Arte

Lollapalooza, Portinari, Rock Brasil e 21 dicas culturais na Agenda Hype da semana

Gabriela Rassy - 23/03/2022 às 12:52 | Atualizada em 24/03/2022 às 10:30

Nesta semana de grandes eventos, te desejo boa sorte para escolher seu destino por que eu mesma adoraria ser duas – ou três. Tem o grande retorno do Lollapalooza com shows que vão de Doja Cat e A$AP Rocky até Pabllo Vittar, Gloria Groove, Djonga e Marina Sena. Para amantes dos clássicos dos anos 80, começa ainda o Rock Brasil 40 anos, com Paralamas do Sucesso, Marina Lima, Titãs e muito mais.

Se a sua é uma noite de um só show, indico a apresentação da maravilhosa Juliana Linhares com participação de Zeca Baleiro, no Studio SP. E se a música instrumental te move, vale chegar na Casa de Cultura do Parque e curtir o Quinteto Metais Paulista em apresentação gratuita.

Nas artes visuais, vale muito aproveitar a exposição imersiva “Portinari para Todos“, no MIS Experience, celebrando um dos mais célebres pintores brasileiros. A exposição revisita as obras do artista, a partir de recursos audiovisuais e sonoros que preenchem os quatro cantos do espaço.

Vem na minha!

#eventos

Lollapalooza Brasil
Autódromo de Interlagos – SP
25, 26 e 27 de março de 2022
A partir de R$ 720
Três dias inesquecíveis de pura música! Esta é a promessa para a edição marca o retorno do Lollapalooza Brasil a São Paulo. Entre as atrações, os headliners Foo Fighters, Miley Cyrus, The Strokes, Doja Cat, A$AP Rocky e Martin Garrix, além de destaques da música nacional, como Emicida, Alok, Pabllo Vittar, Gloria Groove, Djonga, Fresno, Edgar, MC Tha, Marina Sena e Rashid. Também dão brilho ao line-up: Machine Gun Kelly, Alan Walker, Jack Harlow, Alesso, Jane’s Addiction, Kaytranada, Phoebe Bridgers, Turnstile, Idles e muito mais.

Juliana Linhares com part. Zeca Baleiro
Studio SP
Quinta, 24 de março, 22h
R$ 100
Potiguar radicada no Rio de Janeiro, Juliana Linhares também é vocalista da banda Pietá e do trio feminino Iara Ira, mas ganhou meu coração com seu primeiro álbum solo, “Nordeste Ficção”,  que ela agora apresenta em São Paulo. O show conta com a presença de Zeca Baleiro, que também integra o disco na canção “Meu Amor Afinal de Contas” e em uma faixa surpresa que Juliana guarda para o dia da apresentação.

Música na Casa
Casa de Cultura do Parque
Sábado, 26 de março, 16h
Grátis
Do popular ao erudito, do instrumento de corda ao de sopro, diferentes grupos de formandos da EMESP Tom Jobim fazem 20 apresentações quinzenais na Casa ao longo de 2022. Nesta semana, o Quinteto Metais Paulista, formado por Cristiano Souza e Lucas Espírito Santo (Trompetes), Edson Alves (trompa), Anderson Rodrigues (trombone) e Luciano Silva (tuba), apresenta repertório que vai desde obras tradicionais para a formação, passando por arranjos próprios, até clássicos da música popular e temas de filmes.

Rock Brasil 40 Anos
Memorial da América Latina
27 de março a 21 de abril
R$ 80 a R$ 400
O festival vai reunir artistas e bandas que marcaram a cena musical rock nos anos 80: Paralamas do Sucesso, Plebe Rube, Capital Inicial, Biquini Cavadão, Bebel Gilberto, Flausino & Sideral, Leoni, Leo Jaime, Barão Vermelho, Ultraje a Rigor, Titãs, Ira, Camisa de Vênus, Paulo Ricardo, Ce Lee Bration, Humberto Gessinger, Blitz, Frejat, Nando Reis, Arnaldo Antunes e Marina Lima.

#música

LAZÚLI │De Lua
O trabalho é fruto de diferentes processos em que a artista pôde resgatar vivências e estudos realizados no campo da espiritualidade, externalizando um conjunto de canções que reúnem momentos de auto-investigação ao mesmo tempo em que projetam a realidade que a cantora busca manifestar. Com 14 faixas, o debute da também vocalista da banda Francisco, el Hombre já está nas plataformas.

Roça Sound feat Hiran │ Não te amei
“Eu não posso dizer que te amei, mas gostei de você para caralho!” foi dessa frase que nasceu o novo single da banda baiana Roça Sound, um feat com o rapper Hiran, que sai em parceria com o selo feirense Banana Atômica. A faixa já chega com o clipe assinado por Pedro Pinheiro e traz bem o clima da canção: aquela dor de cotovelo do fim de uma relação, mesmo que uma relação curta. Quem nunca se apaixonou numa noite só?

Nath Rodrigues │ Verso de Céu
Natural de Sabará, região metropolitana de Belo Horizonte, a cantora, compositora e multi-instrumentista começa a trilhar o caminho para seu segundo disco, “Fio”, previsto para este semestre. Este primeiro single é uma composição em parceria com a também musicista Táskia Ferraz, que abre os trabalhos desta nova empreitada com um brinde ao xote, ritmo musical dançante que percorre os forrós pelo país.

Zé Nigro e Hiran feat. Livia Nery │ Vozes
Depois do disco de estreia “APOCALIP SE”, o experiente produtor musical Zé Nigro dá prosseguimento a uma sequência de singles com parcerias. Depois de “Cais”, com Alessandra Leão, é a vez de Hiran e Livia Nery na faixa inédita. A canção é a segunda parte dos lançamentos projetados para o trabalho solo de Zé Nigro neste primeiro semestre, onde o músico atesta sua versatilidade ao lado de grandes nomes da nova música nacional.

Gaê │ Eu Não Quis Dizer Isso
Foram 30 longos meses de produção, de total entrega e de incertezas. Quando Gaê deixou Brasília para descobrir as esquinas de São Paulo, as expectativas por este momento já existiam. Os obstáculos, contudo, também já estavam na espreita para que o entrelaçar dessas duas pontas costurassem o álbum “Eu Não Quis Dizer Isso”. Composto por uma introdução e mais nove faixas, três delas com participação de Bemti, Renato Enoch e Isabela Moraes, o álbum já está nas plataformas digitais.

#cinema

Cléo das 5 às 7 – Cinematographo
MIS SP
Domingo, 27 de março, 15h
R$ 20 e R$ 20 (meia)
Na primeira edição do ano, o Cinematographo faz uma homenagem à cineasta francesa Agnès Varda com uma sessão do clássico , que, em 2022, completa 60 anos de seu lançamento. Como parte da programação do mês em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, o filme ganha uma sessão com sonorização ao vivo de três musicistas: Fernanda Kostchak, Natali Calandrin e Priscila Hilário.

Crepúsculo dos Deuses
A programação da próxima semana do Belas Artes À LA CARTE está cheia de surpresas para os cinéfilos! Entre os destaques que chegam na quinta-feira, 24 de março, está “Crepúsculo dos Deuses” (1950), considerado por muitos o melhor filme sobre Hollywood! Vencedor de diversos prêmios, entre eles o Oscar de Melhor Roteiro Original, Melhor Direção de Arte e Melhor Trilha Sonora Original, o longa é dirigido e co-escrito por Billy Wilder, e co-produzido e co-escrito por Charles Brackett. Com roteiro bastante original e ousado para a época, a obra foi uma das pioneiras em mostrar os bastidores amargos da fama e também inovou ao ter uma narração póstuma.

#visuais

Portinari para Todos
MIS Experience – SP
Terças a sextas e domingos, das 10h às 17h
Sábados e feriados, das 10h às 18h
A partir de R$ 15 (meia); gratuito às terças e para crianças de até 7 anos
Candido Portinari, um dos mais célebres pintores brasileiros, ganha retrospectiva em grande estilo. A exposição revisita as obras do artista, a partir de recursos audiovisuais e sonoros que preencherão os quatro cantos do espaço expositivo. Durante a visita, o público terá a sensação de um verdadeiro mergulho no universo de um dos grandes ícones da arte do século XX, nascido em Brodowski, interior de São Paulo. Ao todo, a mostra — que tem curadoria de Marcello Dantas — exibirá mais de 150 pinturas de Portinari, em forma de projeções e diferentes tecnologias. Entre elas, estão quadros famosos como “O lavrador de café” (1934), “A primeira missa no Brasil” (1948) e “Café” (1935).

Presente Ancestral Indígena
Até 1º de maio
Acesse neste link

A mostra, com artista visual e compositora Tassia Mila, integra a 5ª Wrong Biennale, um dos mais reconhecidos eventos de arte digital do mundo. Ao todo são 23 artistas indígenas de diferentes regiões e etnias do Brasil e do exterior que apresentam vídeos, fotografias, ilustrações e músicas representativos de sua cultura e que acendem o debate da situação dos povos originários atualmente.

Vozes da Parede: o testemunho do espaço
Oficina Cultural Oswald de Andrade
23 de março a 12 de abril de 2022
Grátis
Idealizada coletivamente por um núcleo de artistas em diálogo ao longo de todo o processo de criação, Vozes da Parede exibe obras em diferentes linguagens, como escultura, fotografia, performance, arquitetura, luz e som. As obras investigam narrativas de um corpo que é diluído – desfeito e morto – sob a ação do espaço da casa.

