Criatividade

A história não contada da incrível coleção de mais de 2 mil discos de vinil da Casa Branca

Vitor Paiva - 13/05/2022 às 09:32 | Atualizada em 19/05/2022 às 19:03

Uma incrível coleção com mais de 2 mil LPs permaneceu armazenada e esquecida em um depósito por décadas, e essa seria uma história comum e recorrente em qualquer lugar do mundo, não fosse o endereço onde esse verdadeiro tesouro para os amantes do vinil se encontrava: no número 1600 da Avenida Pennsylvania, em Washington, na capital dos EUA – mais precisamente, na Casa Branca. Ao longo dos anos, corria entre colecionadores e interessados a história de que a residência oficial do presidente do país possuía não somente uma extensa coleção de LPs, como formada por uma interessante seleção, incluindo alguns dos melhores discos da história, e até mesmo obras consideradas subversivas – até 2010, essa hipótese permanecia como uma espécie de lenda urbana, até que o escritor e diretor John Chuldenko decidiu descobrir a verdade sobre a suposta coleção de LPs da Casa Branca.

Imagem ilustrativa de uma estante de LPs: a coleção da Casa Branca compreende mais de 2 mil discos

Imagem de uma estante de LPs: a coleção da Casa Branca compreende mais de 2 mil discos

-Os 10 vinis mais caros do mundo: conheça os tesouros em lista que inclui um disco brasileiro

É claro que, em princípio, tal missão pareceria impossível para a maioria da população, mas nem tanto para Chuldenko que, além de um ávido colecionador de vinil, é também neto do ex-presidente Jimmy Carter. Enteado de Jack, filho de Carter, o diretor procurou arquivistas da biblioteca oficial do próprio avô para primeiro descobrir se a coleção era, afinal, real – se os mais de 2 mil LPs da presidência dos EUA existiam. Ao descobrir que a seleção de fato existia, e se encontrava armazenada e esquecida, Chuldenko rapidamente concluiu que a coleção poderia se tornar até mesmo tema de um documentário: assim ele conseguiu acessar as dezenas de caixas repletas de milhares de discos de vinil do acervo oficial da Casa Branca.

John Chuldenko entre as caixas dos LPs da Casa Branca, com o primeiro disco de Elvis Costello

John Chuldenko entre os LPs da Casa Branca, segurando o primeiro disco de Elvis Costello

-Mapa interativo indica onde estão as lojas de vinil pelo mundo todo

Segundo consta, a coleção foi reunida a partir de duas grandes doações realizadas pela Recording Industry Association of America (RIAA), a associação da Indústria fonográfica dos EUA – na primeira, recebida em 1973, durante a administração Nixon, foram enviados cerca de 1800 discos em uma seleção menos interessante que, apesar de incluir alguns álbuns importantes e recentes à época (como o primeiro do The Doors, alguns discos dos Beatles e Honky Chateau, de Elton John), trazia majoritariamente obras consideradas “água com açúcar”, trabalhos comerciais e desimportantes. A segunda doação, porém, foi realizada a partir de curadoria do grande produtor John Hammond, e revelou-se consideravelmente mais interessante e até mesmo provocativa – incluindo obras que ninguém poderia imaginar que fariam parte da coleção presidencial.

Algumas das caixas "descobertas" por Chuldenko contendo a coleção

Algumas das caixas “descobertas” por Chuldenko contendo a coleção

-O dia em que Willie Nelson e o filho de Jimmy Carter dividiram um baseado no teto da Casa Branca

Além de uma belíssima seleção das maiores obras da história do Jazz, essa segunda metade trazia obras consideradas “de esquerda” ou mesmo “subversivas” – Chuldenko encontrou peças fundamentais do punk na seleção, como o primeiro disco do The Clash e o icônico Never Mind the Bollocks, Here’s the Sex Pistols, dos Sex Pistols, assim como uma coletânea do revolucionário Gil Scott-Heron, um disco do Talking Heads, o clássico Rocket to Russia, dos Ramones, e muito mais. A segunda parcela de discos foi recebida em cerimônia oficial ocorrida em 1981, durante o início do governo Reagan – e nunca mais a seleção foi ampliada ou mesmo utilizada, permanecendo devidamente armazenada, porém esquecida desde então. Como lembrou Chuldenko, a coleção permaneceu parada no tempo, e não possui, portanto, discos do Michael Jackson, da Madonna, do Prince, de Hip Hop, de nenhuma Boy Band nem de qualquer artista dos últimos 40 anos.

Honky Chateau, primeiro disco lançado por Elton John nos EUA, está na coleção

Honky Chateau, primeiro disco lançado por Elton John nos EUA, está na coleção

Honky Chateau, primeiro disco lançado por Elton John nos EUA, está na coleção

Parte dos discos da coleção se encontra devidamente preservado em pastas especiais

-As 50 capas de disco internacionais mais legais da história

Apesar de ter filmado em detalhes a “descoberta” da coleção em 2010, o possível documentário até hoje não foi realizado: os discos foram catalogados, possivelmente serão transformados em um livro, uma extensa playlist, além de possivelmente uma efetiva biblioteca física. A Associação Histórica da Casa Branca, porém, recentemente procurou por Chuldenko, interessada na atualização da biblioteca, bem como na realização de um livro ou mesmo na conclusão do filme – é possível, portanto, que se torne enfim tema de um livro e documentário a incrível coleção de LPs da Casa Branca, que até ontem era considerada pura lenda entre os colecionadores de disco, sempre farejando possíveis acervos abandonados por aí.

Catálogos documentando todos os discos da coleção de LPs da Casa Branca

Catálogos documentando todos os discos da coleção de LPs da Casa Branca

Publicidade

© foto 1: Pixabay

© foto 2: Aric Avelino/whitehousehistory.org

© fotos 3, 4, 5, 6: John Chuldenko/YouTube/reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness