Diversidade

Ana Clara Moniz, a influencer PCD que faz sucesso falando abertamente de moda e sexo: ‘O amor é acessível’

Roanna Azevedo - 24/03/2022 às 10:09 | Atualizada em 28/03/2022 às 10:36

Jornalista, palestrante e influenciadora digital, Ana Clara Moniz vem se destacando cada vez mais com seu trabalho nas redes sociais. No Instagram, a jovem de 22 anos conta com mais de 60 mil seguidores e aborda temas como autoestima, moda e sexualidade a partir da vivência de uma pessoa com deficiência.

Ana Clara Moniz tem 22 anos, é jornalista, palestrante e influenciadora digital.

Ana Clara, que nasceu com atrofia muscular espinhal (AME), conta que todo o capacitismo que enfrentou durante a vida a tornou insegura e com receio de se relacionar romanticamente com alguém. Muitas pessoas achavam absurdo quando ela dizia que gostava de alguém. “Então, acabei acreditando que eu não era capaz de viver essas coisas, que eu não era digna de viver o amor ou simplesmente beijar na boca”, desabafa a influencer.

Influenciador PcD fala sobre autoamor e ressalta que inclusão vai além de ‘rampa de acessibilidade’

Em dezembro de 2020, Ana Clara engatou seu primeiro relacionamento sério. Ela e a namorada se conheceram pelo Twitter e só se conheceram pessoalmente em fevereiro de 2021 por causa da pandemia de Covid 19. Em junho do mesmo ano, a influenciador postou um vídeo em seu perfil no Instagram contando pela primeira vez para os pais que é bissexual. A publicação acabou viralizando na internet e hoje conta com mais de 500 mil visualizações.

Ela postou um vídeo no Instagram contando que é bissexual para os pais e acabou viralizando.

“Ser uma pessoa com deficiência e bissexual não é bem o que a sociedade espera. Fazer parte de duas minorias não era bem o que eu planejava. Podem ver como dois fardos a carregar, mas é quem eu sou — e minha cadeira aguenta esse peso”, escreveu Ana Clara na legenda do post. Apesar de seus pais terem reagido positivamente à notícia, ela sabe que a sociedade é pouco acolhedora.

Negligência neuroatípica: escritora autista conta como mulheres no espectro são apagadas da sociedade

Tal acolhimento também está em falta dentro da própria comunidade LGBTQIAP+, segundo a influencer. Para ela, pautas sobre pessoas com deficiência quase não são abordadas pelo meio, que também ignora a questão da representatividade. “A gente pensa que essa comunidade é um lugar de 100% de acolhimento, mas as pessoas com deficiência ainda não são 100% acolhidas em nenhum lugar”, desabafa Ana Clara.

Ana Clara durante a apresentação de seu TCC na faculdade.

É por esse motivo que a jovem influenciadora faz questão de frisar que PCDs não apenas têm sexualidade, como também podem ser LGBTQIAP+. “Os sem deficiência não precisam ter dó. O amor é acessível, ele não é um prédio cheio de escadas, nem todas as microviolências que a gente sofre ao longo da vida. O amor pode existir de diferentes formas”, declara.

A mulher cadeirante que criou grupo para resgatar PCDs de guerra na Ucrânia

Além da sexualidade, outro ponto que precisa ser revisto pela sociedade e pode passar despercebido é a ausência de roupas que se adaptem aos corpos de pessoas com deficiência. Ana Clara só encontrou um tênis que servisse em seu pé pela primeira vez em 2021. O calçado foi presente de uma marca que produziu um par sob medida e com abertura na parte superior.

“A gente precisa parar de ver as pessoas com deficiências apenas pela deficiência”, diz.

“É muito importante para nossa independência. Não tenho muita força no meu corpo, tenho dificuldade em levantar os braços e isso dificulta em vestir uma roupa sozinha. É incrível ver marcas se preocupando com nossas necessidades individuais, não sendo algo só de marketing. Nós, pessoas com deficiência, também somos potenciais consumidores”, explica a influencer. Por ser muito difícil encontrar peças com suas medidas, ela nunca gostou de comprar roupas.

Estilista cria projeto que reproduz capas de revistas de moda com pessoas com deficiência

De acordo com Ana Clara, é essencial que as marcas de moda projetem coleções adaptadas para diversos tipos de corpos e representem todos eles nas propagandas. “Muitas vezes as marcas inclusivas e as lojas grandes que fazem uma coleção inclusiva vendem apenas um padrão de roupa, tudo preto. Cada um com seu próprio estilo. A gente precisa parar de ver as pessoas com deficiências apenas pela deficiência”, argumenta.

Publicidade

Fotos: Arquivo Pessoal/Ana Clara Moniz


Roanna Azevedo
Diretamente da zona norte do Rio, é jornalista por profissão e curiosa por conta própria. Ama escrever sobre cinema e o universo do entretenimento há mais de dois anos. Tem paixão por tudo que envolve cultura, música, arte e comportamento, além de ficar sempre ligada no que rola no mundinho da comunicação nas redes sociais.

Canais Especiais Hypeness