Inspiração

Homem que sobreviveu a quatro campos de concentração nazistas morre em bombardeio na Ucrânia

Vitor Paiva - 01/04/2022 às 09:34

Morreu no último dia 18 de março o ucraniano Borys Romantschenko, após um bombardeio na cidade de Carcóvia, no nordeste da Ucrânia, atingir o prédio onde morava: falecido aos 96 anos, na juventude Romantschenko sobreviveu à prisão em quatro campos de concentração durante o regime nazista, e trabalhou por muitos anos como vice-presidente do Comitê Internacional Buchenwald-Dora pelos Sobreviventes do Holocausto, dedicando-se à memória das vítimas e à denúncia dos crimes do Holocausto. Sua morte foi informada inicialmente por sua neta, Yulia Romanchenko, que encontrou o prédio onde Borys vivia completamente incendiado, e em seguida confirmada pela Fundação Alemã Memorial de Buchenwald e Mittelbau.

Diante do campo de Buchenwald, em 2012

Borys Romantschenko diante do campo de Buchenwald, em 2012

-Ucrânia: repórter descobre ao vivo que a casa de sua família foi bombardeada

Encostando o passado e o presente através de páginas sombrias da história recente, a vida de Romantschenko foi marcada pelos dois últimos conflitos ocorridos em solo europeu: a Guerra na Ucrânia é a primeira a assolar um país do continente após o fim da segunda guerra mundial. Nascido em 1926 no vilarejo ucraniano de Bondari, Borys Tymofiyovych Romanchenko aos 16 anos foi detido por tropas nazistas e deportado para a Alemanha, onde tornou-se prisioneiro do primeiro campo de concentração, e submetido a trabalhos forçados. Depois de tentar fugir, ele foi enviado para o campo de Buchenwald, depois para Peenemünde, Mittelbau-Dora e Bergen-Belsen, de onde foi finalmente libertado, com o encerrar do conflito.

Cerimônia em memorial pela morte de Romantschenko, em Cracóvia

Cerimônia em memorial pela morte de Romantschenko, em Cracóvia

-Josef Mengele: o médico nazista que morou no interior de São Paulo e morreu no Brasil

Antes de voltar à Ucrânia, Romantschenko ainda teve de servir ao exército soviético na Alemanha Oriental: ao fim de sua vida, ele se encontrava doente e bastante debilitado. “Um bombardeio atingiu o prédio de vários andares em que ele morava. Seu apartamento foi incendiado”, informou, em comunicado, a a Fundação Memorial de Buchenwald e Mittelbau-Dora, “lamentando a perda de um amigo próximo”, diz a nota. “A terrível morte de Boris Romantschenko mostra o quanto a guerra na Ucrânia é uma ameaça para os sobreviventes dos campos de concentração“, afirmou o  comunicado: estima-se que cerca de 42 mil sobreviventes do Holocausto vivam atualmente na Ucrânia.

Borys Romantschenko falando na cerimônia no campo de , em 2012

Borys Romantschenko falando na cerimônia no campo de Buchenwald, em 2012

-Brasileiro sobrevivente de Auschwitz dá relato forte sobre campo de concentração

Romantschenko era um dos mais velhos sobreviventes do nazismo, e vinha mantendo todo cuidado para não adoecer durante a pandemia. Na publicação que informou sobre sua morte, a fundação lembrou evento realizado em 2012 para celebrar o aniversário da libertação do campo de concentração de Buchenwald, no qual Romantschenko leu um juramento que dizia que “Nosso ideial é construir um novo mundo de paz e liberdade”. Na foto, ele aparece diante do antigo portão do campo, vestindo o uniforme listrado em azul e branco imposto sobre os prisioneiros.

Borys Romantschenko sobreviveu a quatro campos e uma pandemia

Borys Romantschenko sobreviveu a quatro campos de concentração e uma pandemia

Publicidade

© fotos 1, 3: Fundação Alemã Memorial de Buchenwald e Mittelbau/Twitter/reprodução

© foto 2: Getty Images

© foto 4: Arquivo Pessoal/reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness