Ciência

Entenda a cirurgia inédita no Brasil em paciente que teve perna amputada por causa de câncer

Roanna Azevedo - 13/04/2022 às 10:12

Voltada para melhorar a mobilidade de pessoas com membros amputados devido à diabetes, ao câncer ou a acidentes, a cirurgia de osseointegração (ou osteointegração) foi realizada no Brasil pela primeira vez na última quinta-feira (7). O procedimento consiste em conectar diretamente um implante de titânio ao coto do paciente, o que permite a colocação de uma prótese externa com mais facilidade no futuro.

–  Cirurgia de redução da testa: entenda o procedimento feito pela ex-BBB Thais Braz

Implante de titânio usado na osseointegração.

Esse tipo de operação é indicado para pessoas que por algum motivo não conseguem usar uma prótese tradicional. Muitas delas saem do lugar com facilidade, demandam ajustes frequentes ou não se adaptam ao corpo. De acordo com o cirurgião ortopedista oncológico Antônio Marcelo Gonçalves de Souza, cerca de 40% dos pacientes amputados em todo o mundo não se acostumam com a prótese de encaixe.

Sertanejo anuncia cirurgia para aumentar o pênis; faloplastia é vista como experimental

Antônio Marcelo Gonçalves de Souza, o cirurgião responsável pelo procedimento.

A cirurgia ocorreu no Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP), localizado em Recife, e foi feita em uma paciente de 33 anos, que precisou amputar a perna há mais de uma década por causa de um tumor ósseo. O procedimento foi um sucesso, e ela deverá passar por dois meses de reabilitação para fortalecer a musculatura e os ossos.

Com o apoio do médico Hendrik van de Meent, referência em osseointegração na Holanda, foi o Dr. Antônio Marcelo que realizou a cirurgia. Ele também é o responsável por trazer toda a tecnologia necessária para o procedimento ao Brasil. Durante esse processo, o fisioterapeuta Tiago Bessa se encarregou da protetização e reabilitação dos pacientes.

Gêmeas trans de 19 anos fazem cirurgia de readequação de sexo inédita

Desenvolvido por Antônio Marcelo, o implante brasileiro recebeu investimento da empresa Impol para ser fabricado. Só foi aprovado no final de 2021, depois de passar quatro anos em tramitação na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Publicidade

Foto 1: Divulgação/Hospital do Câncer de Pernambuco

Foto 2: Alexandre Aroeira/JC Imagem


Roanna Azevedo
Diretamente da zona norte do Rio, é jornalista por profissão e curiosa por conta própria. Ama escrever sobre cinema e o universo do entretenimento há mais de dois anos. Tem paixão por tudo que envolve cultura, música, arte e comportamento, além de ficar sempre ligada no que rola no mundinho da comunicação nas redes sociais.

Canais Especiais Hypeness