Inspiração

Quando pensar em desistir do seu lado artístico, lembre-se: Vovó Moses começou a pintar aos 78 anos

Roanna Azevedo - 05/05/2022 às 10:11 | Atualizada em 09/05/2022 às 19:38

Nunca é tarde para começar. Disso, Vovó Moses sabe bastante. Apesar de amar fazer arte desde criança, ela só se tornou pintora por prazer e profissão aos 78 anos. Mas começar em uma idade avançada não impediu que ela demorasse a ter uma carreira bem-sucedida, se transformando em exemplo e inspiração.

7 produtos perfeitos para incluir a pintura na sua rotina e desenvolver dons artísticos

Anne Mary Robertson Moses sempre foi apaixonada por arte, mas só se tornou pintora aos 78 anos.

Anne Mary Robertson Moses nasceu em 1860 na cidade de Greenwich, Nova York. Filha de um agricultor, ela foi criada com quatro irmãs e cinco irmãos. As aulas de arte que tinha na escola despertaram seu lado artístico. Quando criança, ela costumava usar limão, suco de uva, ocre moído, cal, pasta de farinha, grama e serragem para fazer as cores com as quais pintava.

Banksy hackeia pintura com alerta climático e agora ela vale 6,3 milhões de dólares

Aos 12 anos, Moses começou a trabalhar como empregada doméstica. Um de seus empregadores percebeu que a menina gostava muito de suas gravuras de Currier e Ives, e, por isso, decidiu presenteá-la com materiais de desenho. Anos depois, quando já era adulta e casada, se mudou com o marido para a Virgínia, onde conseguiu emprego em uma fazenda. Em 1905, retornaram a Nova York. Os dois tiveram dez filhos, mas apenas metade sobreviveu à infância.

“Sugaring Off”, de 1955. Foi vendida por US$ 1,2 milhão em 2006.

Quando completou 76 anos, Moses descobriu que estava com artrite, o que comprometeu os bordados que gostava de fazer. Foi Celestia, uma de suas irmãs, que sugeriu que ela substituísse a atividade pela pintura. A ideia se tornou a manifestação de um sonho de infância. A artista ficou conhecida por retratar paisagens da vida rural da Nova Inglaterra.

Janela Indiscreta: a influência das pinturas de Edward Hopper sobre a obra de Hitchcock

No início, Moses costumava copiar imagens já existentes ou criar composições simplificadas. Ela também cobrava de US$ 3,00 a US$ 5,00 por pintura. Conforme o tempo passava e sua carreira desabrochava, começou a pintar cenas mais complexas e panorâmicas. Os preços também aumentaram: agora, suas obras era vendidas por até US$ 10,000.

Moses foi homenageada com dois doutorados honorários.

Moses teve suas obras expostas pela primeira vez em 1939, como parte da mostra “Contemporary Unknown American Painters” do Museu de Arte Moderna de Nova York. Um ano depois, foi a vez de expor sozinhas suas pinturas na Galerie St. Etienne de Otto Kallir. Pouco tempo depois, os quadros da artista começaram a ser exibidos nos Estados Unidos inteiro e na Europa.

Esta carta de amor escrita em 1913 se transforma em galeria de arte

Além de exposições de arte, as obras de Moses também eram usadas em cartões para divulgar feriados, como Ação de Graças, Natal e Dia das Mães. Muitas delas também ilustravam embalagens de batom, cigarros, café e câmeras. Ela também recebeu dois doutorados honorários. O primeiro foi oferecido pelo Russell Sage College, em 1949. Já o segundo foi uma atribuição do Moore College of Art and Design, em 1951.

“Thunderstorm”, de 1948.

Ainda em 1950, Moses foi citada pela National Press Club como uma das cinco mulheres mais dignas de notícias e eleita a Mulher do Ano de 1951 pela National Association of House Dress Manufacturers. Por volta do mesmo ano, ganhou um documentário sobre sua vida, dirigido por Jerome Hill e indicado ao Oscar. Em 1952, finalmente publicou My Life’s History, sua autobiografia.

Frida Kahlo: livro reúne pela 1ª vez obras completas da artista com pinturas raras e inéditas

Vovó Moses faleceu aos 101 anos no dia 13 de dezembro de 1961, em Nova York. A maior parte de suas obras está exposta no Museu Bennington, que no passado foi sua antiga escola, em Vermont.

Vovó Moses faleceu aos 101 anos de idade.

Publicidade

Foto 1: Reprodução/Messy Nessy

Foto 2: Reprodução/wahooart

Foto 3: Bettmann/GettyImages

Foto 4: Reprodução/Bennington Museum

Foto 5: PhotoQuest/Getty Images


Roanna Azevedo
Diretamente da zona norte do Rio, é jornalista por profissão e curiosa por conta própria. Ama escrever sobre cinema e o universo do entretenimento há mais de dois anos. Tem paixão por tudo que envolve cultura, música, arte e comportamento, além de ficar sempre ligada no que rola no mundinho da comunicação nas redes sociais.

Canais Especiais Hypeness