Arte

Mona Lisa, atacada com torta no Louvre, já sofreu muito nessa vida – e podemos provar

02 • 06 • 2022 às 09:47
Atualizada em 02 • 06 • 2022 às 10:48
Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Jornalista, escritor e músico, Vitor Paiva é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade.

A Mona Lisa é a obra de arte mais famosa do mundo, e também a mais atacada – não pela crítica, mas sim literalmente: no último dia 29 de maio, a pintura de Leonardo da Vinci foi alvo de uma torta atirada por um homem vestindo uma peruca em uma cadeira de rodas.

A torta acertou somente o vidro que protege o quadro no Museu do Louvre, em Paris, mas essa não foi de forma alguma a primeira vez que a tela, pintada por Da Vinci entre os anos de 1503 e 1517, foi vítima de gestos similares: ao longo dos séculos, o quadro já foi atacado com ácido, spray, pedras, xícaras, lâminas e até roubado.

O vidro da Mona Lisa sujo após o ataque recente com a torta

O vidro protetor da Mona Lisa sujo após o ataque recente com a torta

-Suposto rascunho de Mona Lisa nua feito por Da Vinci é descoberto por curador

Os perrengues de Monalisa 

Também conhecida como “La Gioconda”, a Mona Lisa provavelmente retrata a nobre italiana Lisa Gherardini, esposa de Francesco del Giocondo, e foi comprada pelo Rei Francisco I, da França, para se tornar peça do tesouro do país. O quadro passou a fazer parte do acervo do Museu do Louvre após a Revolução Francesa, em 1797, mas por um período chegou a ser colocada no quarto de Napoleão no Palácio das Tulherias.

O vídeo abaixo mostra o momento do ataque mais recente: o homem foi preso e levado para a ala psiquiátrica da polícia, segundo a promotoria de Paris.

 

Exposta no Louvre, a Mona Lisa se tornou mundialmente reconhecida e, durante a Guerra Franco-Prussiana, entre os anos 1870 e 1871, foi removida do museu e levada para ser protegida em prédios militares.

Ao longo do século XX, porém, os ataques começaram – sendo o primeiro deles provavelmente o mais célebre e grave. Em 21 de agosto de 1911, o quadro foi roubado do Louvre pelo italiano Vincenzo Peruggia, que trabalhava no museu, e acreditava que a obra deveria estar exposta na Itália.

O espaço vazio na parede do Louvre em 1911, após o roubo da Mona Lisa por

O espaço vazio na parede do Louvre em 1911, após o roubo da Mona Lisa

O italiano Vincenzo Peruggia, que roubou o quadro e o guardou por dois anos

O italiano Vincenzo Peruggia, que roubou o quadro e o guardou por dois anos

-Ela foi desafiada a recriar a Mona Lisa só com maquiagem – e o resultado é incrível

Peruggia manteve a pintura escondida em seu apartamento por dois anos, até tentar vende-la a uma galeria em Florença, quando foi preso e o quadro devolvido ao museu francês. O drama ao redor do roubo e das buscas ajudaram a fazer da Mona Lisa uma obra internacionalmente reconhecida. Durante as investigações, o poeta francês Guillaume Apollinaire foi apontado como suspeito pelo crime: ele, por sua vez, acusou Pablo Picasso de ter roubado a Mona Lisa. Os dois chegaram a depor, mas foram dispensados pela polícia. Esse foi, porém, apenas o primeiro de muitos ataques que a obra sofreu.

A Mona Lisa na Galeria Uffizi em Florença, em 1913, para onde Peruggia tentou vender o quadro

A Mona Lisa na Galeria Uffizi em Florença, em 1913, para onde Peruggia tentou vender o quadro

-‘Monalisa africana’ de 1,6 milhões será exibida ao público pela primeira vez em décadas

Durante a Segunda Guerra, o quadro foi novamente retirado do Louvre para sua proteção, em palácios e outros museus da França. De volta ao Louvre, o ano de 1956 foi especialmente difícil para “La Gioconda”, quando um ataque com ácido sulfúrico danificou uma pequena parte da obra, e uma pedra atirada pelo boliviano Ugo Ungaza Villegas quebrou o vidro de proteção, fazendo com que um dos fragmentos também afetasse o quadro, restaurado em seguida. O vidro era novidade, colocado alguns anos antes, após um homem, que se dizia apaixonado pela Mona Lisa, tentar cortar a pintura com uma lâmina para roubá-la.

"La Gioconda" em 1914, sendo devolvida ao Louvre

“La Gioconda” em 1914, sendo devolvida ao Louvre

-Mona Lisa ganhou estátua de bronze com bumbum de fora após desafio de Banksy

Mas os ataques não cessaram: em 1974, quando se encontrava exposto no Museu Nacional de Tóquio, uma mulher tentou pintar o quadro com um spray vermelho, tingindo a película protetora, como protesto contra a forma que o museu tratava pessoas deficientes. Em 2009, uma mulher russa, furiosa por ter tido sua cidadania francesa negada, atirou uma xícara de café quente contra a Mona Lisa: a essa altura, porém, o mesmo vidro à prova de balas que recebeu a tortada no último dia 25 de maio amparou a xícara, mantendo o quadro intocado em exposição.

O vidro à prova de balas protegendo a Mona Lisa no Louvre em 2008

O vidro à prova de balas protegendo a Mona Lisa no Louvre em 2008

-Os Incoerentes: o movimento que em 1882 antecipou tendências artísticas do século 20

Por se tratar da pintura mais famosa do mundo, e reconhecida como uma das maiores obras-primas da arte renascentista, a Mona Lisa se tornou uma espécie de símbolo de excelência, valor, e até mesmo riqueza e poder – e, assim, um alvo. O artista francês Marcel Duchamp também atacou tais valores, mas de forma artística: em sua obra L.H.O.O.Q., de 1919, Duchamp desenhou um singelo bigode e um discreto cavanhaque sobre uma reprodução da “Gioconda”.

L.H.O.O.Q., paródia feita por Marcel Duchamp

L.H.O.O.Q., paródia feita por Marcel Duchamp

-Louvre cria tour para mostrar obras que aparecem no clipe de Beyoncé e Jay-Z

O ataque recente foi justificado pelo homem como uma forma de protesto para chamar atenção às mudanças climáticas, e também não provocou qualquer dano à obra. Com todo esse histórico, portanto, é fácil compreender o motivo pelo qual a Mona Lisa possui o maior seguro já estabelecido sobre uma obra de arte: a avaliação de 100 milhões de dólares para o seguro determinado em 1962 hoje equivale a cerca de 870 milhões de dólares, aproximadamente 4,2 bilhões de reais.

Dois funcionários do Louvre limpando o vidro após a torta atirada em 29 de maio

Dois funcionários do Louvre limpando o vidro após a torta atirada em 29 de maio

Publicidade

© fotos 1, 8: Twitter/reprodução

© fotos 2, 3, 4, 5, 6, 7: Wikimedia Commons


Canais Especiais Hypeness