Debate

Anabelle: a história da boneca demoníaca retirada pela primeira vez de caixa protetora recentemente nos EUA

Vitor Paiva - 02/05/2022 às 10:15 | Atualizada em 04/05/2022 às 10:18

A boneca assombrada Annabelle foi recentemente retirada pela primeira vez da caixa de vidro “protetora” em que se encontrava desde que foi capturada pelo casal de investigadores paranormais Ed e Lorraine Warren, no final dos anos 1960. Sim, tanto a boneca quanto os investigadores dos filmes da franquia Invocação do Mal existem na vida real, e o brinquedo supostamente possuído foi recentemente movido do recipiente lacrado no Museu Oculto dos Warren em Monroe, Connecticut, nos EUA, onde ficava desde sua “captura” pelo casal – Annabelle foi recolocada em outra caixa, para uma exposição que ocorrerá em outubro, durante o tradicional feriado de Halloween no país.

Annabelle, a mais famosa boneca "possuída" da vida real, "selada" na caixa no museu

Annabelle, a mais famosa boneca “possuída” da vida real, “selada” na caixa no museu

-A varanda das bonecas, no centro de Caracas, mais parece saída de um filme de terror

Diferentemente do filme, porém, no qual a boneca “possuída” é retratada com feições demoníacas em uma face de porcelana e um grande corpo, a Annabelle da realidade é uma típica boneca de pano do tipo Raggedy Ann, bastante popular nos EUA, com cabelo vermelho e um triângulo desenhado como nariz. A lenda conta que originalmente a boneca amaldiçoada pertencia a uma estudante de enfermagem que, em 1970, começou a notar um estranho “comportamento” por parte do brinquedo, que não só se movia sozinha como escrevia mensagens assustadoras e pedidos de socorro: um paranormal então “diagnosticou” que a boneca estava possuída pelo espírito de uma garota falecida – chamada Annabelle.

O casal de investigadores paranormais Lorraine e Ed Warren

O casal de investigadores paranormais Lorraine e Ed Warren

-6 filmes que apavoraram quem cresceu nos anos 90

O caso da boneca foi o primeiro investigado por Ed e Lorraine Warren a se tornar conhecido pelo grande público: o casal se tornaria mundialmente famoso como um dupla de investigadores paranormais, demonólogos, e autores, relatando em livros os casos de assombração que enfrentavam desde 1952. Espécie de caça-fantasmas da vida real, suas histórias serviriam de inspiração para a bilionária franquia A Invocação do Mal nos cinemas, onde o casal também é retratado como personagens nos filmes – assim como Annabelle. Após serem convocados pela estudante de enfermagem, Ed e Loraine trancaram a boneca em uma caixa de vidro, selada com orações e rituais especiais, e desde então mantida no museu.

Lorraine carregando a boneca, à esquerda e, à direita, detalhe da caixa

Lorraine carregando a boneca, à esquerda e, à direita, detalhe da caixa

A versão cinematográfica de Annabelle, na franquia de filmes "A Invocação do Mal"

A versão cinematográfica de Annabelle, na franquia de filmes “A Invocação do Mal”

-Por que a maioria das bonecas é do sexo feminino?

Sobre a caixa original, uma placa orienta que ninguém abra o recipiente: segundo relatos, Lorraine antes de morrer teria pedido expressamente que a boneca fosse mantida trancada para sempre – ainda segundo a lenda, todos que desrespeitaram a orientação morreram ou sofreram graves acidentes pouco tempo depois. A remoção recente foi realizada por Tony Spera, genro dos Warren, que trabalha no museu: segundo Spera, apesar de contrariar as orientações dos investigadores, o processo foi realizado com orações e mãos molhadas em água benta para tocar na boneca. A atitude, porém, foi alvo de críticas na internet, não somente por temores sobrenaturais, mas também por ter violado a caixa original, selada pela famosa dupla paranormal.

O casal, diante da boneca, com o sinal avisando que a caixa não podia ser aberta

O casal, diante da boneca, com o sinal avisando que a caixa não podia ser aberta

Publicidade

© fotos 1, 3, 4, 5: Museu Oculto dos Warren/reprodução

© foto 2: Getty Images


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness