Ciência

Como foi a cirurgia de crânio mais antiga da América do Norte, realizada há 3 mil anos

Vitor Paiva - 06/04/2022 às 18:12 | Atualizada em 10/04/2022 às 19:55

Análises de uma ossada de pelo menos 3 mil anos encontrado na região onde hoje fica o estado do Alabama, nos EUA, revelaram indícios da mais antiga cirurgia de crânio já realizada na América do Norte. A descoberta foi apresentada pela bio-arqueóloga Diana Simpson, da Universidade de Nevada, na reunião anual da Associação Americana de Antropólogos Biológicos no dia 28 de março, e se baseou em uma abertura em formato oval encontrada no crânio, que apresenta sinais claros de ter sido realizada em procedimento, bem como em outros danos apontados no esqueleto, e no crescimento ósseo notado ao redor da abertura, que ajudaram a determinar as motivações e até mesmo os desdobramentos da cirurgia.

Imagem ilustrativa de um crânio humano: a descoberta representa um marco arqueológico

Imagem ilustrativa de um crânio humano: a descoberta representa um marco arqueológico

-Escavação encontra tumba de cirurgião pré-colombiano de mil anos no Peru

O “Homem do Alabama”, como é conhecida a ossada, foi descoberto nos anos 1940 em escavação na região do Little Bear Creek, no Alabama, junto de outros 162 túmulos, e mantido em um museu por mais de 70 anos – somente em 2018 que Simpson iniciou os estudos sobre os restos mortais do homem que viveu na região entre 3 mil a 5 mil anos atrás. De acordo com a análise apresentada, os danos identificados ao redor da abertura oval no crânio indicam que aquela parte do osso teria sido raspada, possivelmente para reduzir um eventual inchaço no cérebro, provocado por uma queda violenta ou algum tipo de ataque sofrido.

As escavações aconteceram onde hoje é o Alabama, na década de 1940

As escavações aconteceram onde hoje é o Alabama, na década de 1940

-Ilustrações revelam o horror das remoções cirúrgicas de partes do corpo no século 19

Fraturas e lesões encontradas acima do olho esquerdo, no braço esquerdo, na perna e na clavícula também seriam explicadas pelas hipóteses do homem ter sido vitima de uma queda ou de um ataque. Segundo Simpson, as marcas encontradas no crânio são idênticas a outras cicatrizes deixadas por cirurgias similares, praticadas por outras civilizações ancestrais, e o crescimento ósseo ao redor da abertura indica que o homem teria vivido cerca de um ano após a realização da cirurgia. Até então, as evidências mais antigas de procedimentos cirúrgicos realizados em um crânio na América do Norte datavam de cerca de 1 mil anos atrás.

A bio-arqueóloga Diana Simpson, da Universidade de Nevada

A bio-arqueóloga Diana Simpson, da Universidade de Nevada, que realizou a análise

-Ciência reconstrói rosto de Neandertal de 50 mil anos encontrado na Holanda

Descobertas arqueológicas anteriores, porém, apontam que cirurgias cranianas já eram realizadas na África há cerca de 13 mil anos. Técnicas como trepanação e outros métodos cirúrgicos eram comumente realizados por antigas civilizações do continente americano para combater dores de cabeça ou doenças. Alguns itens encontrados no túmulo sugerem que o “Homem do Alabama” pode ter sido um xamã, e que o procedimento pode ter sido realizado como parte de um ritual. Após os estudos terem sido concluídos, os restos mortais foram devolvidos às comunidades nativas dos EUA, para serem novamente enterrados.

Exemplo de trepanação ou procedimento similar milenar encontrado no Peru

Exemplo de trepanação ou procedimento similar milenar encontrado no Peru

Publicidade

© fotos 1, 2: Getty Images

© foto 3: Universidade de Nevada

© foto 4: Wikimedia Commons


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness