Sustentabilidade

Único lugar com mico-leão-dourado no mundo, RJ inova com viaduto coberto por vegetação para proteger animais

Roanna Azevedo - 05/04/2022 às 10:08

Um trecho da rodovia federal BR-101 no Rio de Janeiro agora conta com uma adição especial que tem facilitado a vida da fauna local. Trata-se de um viaduto forrado de vegetação que serve como travessia para os micos-leões-dourados da região migrarem de um lado para o outro da pista sem maiores problemas.

Animais em extinção: estudo aponta mico-leão-dourado entre os mais vulneráveis às mudanças climáticas

O viaduto começou a ser construído em 2020.

O projeto, que teve início em 2020, também é composto por pequenas passarelas e 17 passagens subterrâneas que conectam os dois lados da estrada. Todas as estruturas foram uma exigência de um órgão ambiental para a concessionária que administra a rodovia. O motivo? Micos-leões-dourados, animais ameaçados de extinção, vivem exclusivamente no estado do Rio. Existem apenas 2500 exemplares da espécie em oito municípios.

Pescador usa arte para impedir pesca ilegal de arrasto e proteger biodiversidade

O estado do Rio de Janeiro é o único lugar do mundo onde micos-leões-dourados existem na natureza.

A construção custou cerca de 50 milhões de reais e tem desempenhado um papel fundamental na proteção da fauna regional. “Esse corredor significa a continuidade do céu da floresta, permitindo que os animais que antes estavam separados possam agora cruzar entre si e aumentar a variabilidade genética da população desses indivíduos na paisagem”, conta Marcelo Guerreiro, coordenador de Meio Ambiente da Arteris Fluminense, para o Jornal Nacional.

Estrada em área de maior biodiversidade do Brasil causa temor por gado e mineração

A estrutura permite que os animais cruzem a rodovia de um lado para o outro.

Apesar de o tamanho da vegetação do viaduto ainda não ser grande o bastante para garantir a plena segurança dos animais, eles já se movimentam muito por ele. Além dos micos-leões-dourados, é possível observar, saguis, teiús, cuícas, siriemas, tamanduás e tatus cruzando a rodovia.

Método Miyawaki: pequenas florestas estão sendo plantadas pela Europa para restaurar a biodiversidade

Micos-leões-dourados cruzando uma das passarelas.

Mas os animais não são os únicos beneficiados pela construção do viaduto. O tráfego dos motoristas tem sido mais tranquilo. “A gente percebeu uma redução bastante substancial com relação a índices de atropelamentos de indivíduos da fauna local e índices de acidentes viários também. Então, a estrutura começa a se mostrar eficaz também para a segurança viária”, explica Álisson Freire, diretor de Operações da Arteris Fluminense.

PL quer extinguir parque com maior biodiversidade da Amazônia para criar gado

Para o secretário-executivo da Associação Mico-Leão-Dourado, Luís Paulo Ferraz, a infraestrutura de ferrovias, rodovias e outros tipos de rotas é completamente capaz de levar em consideração a biodiversidade do local. “Por isso que essas estruturas são tão importantes para o planejamento futuro”, afirma.

Publicidade

Foto 1: Divulgação/Arteris Fluminense

Foto 2Raimund Linke/Getty Images

Fotos 3 e 4: Reprodução/Jornal Nacional


Roanna Azevedo
Diretamente da zona norte do Rio, é jornalista por profissão e curiosa por conta própria. Ama escrever sobre cinema e o universo do entretenimento há mais de dois anos. Tem paixão por tudo que envolve cultura, música, arte e comportamento, além de ficar sempre ligada no que rola no mundinho da comunicação nas redes sociais.

Canais Especiais Hypeness