Arte

‘Linn da Quebrada nasceu após cura do câncer’: como Lina usou ‘Bixa Travesty’ para se expressar sobre doença

Redação Hypeness - 17/03/2022 às 13:21 | Atualizada em 30/03/2022 às 16:09

Lina Pereira, a Linn da Quebrada, é uma multiartista travesti que tem conquistado o público com sua participação no “Big Brother Brasil 2022”. A atriz e cantora tem uma trajetória de vida incrível e cheia de histórias de superação, contadas no filme “Bixa Travesty”, de 2018, ganhador do Prêmio de Melhor documentário com temática LGBTI no “68º Festival Internacional de Cinema de Berlim”.

História de Linn da Quebrada

Lina Pereira não nasceu com esse nome, com essa identidade, e sua ascensão da periferia paulistana até o centro do entretenimento no país pode parecer com uma história de sucesso. Mas não é assim que ela se define: “eu sou o fracasso”, disse a multiartista ao entrar no “BBB”.

Linn da Quebrada é a segunda colocada nos favoritos para ganhar o BBB 22 de acordo com casa de aposta

A travesti – colocada em segundo lugar para vencer o reality show de acordo com as casas de apostas – viveu momentos duros em sua vida, marcada pelo racismo, pela transfobia, por problemas afetivos e por questões de saúde, como o câncer de testículo.

– Anastácia: quem é a mulher estampada na camiseta de Linn da Quebrada no ‘BBB 22’

A multiartista foi diagnosticada com a doença em 2014, aos 23 anos de idade. Ela passou por quimioterapia e viveu por três anos lutando contra o câncer, que foi vencido. Lina segue fazendo acompanhamentos de saúde para manter seu corpo saudável, e essa trajetória marcou muito sua vida.

“Foi uma das fases mais difíceis por que ela passou. O medo sempre esteve presente, mas hoje acredito que ela está mais tranquila. Tem acompanhamento médico. A Linn da Quebrada nasceu após a cura do câncer. Ela ficou muito frágil fisicamente, por causa do processo de quimioterapia. Aí começou a compor durante esse processo. Ela chegou a um lugar de tanta fragilidade que precisava expor aquilo através da música. Mas mesmo o câncer tendo afetado a estrutura dela, não houve um momento em que disse “vou desistir” ou algo do tipo. Lina é uma fênix. Já a vi morrer e renascer centenas de vezes”, explica Thiago Félix, amigo da cantora, ao blog de Patrícia Kogut, no Globo.

– ‘BBB’: racismo e transfobia contra Douglas Costa e Linn da Quebrada mostram tolerância de gigantes da internet

A história da batalha de Linna contra o câncer em meio à sua vida é contada no filme “Bixa Travesty”, de 2018, considerado um dos mais importantes documentários sobre a questão LGBTQIA+ no Brasil.

Confira o trailer: 

O filme ‘Bixa Travesty’

O filme “Bixa Travesty” foi lançado há cerca de quatro anos e mostra a trajetória de Linn da Quebrada. O documentário detalha a cena LGBTQIA+ em São Paulo de uma perspectiva quase marginal, exibindo Lina Pereira, Jup do Bairro, Liniker e As Baías nesse contexto.

 Linn da Quebrada 'Bixa Travesty'

Cartaz de ‘Bixa Travesty’

Linn da Quebrada em cena de ‘Bixa Travesty’

O filme exibe a luta contra o sistema de gênero e sexualidade cisnormativa e heteronormativa dessas figuras dentro da arte através de corpos poéticos, como a própria Linn da Quebrada. “Bixa Travesty” é um grito de Lina contra a sociedade patriarcal e contra as imposições de gênero.

“Eu queria que as pessoas olhassem para mim e vissem que eu não sou um homem, mesmo que elas não soubessem exatamente o que eu sou”, explica Lina.

“Eles acham que a gente tem que virar a nossa cabeça e atender a essas expectativas. “Se você quer ser mulher, tenha peito. Se você quer ser mulher, não tenha barba. Se você quer ser mulher, seja magra”. Então, se você quer ser mulher, no mínimo tem que atender às expectativas do que é ser mulher. E não necessariamente é assim”, diz a travesti no documentário.

Linn da Quebrada

Fotos de divulgação do filme Linn da Quebrada ‘Bixa Travesty’

O filme, de Claudia Priscilla, Kiko Goifman e roteirizado junto com a própria Lina Pereira, foi premiadíssimo. A história que mostra as contradições do corpo poético de Lina acabou conquistando as telas de todo o mundo ocidental, exibindo as questões de racismo e LGBTfobia do Brasil (e a luta contra elas). A obra está disponível na plataforma de streaming Globoplay.

Publicidade

Fotos: Divulgação


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Canais Especiais Hypeness