Ciência

Balkanatolia: ciência encontra pistas de continente ‘perdido’ entre Europa e Ásia

Vitor Paiva - 17/03/2022 às 09:55 | Atualizada em 21/03/2022 às 10:37

A descoberta de fósseis de origem asiática na região da Turquia com uma datação especialmente antiga pode ser explicada pela existência de um continente ancestral de topografia baixa que, há cerca de 50 milhões de anos, conectava a Europa à Ásia por onde hoje são os Balcãs e a Anatólia. Batizado de Balkanatolia, o continente pode ter servido como uma ponte para a migração animal: os fósseis encontrados datam de período anterior em cerca de 5 a 10 milhões de anos ao Grande Coupure, processo de migração de espécies da Ásia para a Europa, e que resultou na extinção de diversos mamíferos europeus. O estudo foi publicado na edição de março da revista científica Earth-Science Reviews.

Molar de um Brontotherium, mamífero de origem asiática encontrado na região

Molar de um Brontotherium, mamífero de origem asiática encontrado na região

-A enorme fenda que pode separar a África em duas

A pesquisa foi realizada por paleontólogos e geólogos do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica (CNRS), analisando artigos diversos, alguns escritos no século XIX, sobre o aparecimento dos fósseis asiáticos na Europa e em parte da Balkanatolia, concluindo que tal fauna é diferente dos padrões europeus e da Ásia oriental. A teoria, portanto, sugere que uma grande glaciação, ocorrida entre 40 a 34 milhões de anos atrás, teria conectado a Balkanatolia – que antes era um continente isolado – com a Europa Ocidental, permitindo assim o início do que ficou conhecido como Grande Coupure.

No primeiro mapa, ao alto, a Balkanatolia há 40 milhões de anos e, embaixo, o que resta do continente hoje

No primeiro mapa, ao alto, a Balkanatolia há 40 milhões de anos e, embaixo, o que resta do continente hoje

-Esta incrível animação prevê como será a Terra em 250 milhões de anos

A redução do nível do mar provocada pela formação do manto de gelo que hoje é a Antártida permitiu que os animais migrassem da Ásia Ocidental para o continente europeu. A pesquisa sugere que, na mesma região, foram encontrados fósseis de mamíferos asiáticos como roedores e ungulados, com quatro patas e cascos, assim como de marsupiais da América do Sul, de mamíferos herbívoros da África e ainda mandíbulas de Brontotherium, um mamífero asiático próximo de um rinoceronte, em terreno onde hoje se localiza a Turquia.

O local de escavação na Turquia, em Büyükteflek, onde os fósseis foram encontrados

O local de escavação na Turquia, em Büyükteflek, onde os fósseis foram encontrados

-Oceano Atlântico cresce e Pacífico encolhe; ciência tem nova resposta para fenômeno

“A equipe também descobriu um novo depósito fóssil na Turquia (Büyükteflek), datado de 38 a 35 milhões de anos, que contêm mamíferos cuja a origem é claramente asiática, e que são os mais antigos já descoberto na Anatolia”, diz o comunicado oficial da pesquisa. Tais informações possibilitaram o estabelecimento de uma grande linha do tempo, a partir da migração das espécies e dos caminhos percorridos pelos animais – estabelecimento esse “intercâmbio” anterior em 5 a 10 milhões de anos antes da Grande Coupure. Assim, a pesquisa pode estabelecer o que o comunicado chamou de “a história do terceiro continente euroasiático”.

Publicidade

© fotos: CNRS/Alexis Licht & Grégoire Métais/reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness