Arte

Símbolos ativistas e muita irreverência dão o tom das esculturas de cabelo de Laetitia Ky

19 • 05 • 2022 às 10:18
Atualizada em 23 • 05 • 2022 às 10:17
Redação Hypeness
Redação Hypeness Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Laetitia Ky faz esculturas de cabelo com simbologia ativista – ainda que a palavra “escultura” não transmita precisamente o quão dinâmica é sua arte. Suas peças são momentos, cenas, depoimentos, emoções, renderizadas em cabelos afro. Ela mesma, uma mulher negra africana, é a peça central de sua arte. Suas esculturas não podem ser expostas, sem compradas ou falsificadas. Cada pedaço está em sua cabeça, para cima e ao redor dela, um crescimento de bobinas e cachos que ela torce em formas que parecem insondáveis.

Nascida na Costa do Marfim, sem muita representatividade, Laetitia Ky começou cortando os fios sedosos e retos de suas cabeças de boneca Barbie e costurando meticulosamente extensões encaracoladas quando criança.

No livro “Amor e Justiça”, as esculturas imponentes de Ky são incorporadas a aspectos da vida cotidiana. Ela se baseia na força e durabilidade da textura do cabelo preto para tecer instrumentos tradicionais, a selvageria da vida e corpos em movimento em retratos interativos que capturam a beleza como campo de batalha.

—Representatividade negra na comunicação é tema de debate no ‘Prosa’. Apenas isso basta?

Cada imagem que compõe sua coleção de 200 páginas publicada pela Princeton Architectural Press faz uma declaração. Ky explora as raízes deste trabalho através da forma criativa e design de penteados tradicionais africanos pré-colonial.

Ela usa símbolos em suas esculturas para responder às lutas atuais, como uma balança de justiça equilibrando ícones de gênero em ambos os lados, um útero com trompas de falópio que se transformam em dedos médios ou estrias no corpo de uma mulher.

Em seu capítulo de amor-próprio, as imagens de Ky exploram as alegrias do autoconhecimento com atos como tocar um violão feito de cabelo, brindar uma taça de vinho trançada ou envolver o pescoço com uma mão em tamanho real que oferece o perfume de uma flor .

Acompanhe o trabalho da artista também pelo Instagram.

—Preto À Porter: 1ª série brasileira 100% preta fala sobre religião, miscigenação e ancestralidade

Publicidade

Canais Especiais Hypeness