Empreendedorismo

Inovação, empreendedorismo e ancestralidade na história da 1ª milionária negra dos EUA

Patrocinado por: Namore-se
Vitor Paiva - 28/04/2022 às 10:12 | Atualizada em 02/05/2022 às 10:50

A história de Sarah Breedlove começa na segunda metade do século XIX, no segregado estado da Luisiana, nos EUA, como filha de pais escravizados, e percorre o longo e tortuoso caminho que toda mulher negra tinha de enfrentar, até chegar a uma incrível mansão em Nova York nos anos 1910, quando ela já havia se transformado na Madame CJ Walker, que se tornou a primeira mulher milionária do país – sem heranças nem doações, a partir de seu próprio trabalho. O nome destacado foi herdado de um de seus maridos, mas sua fortuna foi erguida a partir do desenvolvimento e da venda de produtos de beleza para mulheres negras, especialmente para seus cabelos – em um período da história estadunidense em que as mulheres não podiam votar, e que o país ainda se encontrava segregado, quase cinquenta anos antes da população negra ter seus direitos garantidos.

Madame C. J. Walker, a primeira mulher milionária dos EUA

Madame C. J. Walker, a primeira mulher milionária dos EUA

O produto pioneiro lançado pela Madame, que alçou sua companhia ao sucesso

O produto pioneiro para cabelos lançado pela Madame, que alçou sua companhia ao sucesso

-11 mulheres negras que brilharam na tecnologia com invenções transformadoras

Nascida na mais profunda pobreza em 1867 – somente pouco mais de um ano após o fim da escravidão nos EUA – e tendo perdido os pais ainda criança, enquanto trabalhava como lavadeira que Madame CJ Walker, quando ainda era Sarah Breedlove, percebeu que os produtos químicos que utilizava no serviço, somados ao efeito da água impura que tinha em casa, estavam acabando com seus cabelos, bem como com o de suas vizinhas. Reza a lenda que ela recebeu a fórmula do produto que mudaria sua vida e de muitas mulheres negras no país em um sonho: seja como for, o fato é que Walker revelou-se uma empresária brilhante, que percebeu um hiato imenso e potencialmente milionário no mercado de cosméticos, e abraçou a oportunidade.

Fábrica da empresa C. J. Walker Manufacturing Company, em Indianapolis, Indiana

Fábrica da empresa C. J. Walker Manufacturing Company, em Indianapolis, Indiana

Os produtos da linha da empresa reunidos

Os produtos da linha da empresa reunidos

Madame ao centro, com algumas de suas formandas, vendedoras da empresa

Madame ao centro, com algumas de suas formandas, vendedoras da empresa

-‘Hair Love’: curta vencedor do ‘Oscar’ sobre cabelos crespos vai virar série

O caminho ao sucesso começou de porta em porta, e em pouco tempo, o “Maravilhoso produto para o crescimento do cabelo de Madame CJ Walker” estava presente na casa da maioria das famílias negras do país – assim como outros xampus, pomadas, cremes e pentes especiais. Com seu imenso êxito solidificado, ela passou a treinar jovens mulheres negras para também venderem seus produtos de casa em casa por todo o país, ensinando-as não somente técnicas de propaganda, persuasão e venda, mas também sobre economia e independência financeira, como forma de melhorar a vida das jovens funcionárias. Nos anos 1910, além das fábricas ela também possuía salões de beleza e escolas, ensinando técnicas de corte e cuidados com o cabelo, manicure e mais: estima-se que, por volta de 1916, Walker trabalhava com um impressionante exército de mais de 20 mil mulheres treinadas, que recebiam um belo salário de cerca de 50 a 100 dólares por semana, valor exorbitante para a época.

A casa principal da família, no estado de Nova York

A casa principal da família, em Villa Lewaro, no estado de Nova York

Centenas de funcionárias reunidas em uma das muitas convenções anuais em Villa Lewaro

Os fundos da casa, com as funcionárias na convenção anual de 1924

Os fundos da casa, com as funcionárias na convenção anual de 1924

-O milionário chinês que dedica seu tempo livre a recolher lixo das ruas

Além do verdadeiro império que construiu e do esforço que promoveu para ajudar milhares de jovens, ela transformou sua casa – uma imensa propriedade no estado de Nova York conhecida como Villa Lewaro e que custou 250 mil dólares para ser construída em 1917 – em um ponto de encontro e atividade para líderes comunitários e militantes da causa negra. Durante o fim de sua vida, Walker passou a atuar também como uma das mais importantes e generosas filantropas, doando pequenas fortunas para o combate à pobreza e principalmente pela emancipação do povo negro nos EUA. Madame CJ Walker faleceu em 1919, aos 51 anos, por insuficiência renal e complicações da hipertensão como a mulher negra mais rica e influente do país: sua incrível história foi contada na série Self Made: Inspired by the Life of Madam C. J. Walker, lançada no Netflix em 2020, na qual a atriz Octavia Spencer vive a personagem principal.

Formandas na Escola de Beleza Madam C. J. Walker, no Harlem, em 1938

Formandas na Escola de Beleza Madam C. J. Walker, no Harlem, em 1938

Madame CJ Walker com amigas em seu carro, em 1911

Madame CJ Walker com amigas em seu carro, em 1911

Publicidade

© fotos 1, 3, 6, 10: Wikimedia Commons

© fotos 2, 4, 5, 7, 8, 9:  Messy Nessy/reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.