop. Mas o que está por trás dessa apresentação?

Algo parecido ocorreu em 2020: Após não de Rihanna, Shakira e Jennifer Lopez no ‘Super Bowl’ vão contra preconceito da NFL

Racismo na NFL

A NFL é a maior liga em arrecadação financeira e popularidade nos Estados Unidos. O futebol americano é o principal esporte do país e um bom exemplo de como o racismo opera na sociedade estadunidense. Um report da própria liga sobre o decênio 2011-2021 mostrou que a diversidade está em falta na administração do esporte da bola oval.

Cerca de 71% dos jogadores da NFL são pessoas não-brancas, categoria que inclui negros, asiáticos, latinos e outros imigrantes não-brancos.

– Janet Jackson e como o peso de um seio exposto no ‘Super Bowl’ caiu sobre as costas de uma mulher negra

Mike Tomlin, o único head coach negro da NFL atualmente, comanda o Pittsburg Steelers

Entretanto, quando se olham para os cargos de poder dentro do esporte, esses dados mudam de figura. Todos os donos dos times da NFL são brancos. Entre os postos de diretor técnico, apenas 3 dos 32 times tem pessoas não-brancas nessa posição: os Jets, os Steelers e o Washington.

– Super Bowl: comercial da Microsfot exalta 1ª técnica mulher e LGBTQIA+ da NFL

Entre 2012 e 2021, esse posto foi trocado 62 vezes e 82% dessas transações envolveram homens brancos, de acordo com o relatório. Além disso, pessoas negras têm uma grande dificuldade de ingressar em postos de comando inferiores ao diretor técnico, mesmo sendo a maioria nas 100 jardas.

Eminem e o caso Kaepernick

O ano de 2016  foi importantíssimo para a compreensão dos dilemas que arrastam os EUA em uma crise econômica, social e política desde então.

Já nos meses finais de 2015, Donald Trump ganhava as manchetes por suas falas racistas e anti-imigração durante as primárias do partido Republicano. Ele encontraria apoio popular em uma “guerra cultural” contra teorias da conspiração que mesclam supremacia branca, anticomunismo e negacionismo científico.

Kaepernick ajoelhado em protesto em jogo dos 49ers

O racismo se acentuava nos EUA e demonstrações de violência contra pessoas negras escalavam ao redor do país. E Kaepernick, quarterback do San Franscisco 49ers à época, começou a protestar contra o racismo se ajoelhando durante o momento do hino nacional norte-americano em jogos do torneio.

– Comercial vegano inspirado em atleta negro boicotado é barrado em intervalo do ‘Super Bowl’

Kaepernick foi desligado do 49ers ao fim da temporada e, mesmo sendo destaque do time, não conseguiu nunca mais um contrato com alguma franquia da elite do futebol americano. O gesto não foi repetido por jogadores da NFL, que contratou Jay-Z para trabalhar na liga durante a polêmica.

O show do último Superbowl foi uma forma de tentar sinalizar um apaziguamento com a comunidade negra e retirar o estigma da NFL sobre a questão racial, trazendo grandes artistas pretos para o palco.

A NFL aconselhou que os  artistas não se ajoelhassem e imitassem Kaerpernick para que evitem um fator que estimule a narrativa de guerra cultural nos EUA, de acordo com informações da Vulture.

Eminem homenageou gesto de jogador antirracista que foi boicotado pela liga

Eminem ignorou o fato e repetiu o gesto do quarterback e se ajoelhou no meio da apresentação, relembrando o jogador que foi boicotado pela NFL por lutar contra o racismo nos EUA.

Confira a homenagem de Eminem a Kaepernick:

E veja outros vídeos da apresentação:

E se a apresentação foi icônica, com shows incríveis e momentos marcantes, não podemos esquecer de todos os dados que apontam para a questão de raça que circunda a NFL.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Canais Especiais Hypeness