Ciência

O que é o primeiro ninhal de dinossauros brasileiro descoberto em Minas Gerais

Vitor Paiva - 13/04/2022 às 17:19

Em um feito inédito da ciência e da arqueologia brasileira, o primeiro ninhal de dinossauros já descoberto no país foi encontrado no bairro de Ponte Alta, na Zona Rural da cidade mineira de Uberaba. O achado é um conjunto de 20 ovos aninhados com cerca de 80 milhões de anos, encontrado por paleontólogos da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) formando o primeiro sítio de nidificação já registrado em solo nacional: o artigo registrando o feito foi publicado no dia 24 de março na revista científica Scientifics Reports, com a colaboração de cientistas argentinos, que ajudaram a identificar a espécie de dinossauros descoberta nos ovos.

Registros dos ninhas de dinossauros descobertos em Uberaba

Registros fotográficos dos ninhas de dinossauros descobertos em Uberaba

-Conheça detalhes do Pterossauro brasileiro que viveu onde hoje é Chapada do Araripe

Os ovos aninhados encontrados em Uberaba são de Titanossauros, e até então somente haviam sido encontrados isolados no Brasil: o técnico em paleontologia João Ismael da Silva, servidor da Fundação Cultural da Prefeitura Municipal de Uberaba e principal responsável pela expedição, pesquisa ovos de dinossauro na região desde 1990, e já havia encontrado ovos de Titanossauro na região, mas nunca reunidos em um mesmo ninho. A cidade mineira já faz parte, porém, da história da paleontologia brasileira desde 1951, quando o primeiro ovo esférico da espécie encontrado no Brasil foi descoberto na região: hoje Uberaba é referência para todo mundo em pesquisa con fósseis vertebrados do período Cretáceo, entre 145 milhões e 66 milhões de anos atrás.

Ilustração mostrando a forma como os ovos eram posicionados e permaneceram

Ilustração mostrando como os ovos eram posicionados e permaneceram por milhões de anos

-Fóssil de dinossauro gigante com fêmur de quase 2 metros é encontrado no Maranhão

Os ovos aninhados descobertos possuem cerca de 12 centímetros de diâmetro e 900 centímetros cúbicos de volume, e são semelhantes aos de Titanossauros encontrados na Argentina e na Romênia: algumas características singulares, porém, podem ser explicadas, segundo os cientistas, pelas características do ambiente semiárido da região, como a forma dos poros espalhados pela superfície das esferas. Era através desses poros que os embriões realizavam trocas gasosas com o mundo ao redor dos ovos, e o clima seco e desértico da Zona Rural mineira há 80 milhões de anos determinou a diferença no padrão dos ovos recém-descobertos em relação aos equivalentes argentinos e romenos.

O técnico em paleontologia João Ismael da Silva, que liderou a descoberta

O técnico em paleontologia João Ismael da Silva, que liderou a descoberta

-Urnas funerárias encontradas no Equador revelam restos mortais de povo anterior à invasão europeia

“Aninhamentos de Titanossauros já foram descobertos extensivamente por todo o mundo, com registros notáveis na Espanha, França, Romênia, Índia, e especialmente na Argentina. Aqui, nós descrevemos o primeiro ninhal de Titanossauro do final do período Cretáceo já encontrado no Brasil, representado o sítio arqueológico mais ao norte para uma descoberta do tipo já registrado na América do Sul”, diz o artigo. Os ovos foram submetidos a exames de tomografia, mas nenhum embrião preservado foi identificado em seus interiores: de acordo com a pesquisa, a ninhada mais bem preservada, intitulada CPPLIP 1798, traz os ovos sobrepostos, em contato uns com os outros, posicionados em formato de tigela – uma característica comum aos ninhos de Titanossauro, por conta do posicionamento enterrado dos ovos.

Os ovos não possuíam nenhum embrião em seus interiores

Os ovos não possuíam nenhum embrião em seus interiores

Publicidade

© fotos: Scientifics Reports/reprodução/UFTM


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness