Diversidade

Exu: a breve história do orixá fundamental para o candomblé celebrado pela Grande Rio

Redação Hypeness - 26/04/2022 às 14:17 | Atualizada em 29/04/2022 às 09:46

No último sábado (24), a Grande Rio brilhou na Sapucaí com o enredo “Fala, Majeté! As sete chaves de Exu“. A escola da baixada fluminense fez um belo desfile na avenida e é considerada uma das favoritas para levar o Carnaval 2022.

A agremiação trouxe como tema principal Exuuma das principais entidades do candomblé e da umbanda. O orixá Exú foi celebrado em um belo samba-enredo, que quebra os estereótipos que recaem sobre as religiões afro-brasileiras.

Samba-enredo sobre Exu da Grande Rio encantou avenida e marcou volta da escola à Sapucaí depois de dois anos

Confira imagens do desfile da Grande Rio:

Leia: Escolas de samba: 6 desfiles que lutaram contra o racismo religioso

O que é Exu?

Exu ou Èsù é o nome dado a um orixá do Candomblé. O Exú é considerado “o mais humano” dos orixás e possui importância simbólica para todas as religiões de matriz africana.

De acordo com definições especializadas, Exu é um orixá que caminha junto dos homens e que representa seu ego, repleto de qualidades e defeitos.

Trata-se de uma figura religiosa ligada ao equilíbrio, à motivação e à retribuição das atitudes. Para muitos, também é uma entidade ligada à sexualidade e ao amor.

Leia também: Mangueira e Grande Rio se destacam com Jesus negro e defesa do Candomblé

Exu brilhou na Sapucaí e quebrou estereótipos distorcidos sobre religiões afro-brasileiras

“Exu é uma divindade complexa, é energia circular e infinita, movimento, luta, insubmissão, mudança, que se transforma em incontáveis entidades e que tem muito a ver com a nossa ancestralidade. Mas que é visto com restrição por muita gente. O enredo deste ano, como dos anteriores, visa a desconstruir essa imagem estereotipada, o racismo religioso, a intolerância e a demonização de religiões como o candomblé, a umbanda e as macumbas. Por isso, as sete chaves, para abrir o conhecimento sobre Exu”, disse o carnavalesco Gabriel Haddad, da Acadêmicos da Grande Rio, à Globo.

Exu não é diabo

As religiões de matriz africana são alvos frequentes de preconceito religioso. E é justamente essa visão estereotipada oriunda do fundamentalismo cristão que tentou formatar a ideia de Exu ser próximo ao diabo.

Dentro das religiões de matriz africana, não há espaço para maniqueísmos como “o bem e o mal” ou “Deus e o diabo”. E, como foi dito acima, Exu é um orixá que dialoga com energias complexas que podem ser positivas e negativas, a depender do caso.

“Isso começa com os primeiros contatos dos europeus com a religião. Eles não estão tentando entender Exu pelo sistema africano, mas com o olhar europeu”, explica o antropólogo Vagner Gonçalves, da Universidade de São Paulo, ao jornal A Tarde.

– Racismo religioso faz mãe perder guarda da filha após participar de sessão de Candomblé

Exu é guardião e caminho para a religiosidade e não tem nenhuma relação com o diabo católico ou com qualquer lógica cristã.

“Exu é personagem controversa, talvez a mais controversa de todas as divindades do panteão iorubá. Alguns o consideram exclusivamente mau, outros o consideram capaz de atos benéficos e maléficos e outros, ainda, enfatizam seus traços de benevolência. […] As muitas faces da natureza de Exu acham-se apresentadas nos odus e em outras formas de narrativa oral iorubá: sua competência como estrategista, sua inclinação para o lúdico, sua fidelidade à palavra e à verdade, seu bom senso e ponderação, que propiciam sensatez e discernimento para julgar com justiça e sabedoria. Essas qualidades o tornam interessante e atraente para alguns e indesejável para outros”, explicam  Sikirù Sàlámi e Ronilda Iyakemi Ribeiro no livro “Exu e a ordem do Universo”.

Para entender melhor o papel de Exu no Candomblé, vale conhecer o documentário ‘A Boca do Mundo – Exu no Candomblé’, que conta com Mãe Beata de Iemanjá, ialorixá do Rio de Janeiro, considerada uma das principais figuras da religião no Brasil.

Na umbanda, Exu não possui o posto de orixá e é considerado uma entidade de luz que age em diversos âmbitos dessa fé. Ele é considerado um vetor para trabalhos e como agente da lei do carma.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Canais Especiais Hypeness