Inspiração

Barcelona bate recorde de público no futebol feminino com 100 mil pessoas em estádio e quer mais

Vitor Paiva - 20/04/2022 às 09:22

Se toda partida entre Barcelona e Real Madrid é naturalmente antológica, independentemente do resultado, o jogo do último dia 30 de março se confirmou especialmente histórico, e não somente pelo placar, mas principalmente por quem estava entre as quatro linhas e nas arquibancadas: com 91.533 pessoas no estádio Camp Nou, a partida registrou o maior público da história do futebol feminino.

O jogo foi válido pelas quartas de final da Liga dos Campeões, e terminou com uma expressiva vitória do Barcelona por 5 a 2 – e o público não somente fez história em quantidade como em qualidade, com um show de energia e um incrível mosaico, onde se lia em perfeita tradução o sentido da partida: “Mais que empoderamento”, diziam as placas.

A equipe do Barcelona superou o Real Madrid diante do maior público da história do futebol feminino

O Barcelona superou o Real Madrid diante do maior público da história do futebol feminino

"Mais que empoderamento": o incrível mosaico formado pela torcida no estádio Camp Nou

“Mais que empoderamento”: o incrível mosaico formado pela torcida no estádio Camp Nou

-Futebol dos EUA faz história ao igualar pagamento entre homens e mulheres

O público registrado no Camp Nou no último dia 30 não foi somente o maior do futebol feminino, mas de toda a temporada no estádio – incluindo as partidas masculinas, entre as quais o recorde de 2021/22 foi também em um Barcelona x Real Madrid, que reuniu 86.422 pessoas, em outubro do ano passado.

As mais de 91,5 mil pessoas presentes no estádio superaram o recorde anterior para o futebol feminino, de 90.185 pessoas presentes no estádio Rose Bowl, na Califórnia, para a final da Copa do Mundo de 1999, disputada entre Estados Unidos e China, e vencida nos pênaltis pela seleção anfitriã por 5 a 4, após a partida terminar em 0 a 0 no tempo normal.

Post do Barcelona celebrando o público que bateu o "recorde mundial" comparecendo ao jogo

Post do Barcelona celebrando o público que bateu o “recorde mundial” comparecendo ao jogo

-Assembleia aprova mudança de nome do Estádio Rei Pelé para Rainha Marta

Se a Copa de 1999 foi considerado um ponto de virada para o reconhecimento e a popularização do futebol feminino, com estádios lotados, transmissões populares e uma grande geração de atletas, o clássico entre Barcelona e Real Madrid disputado no final do mês passado também foi um marco para a modalidade entre clubes.

Liderado pela melhor jogadora do mundo, a meia e capitã Alexia Putellas, e por Caroline Graham Hansen, escolhida a melhor da partida, o time catalão deu um passo importante rumo ao bicampeonato da Liga com segunda vitória sobre o rival, após vencer o jogo de ida por 3 a 1: a semi-final será disputada com o Wolfsburg, da Alemanha, para decidir a finalista, que enfrentará a equipe vencedora da outra semi, entre Lyon e PSG.

Caroline Graham Hansen foi escolhida a melhor jogadora da partida

Caroline Graham Hansen foi escolhida a melhor jogadora da partida

-Salários do futebol feminino são comparáveis aos da Série C masculina

A mensagem inscrita de “Mais que empoderamento” no grande mosaico formado pela torcida presente deu o tom da importância da partida para o futebol feminino, fazendo uma alusão ao slogan “Mais que um clube”, utilizado pelo Barcelona.

O recorde de público no futebol feminino brasileiro entre clubes foi alcançado no final do ano passado, quando 30.077 pessoas foram à Neo Química Arena para a final do Campeonato Paulista, disputada entre Corinthians e São Paulo: ao vencer a partida por 3 a 1, o Corinthians confirmou o tri do Paulistão em um ano perfeito, no qual a equipe feminina do Timão também conquistou o Brasileiro e a Libertadores.

O show de luzes oferecido pela torcida na partida histórica

O show de luzes oferecido pela torcida na partida histórica

Publicidade

© fotos 1, 3: Twitter/Barcelona/reprodução

© fotos 2, 4, 5: Getty Images


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness