Arte

Privilégio branco? Jade Picon vira atriz de novela da Globo, mas estrelas de ‘Cidade de Deus’ são relegadas ao ostracismo

Redação Hypeness - 10/05/2022 às 17:48 | Atualizada em 13/05/2022 às 10:43

O jornal Extra revelou que a influenciadora Jade Picon, que participou do ‘BBB 22’, conquistou um papel de protagonista na próxima novela das 20h da TV Globo.

A influenciadora digital, que conta com mais de 20 milhões de seguidores no Instagram, é a primeira participante da última edição do reality a garantir um lugar de protagonismo dentro da emissora sediada no Rio de Janeiro.

Jade Picon ganhará papel de destaque em novela da Globo; atores formados sofrem com invisibilidade no audiovisual

A escolha da Globo e dos produtores da novela “Travessia”, assinada por Glória Peres, autora de sucessos como “O Clone”, foi alvo de críticas no Twitter. Como Jade, uma jovem sem experiência ou educação na área da dramaturgia pode conquistar um papel tão grande dessa forma?

A comparação relembra que outros atores e atrizes – como Maria, Lina Pereira e Douglas Silva – com devidas experiências e estudos na área ainda não foram confirmados em produções da Globo.

Cidade de Deus – 20 anos depois

O filme “Cidade de Deus” celebra 20 anos de seu lançamento em 2022. A obra, considerada um dos maiores longas brasileiros da história, marcou época por conta de seu elenco icônico.

Entre os grandes nomes que participaram do cast da película estão Seu Jorge, Douglas Silva, Leandro Firmino, Roberta Rodrigues e Alice Braga.

O filme de Fernando Meirelles contou com atores que foram formados na ONG Nós do Morro. Mas como a sociedade brasileira premiou seu último filme indicado ao Oscar?

Douglas Silva teve atuação magistral em ‘Cidade de Deus’ e depois ganhou Emmy, prêmio que poucos brasileiros possuem

Da dezena de atores que brilharam no filme que dominou o cinema nacional e as salas internacionais, são poucos aqueles que ganharam a repercussão à altura de seu talento.

“‘Cidade de Deus’ foi um filme que formou pelo menos uns 200 atores negros. A grande dificuldade depois deste processo foi encontrar filme para todo mundo. Talvez as pessoas não imaginassem o potencial que aquela criançada tinha”, disse Seu Jorge, que estreou nas telonas há 20 anos atrás, em entrevista ao programa “Em Casa Com Babu”.

Esse tema acabou tendo grande repercussão quando Alexandre Rodrigues, que interpretou Buscapé no longa, foi flagrado por uma jovem dirigindo Uber. O ator, que protagonizou como o personagem central Buscapé, só encontrava pequenos trabalhos na televisão e no cinema. A alternativa para complementar a renda foi trabalhar como motorista de aplicativo.

Alexandre Rodrigues teve que dirigir Uber para complementar renda; ele estrelou maior filme nacional desde a redemocratização

Leandro Firmino, que ficou conhecido por sua brilhante interpretação de Zé Pequeno, segue se equilibrando na corda bamba do negro no audiovisual. Por um lado, seus papéis acabaram sendo relegados ao crime, ao tráfico e às armas. De outro, recusar muitos desses papéis significaria o desemprego.

“Ainda estamos meio que engatinhando, ainda não conseguimos alcançar o que se espera. Por exemplo, em uma produção de tv ou série de novela, que seja, você vai ver dois ou três atores negros, em um elenco onde a maioria são brancos”, afirma Leandro ao site “Qual Perfil”.

“O problema é que a atriz e o ator negro sempre é chamado para fazer um estereótipo -ou é o malandro, bandido, ou a mulher negra é a empregada doméstica. Nós precisamos, na verdade, ter produções de filme, séries e novelas que tenham negros em papéis de destaque”, explica.

Confira o trailer de ‘Cidade de Deus – Dez Anos Depois’:

O problema não é Jade Picon

Douglas Silva e Babu Santana possuem várias correlações em suas trajetórias. Ambos fizeram parte de “Cidade de Deus”. Ambos foram diversas vezes premiados por suas atuações – Douglas  foi o primeiro brasileiro indicado a um “Emmy” por “Cidade dos Homens” e Babu levou o “Grande Prêmio do Cinema Brasileiro” de Melhor Ator por “Tim Maia”. Ah é, ambos são negros.

Ambos estavam em um momento de estagnação e apagamento em suas carreiras artísticas antes de entrar para o “Big Brother Brasil”. Babu já conseguiu acelerar sua carreira depois do reality e Douglas também irá. Mas será esse o único caminho possível para atores não-brancos para reconquistar suas carreiras.

Babu Santana reabilitou carreira no audiovisual após ‘Big Brother’; reality acaba sendo trampolim para fuga do esquecimento causado pelo racismo estrutural

Durante sua participação no reality, Babu sofreu pensando em sua carreira. Antes de conhecer sua fama do lado de fora do reality, ele confessou ter tido depressão depois de conhecer o ostracismo. “Eu hoje não tenho nada. Minha depressão vem disso. Não fiz nada. Eu não cuidei”, disse em conversa com Manu Gavassi.

“Raramente eu consigo um convite para um evento que eu quero ir, só com muita sorte ou comprando”, desabafou, comentando o racismo dentro da indústria. “Tem festivais que eu gostaria de ir muito e só vou quando tem um filme [em que ele esteja atuando]. E você vê que a galera se articula e tá sempre lá”, completou a reflexão.

E não é só Babu que questiona o lugar da diversidade na televisão. Johnathan Azevedo relembrou por diversas vezes seu desejo de se tornar um verdadeiro galã e sua dificuldade em aceitar projetos para viver os papéis de sempre para o negro na TV.

“Meu galã ainda não pintou o convite… Mas continuo em busca, trabalhando cada vez mais. Em busca do meu espaço. Não só o meu. Mas dos outros que estão por vir. Tô aguardando, trabalhando e sei que ele está perto. Na verdade, ele está dentro de mim, só falta ser usufruído”, afirmou o ator ao Extra.

Após ganhar um programa de auditória que foi duramente criticado pelos especialistas, Rafa Kalliman será atriz em trama da Globo exclusiva para o streaming

Em agosto de 2020, a atriz Dani Suzuki relatou ter perdido seu papel na novela ‘Sol Nascente’ para Giovanna Antonelli, que, pasmem, interpretou uma mulher de ascendência japonesa. A brasileira de ascendência asiática é mais uma profissional da arte não-branca vitimada pelo racismo estrutural.

Quantos galãs negros estão na TV? Quantas mulheres negras ganham o papel de mocinha no audiovisual brasileiro? Em um país com mais de 50% de sua população negra, por que há tão pouca representatividade na televisão?

Jade Picon, Rafa Kalliman e as futuras ex-‘BBBs’ brancas que inevitavelmente ganharão espaço na TV não são um problema individual. Mas as pessoas que escolhem assinar seus contratos são.

Não podemos nos esquecer que, nesse ano, a Globo teve de demitir um de seus diretores por racismo no set da novela “Nos Tempos do Imperador”. O afastamento de Vinícius Coimbra só ocorreu depois que a denúncia foi vazada para a imprensa. Entre as atrizes responsáveis pelas denúncias estava Roberta Rodrigues, outra egressa do “Nós do Morro” e de “Cidade de Deus”. A emissora carioca diz não comentar o motivo de suas demissões.

O problema está muito além do “BBB”, muito além de Jade Picon e muito além da qualidade de todos os nomes aqui citados. O racismo é estrutural na nossa sociedade, mas mostra uma de suas faces mais cruéis dentro dos impérios da mídia no Brasil. E valorizar o audiovisual preto é importante. Por isso, leia:

– ‘Doutor Gama’: filme conta a história do abolicionista negro Luiz Gama; veja trailer

– ‘Medida Provisória’: filme de Lázaro Ramos estrelado por Taís Araújo é 2ª maior estreia nacional de 2022

– Filmes com protagonismo preto que você precisa conhecer hoje

Publicidade

Fotos: Foto 1, 3, 4, 5: Reprodução/Instagram Foto 2: © Getty Images Fotos Destaques: Montagem/Reprodução/Instagram/Divulgação


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Canais Especiais Hypeness