Arte

Agenda Hype: Festival MITA, Caminhada Negra e 26 dicas culturais para a semana

Gabriela Rassy - 11/05/2022 às 14:46 | Atualizada em 13/05/2022 às 13:01

Festivais, shows, lançamentos musicais, as boas do cinema, da literatura, do teatro. A Agenda Hype da semana está de volta com o que você precisa saber para ter uma semana linda e cultural! Um dos destaques é o Festival MITA, que acontece nesta semana em SP, com shows de Gorillaz, Gilberto Gil, Marcelo D2, Liniker, Marina Sena, Luedji Luna, Heavy Baile e muito mais.

Bons shows rolam ainda no Blue Note, que recebe Siba, Metá Metá, Jonathan Ferr e Paula Lima nos próximos dias. No Rio, a cantora Fabiana Cozza apresenta o álbum “Canto da noite na boca do vento”, com repertório todo dedicado a Dona Ivone Lara, no Teatro Rival.

Ainda no clima musical, chegou a hora de atualizar essa playlist com os lançamentos de Criolo, com o álbum “Sobre Viver”, Tim Bernardes, Bárbara Sut, a maravilhosa Marina Melo, entre muitas outras delícias sonoras.

Neste sábado e domingo acontece ainda a Caminhada Negra, com tours em sete cidades contando a história do pós-abolição e marcam aniversário do Guia Negro. Os passeios histórios acontecem em São Paulo, Salvador, Boipeba, Olinda, São Luís e na Pequena África, no Rio.

Nesta semana rola ainda a Festa do Cinema, em salas em São Paulo, Rio e Niterói com sessões de filmes em pré-estreia e ingressos a R$ 20. Destaque para o sul-coreano “Encontros” e para o romeno “Má Sorte no Sexo ou Pornô Acidental”, ambos premiados no Festival de Berlim.

Vem na minha!

#eventos

Festival MITA
Spark Arena – São Paulo
Dias 14 e 15 de maio, das 11h às 22h
A partir de R$ 375
O line-up mescla atrações internacionais e nacionais, reunindo nomes já consagrados do cenário musical com novos que já conquistaram seu público. Os fãs já podem se programar para assistir Rüfüs du Sol, Gorillaz, The Kooks, Two Door Cinema Club, Gilberto Gil, Marcelo D2, Liniker, Jão, Black Alien, Marina Sena, Luedji Luna, Liniker, Xênia França, Heavy Baile, entre outros. Na próxima semana, o MITA ataca no Rio de Janeiro!

Siba, Metá Metá, Jonathan Ferr e Paula Lima
Blue Note SP
11 a 14 de maio
De R$ 45 a R$ 120
Nesta semana, o Blue Note recebe shows super especiais. Na quarta tem Siba 20h e Metá Metá 22h30; sexta tem Jonathan Ferr – Urban Jazz Concert bem chique; e sábado tem a maravilhosa Paula Lima.

BK’
Opinião, em Porto Alegre
12 de maio, quinta-feira, 21h30
A partir de R$ 45 + taxas
Afastado dos palcos desde o início da pandemia, o rapper carioca BK’ utilizou deste período para produzir, experimentando novas sonoridades, resultando no recém lançado EP, Cidade do Pecado (ouça aqui). O trabalho passeia por diferentes inspirações musicais dentro do rap e versa sobre como as metrópoles são soberanas aos indivíduos, ao longo de cinco faixas.

Fabiana Cozza homenageia Dona Ivone Lara
Teatro Rival Refit
Sexta, 13 de maio, às 19h30
R$ 60 a R$ 140
A cantora Fabiana Cozza apresenta o álbum “Canto da noite na boca do vento”, com repertório todo dedicado a Dona Ivone Lara e parceiros como Delcio Carvalho, Nei Lopes, Arlindo Cruz, Paulo César Pinheiro, Hermínio Bello de Carvalho, Mano Décio da Viola, Fuleiro, Tio Hélio, Silas de Oliveira e Bacalhau. A única canção inédita do trabalho intitulada “A dama dourada” foi um pedido de Fabiana ao jovem compositor Vidal Assis que dividiu a parceria com Hermínio Bello de Carvalho, e que assina a apresentação do trabalho. Fabiana vai se apresentar acompanhada pelos músicos Cainã Cavalcante (violão de 7), Douglas Alonso (percussão) e Henrique Araújo (cavaco e bandolim).

Noites Transantes
Galeria Café SP
12 de maio, quinta-feira, às 21h
R$ 30 pelo Sympla
Noites que misturam shows de artistas da cena LGBTQIA + em plena ascensão com um DJ convidado, que finaliza a noite com muita música dançante. Esse é o mote da festa Noites Transantes que estreia em SP nesta semana. Nesta primeira edição, o artista convidado é Rico Ayade, baiano radicado em SP, com um timbre marcante e interpretações únicas. O artista apresenta o show do seu último álbum Rico canta Caetano, que concorreu como melhor álbum de 2021, onde faz releituras modernas e cheias de identidade de canções de Caetano Veloso, em homenagem aos seus 80 anos. O pós-show fica por conta do DJ Ethan.

VHOOR e FBC
Casa Natura Musical
13 de maio, sexta-feira, 21h
R$ 25 a R$ 120
A dupla apresenta show do disco Baile, vulgo um dos melhores álbuns de 2021. A noite também conta com discotecagem do DJ VHOOR e DJ Cost antes e depois do show. O disco Baile se desenvolve como o relato da história de Pagode, pai de família, morador da favela, trabalhador, que frequenta o baile da UFFÉ. O álbum retrata a década de 1990, quando os raps e melôs evidenciavam o cotidiano dos moradores dos subúrbios, abordando temas como a violência e a criminalização de seus jovens.

Caminhada Negra
SP, Salvador e Boipeba – 9h
Olinda e Caminho Ancestral (MA) – 15h
Sábado, 14
Inscrições até 2h antes das saídas pelo site: www.diaspora.black

O 14 de Maio de 1888 é o dia mais longo da história, segundo o professor e consultor em gestão da diversidade Hélio Santos. É o dia depois da abolição da escravatura no Brasil, em que os negros não tinham terra, trabalho, escola e nem para onde ir. O pensamento escravista ainda estava encrustado na sociedade e gera impactos até hoje com o racismo estrutural. Para marcar as lutas pela liberdade do povo negro e lembrar das histórias apagadas e pouco valorizadas, a plataforma de afroturismo vai realizar tours por seis cidades brasileiras neste fim de semana.

#música

Criolo | Sobre Viver
O cantor e compositor apresenta novo álbum, destrinchando as injustiças e desigualdades sociais. “O novo álbum vem tão cheio de sentimentos desses últimos 4 anos e mais recentes encontros, com novas estéticas que ainda não tinha trabalhado. O show está em construção com muito amor e afeto, só assim pra transformar a raiva, o ódio e dor que tentam não ir embora e me visitam toda hora em um show com ancestralidade e entrega dos mais puros sentimentos de vida”, disse o comunicado do lançamento.

Tim Bernardes | Nascer, Viver, Morrer
Cinco anos após Tim Bernardes apresentar o seu primeiro disco-solo, Recomeçar, é possível entender a importância que esse trabalho tem para a música popular brasileira. Seja pela maneira como o sentimento foi apresentado naquela ocasião, ou pelo conceito e pelos seus arranjos, o álbum foi responsável por capturar a atenção para o cantor e compositor paulistano. Indicado ao Grammy Latino, o trabalho consolidou o nome de Tim Bernardes no meio, além ter possibilitado que ele transitasse entre a MPB e o indie com frequência e naturalidade.

Marina Melo | Loukkk
Marina Melo se une à Nana Rizzini e lança primeiro single do EP “Canções de Amor Para Itens Descartáveis”. “Loukkk”, originalmente presente no álbum “Estamos Aqui”, recebe uma nova roupagem a partir de um remix feito entre São Paulo e Londres. A canção se debruça numa abordagem surpreendente do amor, trazendo uma relação tóxica com… Um celular. Uma música sobre esses tempos tecnológicos e nossas dependências virtuais.

Paulo Fraval | Ilás de Oxalá
O cantor e compositor Paulo Fraval divulga esta semana seu mais novo single-clipe, “Ilás de Oxalá”. A produção, assinada pela Voo Audiovisual (Salvador-BA), revela Fraval e outras personagens entoando uma oração potente e poética, fortalecendo esta narrativa com cenas em meio à natureza e também no terreiro de Mãe Alana, no quilombo urbano do Calabar, na capital baiana. O lançamento de “Ilás de Oxalá” marca também o lançamento de uma campanha de financiamento coletivo para a construção da Casa Dandara Amazí, espaço vital de acolhimento e cuidado de jovens LGBTQIA+ que estão em situação de rua e vulnerabilidade por conta de suas identidades ou orientações sexuais em Salvador.

Vitrola Sintética feat. Paulo Miklos | Voz e Delírio
Depois de uma sequência de singles em 2022 (Lamento Urbano, com Josyara e Egressar com Roberto Mendes), a banda Vitrola Sintética lança o último single, Voz e Delírio, que antecede seu novo álbum. Em uma interpretação propositalmente cansada, Vitrola Sintética e Paulo Miklos elaboram uma espécie de blues setentista virada pro rock brasileiro que muito retrata nossa sociedade do cansaço.

A Transe | Chorey
O duo capixaba de indie-pop e música brasileira contemporânea completa o ciclo de seu EP visual. Tendo já apresentado ao público a hipnótica faixa-título, com participação da dupla Borabaez, e o single Taróloga Pessimista com Sintomas de Ansiedade, a dupla estreia “Pela Cidade”, terceiro single-clipe que fecha a trilogia.

Agenor, Agostinho e Léo | Malinar
O caldeirão sonoro e dançante de Agenor, Agostinho e Léo está de volta com o single “Malinar”, uma faixa que convida a superar um dia ruim com muito chamego na pista. Formado por veteranos do indie amazonense, o projeto manauara faz uma valorização festiva e cheia de orgulho de suas raízes, indo do rock ao pop, do carimbó ao dancehall.

Bárbara Sut | Calor
A cantora, atriz e compositora carioca lança seu primeiro álbum autoral. O disco traz 10 faixas que bebem de gêneros populares brasileiros como o samba, o jongo, o forró, o ijexá, mas também de influências internacionais do jazz, da chanson francesa e até do candombe, tradicional ritmo afro uruguaio, que dá o tom da pulsante primeira faixa de trabalho, “9 de Espadas”, composta em parceria com Jonas Hocherman, que assina os arranjos do disco, além da produção musical, em parceria com Bárbara.

Maya Neves | Se Me Der Teu Coração
Maya tinha só três anos de idade quando começou a sonhar em ser cantora. De lá para cá fez aulas de canto e teclado e finalmente se sentiu à vontade para lançar “Se Me Der Teu Coração”, música que adianta o EP “M” previsto para sair ainda no primeiro semestre deste ano. A canção é inspirada na namorada, que trouxe um novo modo de ver a vida para Maya.

#cinema

Festa no Cinema
Cine Petra Belas Artes, Espaço Itaú Augusta e o Reserva Cultural (SP); Estação NET Botafogo e o Reserva Cultural Niterói (RJ)
12 e 18 de maio
R$ 10 e R$ 20
Alguns dos principais circuitos independentes de São Paulo, Rio de Janeiro e Niterói se uniram para oferecer ao público que ama o cinema ingressos de baixo custo durante uma semana especial. A ideia é trazer todos de volta às salas, que resistem e se renovam, proporcionando tantos momentos de alegria para as cidades. Vai rolar programação conjunta de sete filmes inéditos no circuito comercial em sessões de pré-estreia, como “Encontros” (Pandora FIlmes), do cultuado diretor sul coreano Hong Sang-soo e estrelado por sua musa Kim Min Hee; e o romeno “Má Sorte no Sexo ou Pornô Acidental” (Imovision), de Radu Jude, ambos premiados no Festival de Berlim.

Dona Jacira – o legado
O significado mais comum da palavra “legado” diz respeito “aquilo que se passa de uma geração para a outra, que se transmite à posteridade”.Seria correto afirmar que o documentário usa da potência da oralidade, das suas vivências e das suas “escrevivências” para fazer um convite à reflexão sobre a trajetória de vida dela. E acaba sendo ainda um convite para um olhar mais profundo e sensível às consequências das desumanizações provocadas pela exploração dos corpos africanos e de seus descendentes – trazidos forçadamente da África durante a escravidão – e da tentativa de extinção e do apagamento da contribuição do negro na história do Brasil. Por meio das suas descobertas, amplifica o sentido de legado, ancestralidade e resistência e sugere ensinamentos sobre a vida.

#visuais

Wira’U’Haw
Galeria Gabriel Wickbold, em São Paulo
De 6 de maio a 5 de junho
De segunda a sexta-feira, das 10 às 18h. 
Grátis
Exposição parte do registro de um ritual ancestral do povo Guajajara que registra a Festa da Menina-Moça, um importante ritual de passagem na cultura desse povo e pontua o momento em que as meninas se transformam em mulheres aos olhos de sua comunidade. Quinze fotos coloridas compõem a mostra do documentarista francês Maxence Loyer que, apaixonado pela cultura Guajajara e vivenciando os reais problemas locais, registrou uma cerimônia de conscientização e conexão do corpo humano com as energias da natureza. As meninas-moças, trajando saias longas, ostentam adereços nos quais se destaca a cor vermelha – uma alusão aos pássaros da mata. Os olhares dos demais participantes, todos voltados às meninas-moças, contrastam com os olhos delas, parcialmente cobertos por ornamentos.

Cartas ao Mundo
Sesc Avenida Paulista
2 de abril a 29 de maio
Terça a sexta, das 12h às 21h
Sábados e domingos, das 10h às 18h30
Exibição dos filmes: Terça a sexta, às 19h30.
Sábados, domingos e feriados, às 11h30, 14h30 e 17h30
Grátis
Um manifesto. Um grito. Uma necessidade urgente de (re)pensar o mundo atual com os olhos – cabeça e coração – de Glauber Rocha. A mostra criada por Bia Lessa nasce calcada na obra de Glauber Rocha e no contraste entre distopia e utopia, doença e cura, modifica-se aos olhos dos visitantes, com performances e suportes singulares, transformando-se a cada hora e criando diferentes ambientes para cada um dos segmentos videográficos. Performances sequenciais, realizadas por uma dezena de artistas, vão preenchendo, assim, os universos dos filmes “Asfixia”, “Mercadoria” e “O Comum”. Assim como a experiência de uma miríade de obras de 80 artistas, reunidas com a contribuição especial de Vitor Garcez, Flora Süssekind, Ailton Krenak e Guilherme Wisnik.

Ocupação Expedycto Lyma
Galeria Olido SP
Até 31 de julho
Grátis
Uma homenagem ao octogenário Expedito Lima: artista circense, ator, produtor, cineasta e criador do Circo Theatro do Alemão, que percorreu o Interior de São Paulo na virada dos anos 1970 contando causos de amor e traição, de mocinho e bandido. E uma curiosidade, o cineasta com mais longas em super-8 do país, que eram exibidos em seu ‘pavilhão cinematográfico’, com o qual circulava pelas zonas rurais do Interior. A programação que inclui uma exposição, a leitura dramática de peças escritas por Expedito Lima e a primeira exibição das cópias restauradas de seus longas.

#cênicas

Cura | Cia. Deborah Colker
Teatro Sérgio Cardoso – Sala Nydia Lícia
13 a 29 de maio de 2022. Quarta a sábado, 20h30. Domingo, 17h
R$ 25 a R$ 120
Deborah Colker dedicou seu tempo, nos últimos anos, a buscar uma cura. No caso, uma solução para a doença genética que seu neto tem, a epidermólise bolhosa. Dessa angústia pessoal nasceu o novo trabalho da Cia. Deborah Colker, um espetáculo que vai muito além do aspecto autobiográfico. Cura trata de ciência, fé, da luta para superar e aceitar nossos limites, do enfrentamento da discriminação e do preconceito. A dramaturgia é do rabino Nilton Bonder e a trilha original é de Carlinhos Brown.

Cura, espetáculo da Cia. Deborah Colker

Cura, espetáculo mais recente da Cia. Deborah Colker, faz temporada no Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo

Cia de Ballet Dalal Achcar
Theatro Municipal de Niterói
Dias 13 e 14 de maio
Sexta, às 20h, sábado, às 19h
A partir de R$ 20
A convite de Dalal Achcar, Alex Neoral será o responsável pela coreografia de “Tal Vez”, especialmente criada para a Cia de Ballet Dalal Achcar. O espetáculo, com produção da Aventura, é composto por uma cia de ballet extremamente preparada, com 18 excelentes bailarinos de ponta e reúne a nata da dança jovem no Rio de Janeiro, treinados pelo maitre de ballet e coreógrafo Eric Frederic. O público verá, em um ato, uma produção inédita com dança contemporânea e técnica clássica, sobre a trilha sonora especialmente selecionada por Neoral, que traz a tona memórias afetivas – lembranças, ambiências, arrepios, dramas e acolhimento – inspiradas por canções universais e inesquecíveis que embalam romantismo e bom humor.

#literatura

tempo sem cruz, de Flora Miguel
Editora Primata
Sempre que um novo autor se lança à poesia, entusiastas do gênero esperam ser levados a uma jornada provocadora, àquele tipo de sentimento complexo que a poesia induz e que mais do que nos distrair das durezas da vida, expande a mente e a sensibilidade para (re)significá-las. É isso que propõe a jornalista Flora Miguel em seu livro de estreia “tempo sem cruz” (Editora Primata, 2022). Num percurso entre a memória e o futuro, o livro mostra que questões cruciais à sociedade contemporânea podem ser apresentadas à sombra da normalidade: que comem aqueles meninos que a gente vê lá de longe carregando bandejas de peixes na praia?.

Miriam Alves plural: teoria, ensaios críticos e depoimentos
Editora Fósforo
Em 1978, no Teatro Municipal em São Paulo, surgiu o Movimento Negro Unificado (mnu), data em que o pensamento coletivo acerca da escrita de autoria negra começou a se formar, conectando escritores em um corpo cultural a um só tempo diverso e coeso. Embora já escrevesse desde a infância, é a partir desse movimento que Miriam Alves passa a elaborar as vivências e subjetividades negras brasileiras e a traduzi-las em seu fazer literário, cuja grandeza não foi devidamente medida pelo racismo estrutural que ainda hoje é motivo de combate na literatura e na sociedade.

#podcast

Prosa em Dança
No dia 13 de maio, o Coletivo Emaranhado (Vitória/ES), estreia a segunda temporada do podcast “Prosa em Dança: um registro da dança capixaba”. Lançado no ano de 2021, o Prosa em Dança convida artistas capixabas da dança para contar a sua trajetória em nosso território. Nesta edição foram convidados quatro artistas: Elídio Netto, Lalau Martins, Marina Zanchetta e Mitzi Marzzuti, profissionais que atuam em distintas áreas da dança no Espírito Santo há mais de 30 anos.

Ouça a primeira temporada: https://pods.link/br/i/1568779852

#gastronomia

Câmara Fria – Degustação de chopp
No andar de cima do Original, o Câmara Fria, especializado em chope, tem sempre uma novidade em suas torneiras. O bar de Moema já recebeu diversas cervejarias convidadas e desde 2019 oferece sua bebida de rótulo próprio com coautoria de parceiros que mudam de tempos em tempos. Em abril, pensando em quem quer conhecer a tap list da semana e sentir as diferenças de aromas e sabores que cada estilo oferecido apresenta, a casa lança sua “régua de degustação”. Entre as dez opções de chope da carta, incluindo o Chopp CF – no momento um Blondine Witbier com laranja –, o visitante pode escolher cinco, que, tirados com perfeição, chegam à mesa ou ao balcão em copos de 100ml. A régua sai por R$ 45. Para embalar a experiência, o Câmara Fria tem boas pizzas com massa da Bráz em tamanho “brotinho” que são assadas dentro do salão e chegam em quatro diferentes coberturas, além da Coxinha da Hora, que sobe do Original, pastéis, sanduíche e outros.

 

Publicidade

Fotos destaque:
Liniker por Carolina Lima
Gilberto Gil/Divulgação Festival MITA
Marina Sena/Fernando Thomaz


Gabriela Rassy
Jornalista enraizada na cultura, caçadora de arte e badalação nas capitais ensolaradas desse Brasil, entusiasta da cena musical noturna e fervida por natureza.

Canais Especiais Hypeness