Debate

Uma mulher é vítima de violência a cada 5 horas e ao menos um feminicídio é registrado por dia no Brasil, aponta relatório

Roanna Azevedo - 14/03/2022 às 10:07 | Atualizada em 16/03/2022 às 10:52

A Rede de Observatórios da Segurança, uma iniciativa que monitora a criminalidade no Brasil, liberou um relatório sobre os dados da violência contra mulheres em cinco estados do país em 2021: São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Bahia e Ceará. As informações divulgadas pelo boletim #ElasVivem revelaram que uma mulher é violentada a cada cinco horas e pelo menos um feminicídio é registrado por dia.

Maria da Penha: a vida da mulher que batiza a lei e que encara o machismo e a violência de frente

São Paulo ocupa o topo do ranking com 929 casos de violência monitorados, 27% a mais em relação ao ano anterior. Dentre eles, 97 foram estupros, 501 foram agressões e 157 foram feminicídios. Esse último dado se mostrou maior do que o número oficial divulgado pelo governo, que foi 136.

Patriarcado e violências contra a mulher: uma relação de causa e consequência

Foram recolhidos dados da violência contra a mulher nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Bahia e Ceará.

O Rio de Janeiro vem logo atrás de São Paulo, apresentando um aumento de 18% nos casos registrados. Dos 375 eventos de violência contra a mulher, 73 se encaixam na categoria de feminicídio. Também foi relatado que pelo menos uma mulher é violentada por dia no estado.

Feminicídio: 6 casos que pararam o Brasil

Pernambuco ocupa a terceira colocação, com 91 registros de feminicídio. Ele também é o estado do nordeste com a maior quantidade de casos de violência contra a mulher: 311 no total, segundo a pesquisa. A Bahia está na quarta posição do ranking, somando 66 mulheres assassinadas apenas por serem mulheres. Entre os registros gerais, o estado apresentou uma queda de 31% no número de casos violentos contra o gênero feminino.

O número de tipos de violência é maior que o de casos, porque mais de um tipo de violência pode ser praticado contra a vítima em um único episódio.

Dos 160 casos de violência contra a mulher registrados no Ceará, 22 se enquadram como feminicídio. Apesar de ter apresentado queda de 20% nos casos gerais, é o estado com o maior número de transfeminicídios dentre os cinco monitorados. De acordo com a pesquisa, 11 mulheres trans foram assassinadas somente por serem quem são, sendo uma delas Keron Ravach, a vítima mais jovem de transfobia no Brasil, morta aos 13 anos.

País que mais mata trans, Brasil teve 80 assassinatos transfóbicos no 1º semestre de 2021

É importante lembrar que todos os dados foram recolhidos de forma independente pela Rede de Observatórios da Segurança. Para isso, a equipe do projeto monitorou diariamente as redes sociais e as páginas de veículos de imprensa, coletando informações e categorizando os crimes separadamente.

O que é misoginia e como ela é a base da violência contra a mulher

Publicidade

Foto 1: Anete Lusina/Pexels

Foto 2: Reprodução/Rede de Observatórios da Segurança


Roanna Azevedo
Diretamente da zona norte do Rio, é jornalista por profissão e curiosa por conta própria. Ama escrever sobre cinema e o universo do entretenimento há mais de dois anos. Tem paixão por tudo que envolve cultura, música, arte e comportamento, além de ficar sempre ligada no que rola no mundinho da comunicação nas redes sociais.

Canais Especiais Hypeness