Diversidade

Viola Davis sobre racismo em Hollywood: ‘Ou você é branca ou a versão negra do ideal branco’

Redação Hypeness - 25/04/2022 às 10:16 | Atualizada em 27/04/2022 às 10:26

Viola Davis saiu da pobreza para se tornar a primeira pessoa negra a ganhar a chamada “tríplice coroa da atuação”, com prêmios no Oscar, Emmy e Tony. Agora ela interpreta a ex-primeira dama, Michelle Obama, e fala sobre as dificuldades de abrir caminho até o topo.

A atriz de 56 anos quebrou recordes, mas vem de uma infância humilde na cidade de Central Falls, Rhode Island, onde sua família muitas vezes não tinha água quente, gás ou eletricidade e ratos perambulavam pelo prédio.

Viola Davis sobre racismo em Hollywood: 'Ou você é branca ou a versão negra do ideal branco'

Viola Davis sobre racismo em Hollywood: ‘Ou você é branca ou a versão negra do ideal branco’

 

Em entrevista à Diana Evans, do The Guardian, Viola disse que essa realidade onde cresceu lhe deu mais compaixão e permitiu que ela pudesse ‘ver o outro lado da vida’ do glamour de Hollywood.

“O que ninguém te diz sobre estar ‘no topo’ são as minúcias disso, o custo disso, a pressão disso, a responsabilidade e, finalmente, a desilusão. Você sente que encontrou algo que ama fazer e conseguiu, sua vida está toda costurada – e então você acerta, e é apenas um nível de vazio, de se perguntar o que sua vida significa, e então você cai e queima. Eu tive que voltar à fonte e revisitar minha vida, revisitar minhas histórias, meio que me catapultar para algo para que eu pudesse encontrar meu lar – me encontrar. Eu estava perdido em tudo isso.”

Davis, que ganhou os principais prêmios de palco e tela durante sua carreira, disse que atuar tem sido uma “fonte de cura” em sua vida. Ainda assim, ela considera fama e glória secundárias ao trabalho.

“Não é que eu não tenha olhado para o Oscar ou algo assim e pensado: uau, isso é incrível. Eu sou muito grata, mas, você sabe, você não pode viver neste lugar. Assim que você consegue, você sai do palco, você é uma vencedora do Oscar, mas depois é como, e agora? E então você tem que ir para o próximo trabalho e começar tudo de novo com aquela síndrome da impostora”.

Em 2016, com sua vitória no Oscar de melhor atriz coadjuvante por seu papel em Fences, baseado em uma peça de August Wilson, Viola Davis se tornou a primeira afro-americana a conquistar a tal tríplice – o Tony foi por um papel na Broadway em King Hedley II, de Wilson; o Emmy pelo thriller legal de TV How to Get Away With Murder.

Ela também é a mulher negra mais indicada na história do Oscar – recebeu indicações para Black Bottom de Ma Rainey, outra adaptação de Wilson, bem como The Help and Doubt – e foi classificada no top 10 do New York Times’ lista dos maiores atores do século 21. Sua execução de seus papéis é exigente e magnânima, sempre astuta, possuindo uma integridade assombrosa que faz cada personagem parecer profundamente conhecido, tangível e autocontrolado.

—Viola Davis exige igualdade salarial em crítica contundente ao racismo: ‘Meryl Streep negra’

Davis e seu marido Julius Tennon agora fundaram uma produtora, a JuVee Productions, para ajudar a criar seus próprios papéis e narrativas. A empresa tem vários projetos em andamento, incluindo The First Lady, no qual Davis interpreta Michelle Obama.

A atriz admitiu que estava “aterrorizada” com o que Obama pensaria de sua interpretação e disse que assistiu ao documentário Becoming da ex-primeira-dama dos EUA pelo menos 22 vezes em preparação.

Davis explicou ainda que refletiu sobre seu passado durante o isolamento social e documentou seus pensamentos em seu novo livro de memórias Finding Me, enquanto se esforçava para “quebrar maldições geracionais”. Mas não foi só a pandemia que a levou para a tela em branco. A crise já estava em andamento e ela acredita que isso vem acontecendo desde que seu status começou a subir.

–Viola Davis critica Hollywood por ter cogitado Julia Roberts para papel de abolicionista negra

A atriz também observou que outros estão “acordando para a agência e autonomia” na indústria do entretenimento e tomando o assunto por conta própria para criar histórias e produções mais diversas.

Ao contrário de muitas atrizes, Davis não foi vítima da cultura de abuso sexual em Hollywood que acelerou o movimento #MeToo, mas ela faz questão de apontar a realidade de “privação” que caracteriza a indústria, da qual os predadores aproveitam ao máximo.

Cerca de 90% dos atores estão desempregados e apenas 2% ganham o suficiente para viver. Como uma mulher negra entrando na profissão nos anos 1990, suas chances de sucesso eram ainda menores, e ela rapidamente percebeu a dupla afronta do racismo e do colorismo, o cenário de que para ter sucesso “ou você tem que ser uma versão feminina negra de um ideal branco, ou você tem que ser branco”.

Depois de se formar em teatro no Rhode Island College, ela foi aceita na prestigiosa Juilliard School, da qual ela é crítica pela característica de criar o “atores brancos perfeitos”, “algo desprovido de alegria, mas mergulhado em técnica”. “Seja qual for o personagem que eu interprete, não vou jogar com a mesma paleta que meus colegas brancos, porque sou diferente. Minha voz é diferente. Quem eu sou é diferente. Era como, ‘Sua voz é muito profunda, você é muito dura’. Então você tem que ser leve, mas você tem que ser leve como uma garota branca de 45 quilos, você não pode ser sua luz.”

Publicidade

Fotos: Getty Images e Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Canais Especiais Hypeness