Debate

Yago, preso injustamente com um saco de pão, cumprirá medidas cautelares depois de solto

Redação Hypeness - 09/02/2022 às 16:38 | Atualizada em 09/02/2022 às 17:35

Yago Corrêa de Souza, de 21 anos, estava comprando pão em uma padaria na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, no último domingo (6). Enquanto ele voltava do estabelecimento onde comprava pães, a polícia fez uma operação e o prendeu por estar se escondendo dos PMs.

– Pesquisa relaciona truculência policial e raça: 85% das pessoas abordadas são negras

Jovem estava comprando pão, mas por ser negro e morar na favela, foi preso por tráfico de drogas

O jovem ficou dois dias detido por associação ao tráfico, mesmo que tenha ficado evidente que ele não tinha nenhuma conexão com o tráfico e, literalmente, só estivesse comprando pão. Em depoimento, os policiais que o prenderam afirmaram que ele estava “na hora errada, no lugar errado”.

– iPhone tem atalho que pode combater violência policial: ‘Ei Siri, tô tomando um enquadro’

Vivaldo Lúcio, que representa Yago no caso, qualificou que a prisão do jovem é um clássico episódio de racismo .”O que aconteceu é o que todos sabemos: racismo estrutural. Estereotipo do bandido brasileiro: negro, jovem e de favela. Teve incursão na favela, todo mundo correu, incluindo ele, com saco de pão na mão, a polícia entrou na farmácia, olhou quem tava ali e levou ele pra delegacia e prendeu. Na verdade, ele não sabe nem porque foi preso”, disse o advogado ao G1.

Confira um vídeo de Yago comprando pão antes de ser detido:

Medidas cautelares sem justificativas

Uma decisão judicial ordenou que o jovem – que, reiteramos, não fez nada – está proibido de sair da cidade do Rio de Janeiro. De acordo com o documento, ele também terá de comparecer mensalmente à Justiça. Ambas as medidas cautelares foram criticadas.

– Jacarezinho é alvo de massacre policial em chacina mais letal da história do RJ

“Tratou-se de um erro, mesmo assim foram fixadas essas medidas que ele vai ter que cumprir. Ainda vai ter esse transtorno na vida dele, de ter que cumprir essas medidas até que a opinião do Ministério Público seja formada e esperamos que venha a ser um arquivamento desse inquérito”, disse Isabel de Oliveira Spreger, subcoordenadora de defesa criminal da Defensoria Pública do Rio de Janeiro, ao G1.

Publicidade

Fotos: Reprodução/TV Globo


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Canais Especiais Hypeness