Sustentabilidade

Amazônia está perdendo capacidade regenerativa mais rápido do que o previsto e pode virar Savana

Vitor Paiva - 09/03/2022 às 10:05 | Atualizada em 11/03/2022 às 10:41

Com os efeitos das emergências climáticas, os incêndios, as queimadas e o desmatamento descontrolado, a situação da Amazônia vem, nos últimos anos, se aproximando de um ponto incontornável e literalmente fatal.

Um novo estudo, publicado no último dia 07 de março pela revista científica Nature Climate Change, afirma que a floresta amazônica se aproxima em velocidade mais rápida do que a esperada de um chamado “ponto de inflexão”, a partir do qual a perda da cobertura da floresta atinge um limite que não mais pode ser contornado – quando a Amazônia começa a morrer.

queimada na Amazônia

As queimadas vêm sendo um dos motivos da transformação da Amazônia em uma futura savana

-Amazônia: governo Bolsonaro bate próprio recorde e floresta tem maior desmatamento em 10 anos

Risco de virar savana 

A partir do ponto de inflexão apontado pelo estudo, a mudança terá sido tão radical que a Amazônia como conhecemos, enquanto floresta tropical, terá desaparecido em definitivo e, em seu lugar, crescerá uma espécie de savana, com uma vegetação consideravelmente mais baixa e seca do que a atual.

Segundo o estudo, mais de três quartos da floresta já apresentam dificuldades para se recuperar de situações de estiagem e queimadas e retornarem a um ponto considerado saudável, especialmente em partes que recebem menos chuva ou que estão mais próximas de cidades ou fazendas.

Incêndios e desmatamentos na Amazônia

Incêndios e desmatamentos na Amazônia batem recordes no atual governo

-Fumaça de queimadas gerou quase R$ 1 bi de gastos com internações para estados amazônicos

“Em regiões mais próximas ao uso humano da terra, como áreas urbanas e terras de cultivo, as florestas tendem a perder resistência mais rapidamente”, afirmou Chris Boulton, do Instituto de Sistemas Globais da Universidade de Exeter, no Reino Unido, e um dos autores da pesquisa.

Para alcançar a grave conclusão, pesquisadores se debruçaram sobre 25 anos de dados colhidos por satélites, avaliando a resiliência amazônica diante de situações de incêndios, secas e desmatamentos: de acordo com o estudo, tal força de recuperação caiu em mais de 75% da superfície da floresta, alcançando menos da metade da capacidade de resiliência nos pontos mais afetados, como os citados por Boulton.

Imagem de satélite mostra a Amazônia hoje

Imagem de satélite mostra a Amazônia hoje: há poucos anos tal foto era de densa e verde floresta

-Amazônia emite mais gás carbônico do que absorve; processo de degradação é inédito

O processo de inflexão representará, de acordo com os pesquisadores, um processo que trará consequências devastadoras para a biodiversidade e a emergência ambiental, como a extinção de milhares de espécies e a liberação de uma quantidade imensa de dióxido de carbono na atmosfera, agravando ainda mais parte do próprio processo que causou tal inflexão.

Se as mudanças climáticas são elemento determinante para esse alarmante quadro, as queimadas e o desmatamento generalizados contribuem de forma inequívoca para essa “morte”: a partir do afrouxamento de leis e fiscalizações, desde o início do governo Bolsonaro, o desmatamento na região aumentou consideravelmente e, somente no ano passado, uma área maior do que o Líbano foi devastada na floresta.

Não se sabe a data, mas o estudo mostra que o ponto de inflexão da Amazônia virá em breve

Não se sabe a data, mas o estudo mostra que o ponto de inflexão da Amazônia virá em breve

Publicidade

© foto 1: Bruno Kelly/Agência Amazônia Real/Creative Commons

© foto 2: Cícero Pedrosa Neto/Agência Amazônia Real/Creative Commons

© foto 3, 4: Wikimedia Commons


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness