Gastronomia

Sal coreano: processo de produção do sal mais caro do mundo pode levar até 50 dias

Redação Hypeness - 19/04/2022 às 08:18 | Atualizada em 20/04/2022 às 09:25

Você imagina gastar cerca de 100 dólares (R$ 467 na cotação atual) por apenas 250 gramas de sal? Esse é o valor do sal coreano, um produto de luxo que tem o preço ditado principalmente pelo difícil processo de produção da iguaria, que pode durar até 50 dias.

Se você pensou que o sal rosa do Himalaia era suficientemente caro, vamos te mostrar que existe ainda mais luxo envolvendo o tempero que realça o sabor dos alimentos. Na verdade, existem diversos tipos de sal caríssimos, incluindo o sal de soja e o sal preto Kilauea Onyx. Mas no topo da lista está o Amethyst Bamboo, uma variedade coreana feita dentro de cilindros de bambu.

—As salinas rosas e naturais que parecem manipulação digital no sul da França

O sal marinho é colocado nos tubos, coberto com argila Loess e depois assando até nove vezes em um forno tradicional. É um processo complexo que leva um mês inteiro para ser concluído. Cada passo é feito à mão, por isso não é de admirar que o sal possa ser vendido por mais de US $ 100 por frasco.

O sal de bambu faz parte da cultura coreana há centenas de anos, mas o sal de bambu com tantas torras só remonta ao século 20. Antes disso, o sal era simplesmente cozido em bambu duas ou três vezes, mas mais tarde descobriu-se que, depois de assado várias vezes, o item se infundia mais ainda na essência de bambu e também tinha mais impurezas filtradas, se tornando um dos sais mais puros do planeta.

A fabricação do sal Amethyst Bamboo começa com o corte de troncos de bambu de 3 anos em cilindros, deixando uma extremidade fechada. A outra é preenchida com sal marinho da costa oeste da Coreia do Sul e depois selada com uma argila especial do tipo cerâmica. Os cilindros são então colocados em um forno e assados ​​em fogo de pinho, em temperaturas próximas ao ponto de fusão do sal (800º).

—Rokumon, o trem japonês que na verdade é um restaurante de luxo

À medida que o bambu aquece, o óleo sai da madeira e é absorvido pelo sal, lhe conferindo um aroma complexo, além propriedades que supostamente fazem bem para a saúde. Após 14 ou 15 horas, os cilindros de bambu são transformados em cinzas, deixando apenas os torrões de sal, que são então moídos e embalados em cilindros de bambu novamente. Ao todo, o processo é repetido oito vezes.

O nono processo de torre é um pouco diferente, pois o sal agora é assado a cerca de 1.000º, o que faz com que o sal e o bambu derretam completamente. A mistura é então drenada para um molde e deixada solidificar por vários dias. O sal enrijecido é então quebrado à mão, embalado e vendido. Esta última etapa do processo é a mais complicada, pois um erro pode resultar no desperdício de 30 a 50 dias de trabalho duro.

Diz-se que o Amethyst Bamboo é o sal torrado de bambu mais puro do mundo e também possui o maior teor de minerais. Enquanto alguns o elogiam pelo sabor complexo, semelhante à gema de ovo, que se diz ser dado pelo óleo de bambu com o qual é infundido, e há muitos que acreditam que ele tem propriedades medicinais.

Embora os estudos científicos ainda não comprovem os benefícios para a saúde do consumo de sal de bambu torrado 9x, os defensores do produto de luxo alegam que ele pode ajudar na digestão e melhorar a saúde bucal, diminuir a inflamação e possuir até mesmo efeitos anticancerígenos.

Se o sal coreano de bambu faz bem ou se ainda tem um sabor melhor do que os sais de mesa comuns, ainda é discutível  – já que ele ainda é principalmente composto de cloreto de sódio -, mas não há como negar que é definitivamente o sal mais caro do mundo.

—Alho negro: conheça sensação entre restaurantes de comida saudável

Publicidade

Fotos: Reprodução/Insider


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Canais Especiais Hypeness