Arte

Kaika: o hotel em Tóquio que também funciona como um depósito de obras de arte

Vitor Paiva - 18/03/2022 às 13:57 | Atualizada em 22/03/2022 às 10:46

As restrições impostas pela pandemia criaram, nos últimos dois anos, um curioso hábito que se tornou tendência no Japão: misturando o prazer e a eventual necessidade de estar sozinho ou sozinha, com os impedimentos de viajar pelo mundo, mais e mais pessoas passaram a se hospedar em um hotel sem motivo ou mesmo companhia, somente pelo deleite de estar consigo mesmo ou mesma no local. Entre os japoneses, muitas vezes os hotéis selecionados são no mesmo bairro que se vive, pelo simples prazer de passar algumas noites em um: com isso, hospedagens exóticas, misturando atrações inesperadas com o luxo de uma boa habitação se popularizaram por lá – e é nessa exata interseção que entra em cena o Kaika, um hotel que também funciona como um depósito de obras de arte e mesmo uma galeria.

Por fora, o Kaika é um prédio minimalista e branco - oposto ao que o hóspede encontra dentro

Por fora, o Kaika é um prédio minimalista e branco – oposto ao que o hóspede encontra dentro

Hotel Kaika

As instalações comuns dos hóspedes se misturam com os espaços das obras de arte

-Atari vai lançar hotéis temáticos com formato do videogame clássico

Ao que tudo indica, a sensação de passar uma noite no Kaika é semelhante a de dormir em um museu contemporâneo, mas com todo o devido conforto que um hotel de luxo pode oferecer. Se por fora o edifício é sóbrio e minimalista, por dentro a decoração espalha obras de artes variadas por toda parte – em um primeiro olhar, segundo visitantes, o espaço de fato mais parece um museu ou um armazém preparado para oferecer todo cuidado às obras armazenadas do que um espaço aconchegante para uma noite de descanso ou prazer: nada, no entanto, é habitual no local, e mesmo as áreas de convívio, salas, o bar e o restaurante. parecem inseridas dentro de uma obra de arte.

Hotel Kaika

Além dos quartos, o local é dividido entre pontos de armazenamento e galerias efetivas

Hotel Kaika

Algumas obras “decoram” espaços de convívio para os hóspedes, como a cozinha e cafeteria

-‘Uma Noite no Museu’: curador cuidou do Museu de História Natural fechado pela pandemia

Sofisticação, porém, é palavra de ordem no Kaika, e quando se chega enfim às acomodações, após passar por uma verdadeira curadoria aleatória e interessante de obras de arte armazenadas, o espírito refinado e artístico permanece, mas abrindo espaço enfim para o conforto minimalista de um bom quarto de hotel – uma suíte com uma ou mais camas confortáveis, um ótimo banheiro e uma janela ampla para a cidade de Tóquio, onde se localiza o hotel-depósito de arte. O melhor, porém, de acordo com relatos de quem passou por lá, é o cardápio – as refeições, segundo resenhas, são quase tão boas quanto as obras de arte, expostas também em galerias no local.

Hotel Kaika

Os quartos no Hotel Kaika são minimalistas e estilosos – mas trazem todo conforto aos hóspedes

Hotel Kaika

O café e restaurante também serve de espaço de exposição – e visitação para os hóspedes

-O hotel mais remoto do mundo onde só se pode chegar de helicóptero

O café da manhã serve tanto peças de sushi como pode também trazer um delicioso croque monsieur – como muitos hotéis japoneses, o Kaika oferece tanto um menu japonês quanto “ocidental”, e o café da manhã também inclui noodles, salada, anchovas, café, frutas e até uma linguiça. O preço por noite no hotel é a partir de 83 dólares, equivalentes a cerca de 420 reais, mas o café da manhã está incluído na tarifa – bem como a visita às obras de arte por lá depositadas, que fazem do pernoite no hotel uma experiência ainda mais singular, valendo quase uma completa viagem de fato, mesmo para quem mora em Tóquio.

Hotel Kaika

Alguns espaços que funcionam como de um museu no hotel são exclusivos para os hóspedes

Hotel Kaika

O Hotel Kaika também permite a visitação somente – como o museu e depósito que também é

Publicidade

© fotos: Takumi Ota/Divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness