Design

Como a letra Z virou símbolo pró-Rússia na guerra e usado até em uniforme de ginasta

Vitor Paiva - 15/03/2022 às 10:18 | Atualizada em 17/03/2022 às 10:15

Visto na lateral dos tanques e outros equipamentos de guerra, nos carros, em cartazes, pintados em paredes nas grandes cidades da região, nas roupas e mesmo no uniforme de atletas, a letra “Z” vem sendo utilizada como símbolo de apoio à Rússia no conflito atual contra a Ucrânia, e de suporte à decisão de Vladimir Putin de atacar o país vizinho – e causando polêmica e debate. Como se deu com o ginasta russo Ivan Kuliak, que se tornou alvo de um processo disciplinar imposto pela Federação Internacional de Ginástica (FIG) após ostentar a letra no centro do peito em seu uniforme, em um pódio que dividia com um adversário ucraniano em competição no Catar.

Manifestante com cartaz declarando apoio ao ataque russo

Manifestante com cartaz mostrando a letra e declarando apoio ao ataque russo

-Conheça o projeto do símbolo da paz, concluído por Gerald Holtom em fevereiro de 1958

Não há consenso sobre o real significado por trás do uso da letra “Z” como símbolo militar e de apoio à Rússia na guerra, mas o símbolo se popularizou rapidamente ao longo das últimas duas semanas, desde que apareceu em fotos nas redes sociais, pintados na lateral dos tanques a caminho da Ucrânia. Segundo especialistas, cada versão da letra representaria originalmente uma diferente frente militar russa, ou a origem de determinada tropa ou equipamento. Para além do sentido, a função do símbolo desde o início foi apontada como meio de identificar os equipamentos russos para, assim, evitar o chamado “fogo amigo”, quando ocorre ataque entre aliados por engano, e também como forma de identificar e confirmar a presença militar em determinada região.

O ginasta russo Ivan Kuliak com o "Z" no peito em pódio no Catar

O ginasta russo Ivan Kuliak com o “Z” no peito em pódio no Catar

-Ucrânia em guerra e com baixo índice de vacinação: a bomba relógio que ninguém está vendo

Rapidamente, porém, o original sentido militar ganhou força popular entre os apoiadores de Putin no conflito: na cidade de Kazan, na região central da Rússia, por exemplo, aproximadamente 60 crianças e funcionários de uma casa de saúde formaram um imenso “Z” em meio à neve do lado de fora do edifício, para uma fotografia. A letra vem sendo vista em adesivos espalhados, bem como em postagens na internet, vídeos e mais – segundo os críticos, porém, a popularização do símbolo, que muitas vezes aparece dentro de um quadrado ou com um círculo ao redor, foi também forçada pelo governo russo.

Veículo militar de combate russo com a letra impressa em sua lataria

Veículo militar de combate russo com a letra impressa em sua lataria

O "Z" formando por crianças e funcionários de uma casa de saúde na cidade russa de Kazan

O “Z” formando por crianças e funcionários de uma casa de saúde na cidade russa de Kazan

-Ucrânia: repórter descobre ao vivo que a casa de sua família foi bombardeada

No tradicional alfabeto cirílico russo, a letra é escrita de forma diferente, em grafia que lembra o número 3, mas a maioria da população reconhece e lê as chamadas letras latinas. “Parece bastante intimidador e bem forte. De uma perspectiva estética, é um símbolo muito poderoso”, afirmou Emily Ferris, pesquisadora especialista em Rússia, para reportagem da BBC News. “Muitas vezes, no caso da propaganda, as coisas mais simples pegam mais rápido”, disse. A letra “V”, que igualmente não consta no alfabeto cirílico russo, também aparece como símbolo de poio, embora menos popular.

Manifestante contrário ao ataque russo, também utilizando o símbolo

Manifestante contrário ao ataque russo

Residentes da cidade de Khabarovsk, no extremo-oriente russo, formando um "Z" no último dia 11 março

Residentes da cidade de Khabarovsk, no extremo-oriente russo, no último dia 11 março

Publicidade

© fotos 1, 5: Getty Images

© foto 2: Federação Internacional de Ginástica (FIG)/reprodução

© fotos 3, 6: Wikimedia Commons

© foto 4: Twitter/reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness