Diversidade

1ª mulher negra exploradora do NatGeo vai investigar navios negreiros no fundo do mar

Roanna Azevedo - 08/03/2022 às 10:32 | Atualizada em 10/03/2022 às 10:53

Em quase 25 anos de existência, o canal National Geographic apresentou sua primeira exploradora negra. Tara Roberts construiu uma carreira na área da comunicação e se juntou recentemente a mergulhadores, historiadores e arqueólogos para investigar navios negreiros naufragados ao redor do planeta.

Maria Odília Teixeira: quem é a primeira médica negra do Brasil

Tara Roberts foi editora de revistas como CosmoGirl e Essence antes de se tornar exploradora da NatGeo.

O objetivo das missões exploratórias de Roberts é reimaginar e reformular a história de origem dos povos africanos escravizados nas Américas. Segundo ela, é importante trazer à tona a verdade sobre o tráfico de escravos e as complexidades que envolvem esse processo cruel. Todas as suas descobertas são documentadas no podcast “In the Depths”, onde compartilha também seus sentimentos sobre elas.

Jornada do último escravo americano é publicada, quase 90 anos depois de escrita

Antiga editora das revistas CosmoGirl, Essence e Ebony, Roberts decidiu se tornar exploradora da NatGeo por causa de uma fotografia que nunca havia visto antes. Exposta no Museu Nacional de História e Cultura Afro-Americana, a imagem mostrava um grupo de mulheres negras vestindo roupas de mergulho dentro de um barco.

As pessoas estão sem entender a entrega da National Geographic contra o plástico

“Ela captou minha imaginação completamente. Acabei lendo mais sobre aquelas mulheres descobri que eles faziam parte deste grupo chamado ‘Diving with a Purpose’ e que a sua missão era procurar e documentar os naufrágios de navios negreiros em todo o mundo (…). Sabia que eu tinha que fazer parte disso de alguma forma”, contou Roberts para a ABC News.

Tara Roberts mergulhando ao lado de Kamau Sadiki em Key West, Flórida.

Antes dos anos 1870, os genealogistas que organizavam o Censo dos Estados Unidos não coletavam detalhes de identificação de pessoas escravizadas. Isso fez com que a maior parte dos afro-americanos, até hoje, não saiba nada sobre seus ancestrais. “Nós temos muitas histórias de dor e trauma, mas não temos nenhuma história sobre as vidas deles”, concluiu Roberts.

‘Por décadas nossas coberturas foram racistas’: a mea culpa histórica da National Geographic

Publicidade

Foto 1: Mark Thiessen/National Geographic

Foto 2: Wayne Lawrence/National Geographic


Roanna Azevedo
Diretamente da zona norte do Rio, é jornalista por profissão e curiosa por conta própria. Ama escrever sobre cinema e o universo do entretenimento há mais de dois anos. Tem paixão por tudo que envolve cultura, música, arte e comportamento, além de ficar sempre ligada no que rola no mundinho da comunicação nas redes sociais.

Canais Especiais Hypeness