#literatura

O inimigo conhece o sistema, Marta Peirano
Editora Rua do Sabão
A rede não é livre, aberta ou democrática. É uma coleção de servidores, switches, satélites, antenas, roteadores e cabos de fibra óptica controlados por um número cada vez menor de empresas. É uma linguagem e uma burocracia de protocolos que fazem as máquinas falarem, regras de trânsito que direcionam o trânsito, microdecisões que definem sua eficiência. Se considerarmos um projeto único chamado Internet, podemos dizer que é a maior infraestrutura já construída e é o sistema que define todos os aspectos de nossa sociedade. E mesmo assim, sua tecnologia está escondida, enterrada, submersa ou camuflada; seus algoritmos são opacos; suas microdecisões não são rastreáveis. Uma linguagem projetada para ofuscar nossa compreensão dessa infraestrutura. O inimigo conhece o sistema – mas nós não – e explica por que a ferramenta mais democratizante da História se tornou uma máquina de vigilância e manipulação em massa a serviço de regimes autoritários. Só assim poderemos transformá-lo no que mais precisamos: uma ferramenta para gerenciar a crise que se aproxima da maneira mais humana possível.

Ela se chama Rodolfo, de Julia Dantas
DBA Literatura
“Era uma vez um homem”, assim começa o belo romance de Julia Dantas, e talvez essa frase aponte para o fio que alinhava o livro. Era uma vez um homem, mas quem é esse homem, e principalmente, o que significa ser um homem? Como numa sala de espelhos, as imagens distorcidas nos enganam e nada é o que parece. Mas a história começa assim: era uma vez um homem. Chama-se Murilo e tenta, sem sucesso, entrar no apartamento que alugara, a chave parece não servir e ele se pergunta se não havia sido enganado. Permanece nessa incerteza até que, num movimento mais preciso, porém aleatório, a porta se abre. Porque Ela se chama Rodolfo é também um romance sobre portas que se fecham e, às vezes, se abrem, sem que compreendamos muito bem por quê.

#cênicas

Sweeney Todd – O Cruel Barbeiro da Rua Flett
033 Rooftop, Teatro Santander
Até 1 de maio, Sextas, às 21h30; Sábados, às 16h e 20h30; Domingos, às 18h
R$ 90 a R$ 220
O espetáculo conta a história de Benjamin Barker, barbeiro que se viu obrigado a ir embora de Londres por conta de uma briga com o cruel Juiz Turpin (Guilherme Sant’Anna). Após 15 anos afastado da cidade ele retorna sob o pseudônimo Sweeney Todd (Rodrigo Lombardi) e sedento por vingança. Ao chegar ao lugar onde funcionava sua antiga barbearia, na Rua Fleet, Todd se depara com uma arruinada loja de tortas administrada pela Dona Lovett (Andrezza Massei). A partir daí, Todd e Lovett unem forças para que ele se vingue de Turpin, e ela faça sua loja crescer com tortas recheadas de ingredientes muito suspeitos.

O Musical da Passarinha
Teatro Sérgio Cardoso – SP
Até 10 de abril, sábados e aos domingos, às 15h
R$40 (inteira) e R$20 (meia-entrada)
Na trama, o público conhece personagens delicados e sonhadores: a menina Rita deseja conhecer o teatro, mesmo vivendo em uma cidade onde não existe o palco; sua mãe Carmen gostaria de voar; e seu melhor amigo Miguel, que é surdo, quer dançar. Certo dia, algo milagroso acontece, e esse trio recebe a visita de uma cantora de ópera. Depois desse encontro, a vida ganha outros contornos e voos, convidando os espectadores a descobrir e a imaginar novas possibilidades. Por meio de uma narrativa delicada, o musical evoca questões sobre a acessibilidade no teatro.

#gastronomia

Tacacá do Norte
Dos melhores restaurantes do Rio de Janeiro, a casa aberta em 1973 oferece delícias paraenses bem preparadas e com ingredientes diretamente do Estado. Destaque para a casquinha de carangueijo, servida com farinha e pimenta com tucupi – super bem servida e saborosa. Vale ainda provar o açaí autentico paraense com flocos de tapioca para acompanhar e o tacacá, que dá nome à casa.

Tabuleiro do Acarajé
Hoje to com boquinha de petisco, então a segunda dica é o tabuleiro mais delicioso de São Paulo – com gostinho de Bahia. A casa das irmãs baianas Fátima e Miri serve deliciosos acarajés nas versões tradicional com camarão seco e vegana com castanha de caju, além de boas caipirinhas. Vale checar a programação e aproveitar as rodas de samba e shows que aparecem por lá.

Publicidade

Fotos: Divulgação


Gabriela Rassy
Jornalista enraizada na cultura, caçadora de arte e badalação nas capitais ensolaradas desse Brasil, entusiasta da cena musical noturna e fervida por natureza.

Canais Especiais Hypeness