Inspiração

A mulher cadeirante que criou grupo para resgatar PCDs de guerra na Ucrânia

Roanna Azevedo - 22/03/2022 às 10:26 | Atualizada em 24/03/2022 às 10:30

Após conseguir fugir de Kamyanske, sua cidade natal, a ucraniana Tanya Miroshnikova organizou um grupo de voluntários para ajudar a resgatar pessoas com deficiência do país. Cadeirante desde a infância, a jovem de 31 anos tem coordenado mutirões e recebido doações de instituições para realizar o projeto, que já conta com mais de 100 nomes na lista de espera.

A história da brasileira que abriu sua fazenda na Romênia para receber refugiados da guerra entre Rússia e Ucrânia

PCDs estão entre aqueles com mais dificuldade de fugir da guerra da Ucrânia por dois fatores principais: os abrigos não contam com rampas e outros recursos de acessibilidade e os meios de transporte não são adaptados. Por esse motivo, Tanya decidiu fazer o possível para que pessoas como ela também se protegessem longe dos conflitos.

Racismo e crise de refugiados: por que a Ucrânia escolhe através da cor da pele quem sai do país?

“A cada dia, fica mais e mais difícil. Pessoas com deficiências mais severas ainda necessitam de atenção médica especial no transporte. Nós, voluntários, estamos tentando levantar fundos e encontrar lugares seguros”, diz a ucraniana, que já tem experiência com ações humanitárias. Até o início dos bombardeios, ela trabalhava na Fight for Right, uma ONG voltada para a defesa dos direitos de PCDs no país.

Apoio a ucranianos chega do mundo todo por meio de reservas no AirBnb que nunca terão check in

Tanya conta que a fuga mais difícil foi a do casal de cadeirantes Serhiy e Olga, que desejavam sair da cidade de Lviv. Ambos de saúde delicada, Serhiy passou mal exatamente no dia que um carro iria resgatá-los. “Tivemos de esperar mais 48 horas para que a situação se estabilizasse — mas, quando você está na guerra, nunca é possível saber o que acontecerá no dia de amanhã”, explica Tanya.

Casal de militares ucranianos se casa em meio aos bombardeios russos em Kiev

Depois de muitos momentos de agonia, o casal finalmente escapou rumo a Polônia. De acordo com Tanya, a equipe dela conseguiu negociar com uma ONG da Alemanha e o casal foi enviado para um hospital de lá, onde vêm recebendo atendimento médico desde então.

Coquetel molotov: explosivo usado na Ucrânia tem raízes na Finlândia e União Soviética

Publicidade

Fotos: Tanya Miroshnikova/Arquivo Pessoal


Roanna Azevedo
Diretamente da zona norte do Rio, é jornalista por profissão e curiosa por conta própria. Ama escrever sobre cinema e o universo do entretenimento há mais de dois anos. Tem paixão por tudo que envolve cultura, música, arte e comportamento, além de ficar sempre ligada no que rola no mundinho da comunicação nas redes sociais.

Canais Especiais Hypeness