Diversidade

Repórter da BBC descobre que família enriqueceu com tráfico de escravizados

25 • 05 • 2022 às 10:05
Atualizada em 25 • 05 • 2022 às 10:40
Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

A repórter Laura Trevelyan, da BBC News, confrontou-se em 2013 com uma dura realidade sobre a história de sua família: ela descobriu que, entre os séculos XVIII e XIX, seus antepassados enriqueceram explorando o tráfico e o trabalho de pessoas escravizadas.

A confirmação surgiu quando vieram a público os registros e documentos da Comissão da Escravatura do Reino Unido, revelando os nomes dos 46 mil senhores de escravos que receberam indenizações do governo britânico quando o país aboliu a escravidão, em 1833: em meio aos registros, constava o nome de sua família.

Laura Trevelyan, reporter da BBC News, explorou a própria história de família na reportagem

Laura Trevelyan, reporter da BBC News, explorou a própria história de família na reportagem

-Príncipe William é cobrado por passado escravocrata do Reino Unido em viagem desastrosa ao Caribe

A jornalista dividiu seu processo de encontro com o passado sombrio de sua família em reportagem da BBC, para a qual Laura viajou até a ilha de Granada, no Caribe, onde se localizam as fazendas de cana-de-açúcar nas quais seus antepassados exploravam o trabalho de pessoas escravizadas.

Segundo a reportagem, a família Trevelyan recebeu à época, pela perda de sua propriedade na ilha, indenização de 34 mil libras, equivalentes a cerca de 3 milhões de libras atuais – ou 18,9 milhões de reais.

Vista aérea de Saint George's, capital de Granada

Vista aérea de Saint George’s, capital de Granada

-Mas será o Benedito? Quem foi Benedito Meia-Légua, terror dos escravagistas anos antes da abolição

O absurdo pagamento de indenizações aos senhores de escravos e não às pessoas escravizadas custou aos cofres britânicos cerca de 20 milhões de libras, equivalentes a 1,7 bilhão de libras ou 10,7 bilhões de reais atuais – equivalentes a 40% de todo o orçamento do governo do Reino Unido no período.

Segundo seu relato, Laura partiu na investigação de sua ancestralidade principalmente após o assassinato de George Floyd pela polícia dos EUA, e os intensos debates que o brutal crime racista incitou em todo o mundo.

Registro do porto de Saint George's em 1776

Registro do porto de Saint George’s em 1776

-HBO retira ‘…E o Vento Levou’ de sua plataforma após movimentos contra o racismo

Na viagem, a jornalista não somente visitou a fazenda que era de sua família, como encontrou uma pessoa descendente direta de trabalhadores que foram escravizados no local – além de pesquisar registros, documentos, e até mesmo instrumentos de prisão e tortura utilizados contra as pessoas em Granada.

Os imensos e pesados impactos negativos do sistema escravocrata sobre o país também são apontados na matéria – afetando desde a educação e a riqueza do país, até a saúde e a alimentação das populações da ilha hoje em dia.

Sir John Trevelyan ao lado de sua esposa Louisa Simon - a família da reporter tinha mil escravos em Granada

Sir John Trevelyan ao lado de sua esposa Louisa Simon – a família tinha mil escravos em Granada

-O sadismo do latifundiário tido como o maior torturador de escravizados do Brasil

Dessa forma, naturalmente o assunto de possíveis compensações por parte das famílias e das nações para os países e as populações exploradas, sequestradas e escravizadas também é debatido no relato – que aponta até mesmo para a responsabilidade da família real britânica no processo.

O texto lembra que a Inglaterra jamais pediu perdão oficial, nem ressarciu nações ou famílias afetadas pelo sistema escravocrata.

Granada foi um dos grandes produtores de cana de açúcar - com trabalho escravo - no período

Granada foi um dos grandes produtores de cana de açúcar – com trabalho escravo – no período

-Mulher que manteve idosa em situação análoga à escravidão sabia o que estava fazendo

“É importante reconhecer que foi cometido um crime”, afirma Nicole Phillip-Dowe, da Universidade das Índias Ocidentais, entrevistada na matéria. “E, depois do pedido de desculpas, é simplesmente razoável que as potências coloniais que construíram sua revolução industrial com base na escravidão devolvam algo ao Caribe”, conclui, reiterando paradigma que também serve para o Brasil e as tantas famílias afetadas pelo sistema escravocrata por aqui.

A reportagem “’Entendi privilégio branco ao descobrir passado de minha família durante escravidão’”, assinada por Laura Trevelya para a BBC News, pode ser lida aqui.

Publicidade

© foto 1: David Levenson/Getty Images

© fotos 2, 3, 5: Wikimedia Commons

© foto 4: National Trust/Wikimedia Commons


Canais Especiais Hypeness