Arte

Agenda Hype: Dia do Rock, Festival de Inverno, Noitão Belas Artes e 27 boas dicas culturais da semana

13 • 07 • 2022 às 14:43
Atualizada em 14 • 07 • 2022 às 10:20
Gabriela Rassy
Gabriela Rassy   Redatora Jornalista enraizada na cultura, caçadora de tendências, arte e conexões no Brasil e no mundo. Especializada em jornalismo cultural, já passou pela Revista Bravo! e pelo Itaú Cultural até chegar ao Catraca Livre, onde foi responsável pelo conteúdo em agenda cultural de mais de 8 capitais brasileiras por 6 anos. Roteirizou vídeo cases para Rock In Rio Academy, HSM e Quero Passagem, neste último atuando ainda como produtora e apresentadora em guias turísticos. Há quase 3 anos dá luz às tendências e narrativas culturais feministas e rompedoras de fronteiras no Hypeness. Trabalha em formatos multimídia fazendo cobertura de festivais, como SXSW, Parada do Orgulho LGBT de SP, Rock In Rio e LoollaPalooza, além de produzir roteiros, reportagens e vídeos.

Uma semana de rock, bebê – mas não só, claro. Dia 13 de julho é o Dia do Rock e a comemoração começa com Leoni e Orquestra Sinfônica Juvenil Carioca fazendo uma apresentação gratuita – presencial e online – para abrir os trabalhos. Rolam ainda shows gratuitos de Dead Fish e Boogarins nos centros culturais da prefeitura da São Paulo. Na sexta rola Noitão Belas Artes celebrando o gênero musical uma sequência de filmes que vão de “Elvis” até “The Rocky Horror Picture Show”.

Nesta sexta começa o Festival Sesc de Inverno do Rio de Janeiro, comemorando 20 anos com shows de Lulu Santos, Moska, Natiruts, Frejat, Geraldo Azevedo, Roberta Sá, Diogo Nogueira, Lenine, João Bosco e muito mais, tudo de graça!

Rola ainda show de Tássia Reis cantando Alcione no Sesc Santana, em SP, e RAYA apresentando seu primeiro trabalho no Galpão Ladeira das Artes, no Rio. Ainda falando de música, a Fenda lançou seu derradeiro EP “Púrpura” e MC Soffia se uniu ao brabo RDD (Rafa Dias) para apresentar dois singles no clima do romance.

No teatro, o Sesc Pompeia recebe a estreia do espetáculo “Nzinga“, que conta a história da rainha angolana e de seu irmão Ngola Mbandi. E no cinema tem o longa “Rua Guaicurus“, que trata do maior polo de prostituição de Belo Horizonte.

Vem na minha!

#eventos

Noitão “I Love Rock ‘n’ Roll”
Petra Belas Artes
Sexta, 15/07, a partir das 23h30
R$ 40 e R$ 20
Nesta semana, é comemorado o Dia Mundial do Rock, e o Belas Artes adere à celebração em grande estilo com um Noitão dedicado ao gênero musical. Tendo como carro-chefe “Elvis”, de Baz Luhrman, num olhar sobre a vida da lendária estrela do rock and roll, Elvis Presley, a maratona, apresentada simultaneamente em duas salas, inclui também “The Rocky Horror Picture Show” (1975), o venerado cult de Jim Sharman, e o espetacular “Hedwig: Rock, Amor e Traição” (2001), de John Cameron Mitchell, “uma odisseia de rock anatomicamente incorreta”, como dizia o seu próprio slogan. Ah, claro, para finalizar a divertida jornada os notívagos terão ainda um filme-surpresa, com muito ritmo e boa música! Com esses filmes tão incríveis, o Noitão propõe uma escolha difícil ao espectador, mas seja qual for a decisão, a felicidade está garantida.

Festival Sesc de Inverno – 20 anos
14 unidades Sesc – Região Serrana e cidades do Rio de Janeiro
15 a 30 de julho
Grátis
Um momento de encontro das pessoas, das culturas, das pluralidades e dos variados modos de viver e de experimentar o mundo. Celebrando vinte anos de história, o projeto traz performances de Lulu Santos, Moska, Natiruts, Frejat, Geraldo Azevedo, Roberta Sá, Diogo Nogueira, Lenine, João Bosco, Zé Renato, Mundo Bita, Orquestra Sinfônica Brasileira, a Barca dos Corações Partidos (com Jacksons do Pandeiro), Grupo Galpão (com Till e De tempo somos), a PeQuod Teatro de Animação (com PinóQuio), Eliza Moreno, Marcelo Campos, Brígida Baltar, Ana Miguel e Cadu, dentre outros.

Dia Mundial do Rock | Leoni e Orquestra Sinfônica Juvenil Carioca
Casa de Cultura Laura Alvim (RJ)
Quarta, 13, às 19h
Grátis – retirar ingresso com 1h de antecedência
A Orquestra Sinfônica Juvenil Carioca (OSJC) faz uma apresentação especial em comemoração ao Dia Mundial do Rock, sob a direção musical e regência do maestro Anderson Alves, e participação do cantor e compositor Leoni, estão garantidos no programa do concerto clássicos do rock nacional e mundial. Músicas de Led Zeppelin, U2, Guns N’ Roses, Pink Floyd, Bon Jovi, Creedence Clearwater Revival, além das conhecidas do cantor brasileiro “Garotos II”, “Só Pra o Meu Prazer”, “Por que Não Eu?” e “A Fórmula do Amor”, estão no repertório. O evento tem transmissão direta pelo YouTube.

Mês do Rock
Casas de cultura
Domingo, 17 de julho, 20h
Grátis
A programação especial voltada ao rock invade o Circuito Municipal de Cultura da Secretaria de Cultura de SP. Nesta semana tem Dead Fish com a turnê 30+1, que celebra seus trinta e um anos de estrada, na Casa de Cultura Hip Hop Leste. Já o Boogarins se apresenta no mesmo dia e horário na Casa de Cultura Ipiranga Chico Science.

Tássia Reis canta e celebra Alcione
Sesc Santana SP
sábado, dia 16 de julho, às 20h, e domingo, 17, às 18h
R$ 12 até R$ 40
Tássia soube pelo pai que sua avó amava a Marrom, em especial o álbum Alerta Geral, que ela não conhecia até então. Nesse disco, Alcione canta o verso “e eu, cantora popular’ a plenos pulmões… e bateu profundamente em Tássia. “Esse ano ela completa 50 anos de carreira, nos enchendo de alegria, música e brilho! Uma artista que muito me inspira, pela influência e mistura de gêneros como samba e o jazz, por sua trajetória na música, por sua estética que influenciou e influencia gerações. Por cantar a afetividade preta de um jeito tão sincero, real e único. Eu muito bebi dessa fonte”, destaca a cantora. No setlist, entre clássicos e hits, Tássia Reis imprime sua marca e embala o público em faixas como “A Loba”, “Figa de Guiné”, “Não Deixe o Samba Morrer” e “O Surdo”.

Tássia Reis _ Foto_Sthefany

Tássia Reis por Sthefany

RAYA | Tô
Ladeira das Artes RJ
15 de julho, às 20h
R$ 40 (antecipado via Sympla) e R$ 50 (na hora) 
Metade do Tuim, a cantora e compositora Paula Raia inaugura agora um novo capítulo na sua biografia musical: RAYA (assim, com maiúsculas), o projeto solo de canções autorais. O duo que mantém desde 2017 com Felipe Habib continua muito bem, obrigada, mas a jovem carioca de 29 anos acaba de lançar “TÔ” (Toca Discos, de Constança Scofield e Felipe Rodarte), o seu primeiro disco individual, no qual canta o encontro da ancestralidade com o feminino enquanto energia. O show de lançamento tem participação especial de Julia Mestre (Bala Desejo), Juliana Linhares (Pietá) e Mariana Volker.

3º Solta a Voz
Transmissão ao vivo pelo Facebook
Quinta, 14, das 19h às 23h
Grátis e online
Em sua terceira edição, o “Solta a Voz” fará uma homenagem a voz que ecoa das periferias, símbolo de luta, resistência e criatividade: a cultura hip hop. Representando as novas apostas do rap nacional, as irmãs Tasha e Tracie chegam trazendo o seu estilo único. O rapper do litoral paulista, Renan MC, mais conhecido como Kyan, une o funk, rap e trap em suas composições, criando um som único. “Mandrake”, “Menor Magrinho” e “O Menino que Virou Deus”. O terceiro show da noite fica por conta do rapper carioca Major RD, que se tornou um dos grandes nomes do rap nacional através de seu flow, voz e lírica únicas. Além dos três nomes do rap, DJ Mu (@mu540) também irá marcar presença no intervalo entre shows.

Circuito de Integração de Todas as Artes
Espaço Cultural CITA e na Praça, Centro Cultural e Sesc do Campo Limpo
De 15 a 24 de julho
Grátis
O evento que acontece anualmente desde 2015 para promover o encontro entre diversas manifestações artísticas está de volta em edição inspirada no verbo “entralhar”, utilizado por pescadores para se referir ao trabalho de tecer as redes de pesca. Partindo desse tema, gastronomia indígena, rodas de conversa, performances de teatro, dança, artes visuais e música se encontram. No próximo fim de semana, rolam shows de Salgadinho, Cayarí, Thiago El Niño, Cólera, Coral Amba Vera, Time Bomb Girls, Dêssa Souza e Tássia Reis. Neste doming, dia 17, representando a cultura tradicional, acontece ainda um belo cortejo do Maracatu Nação Kambinda (Teatro Popular Solano Trindade).

#música

Fenda | Púrpura
Juntas desde 2019, DJ Kingdom, Paige, Mayí, Iza Sabino e Laura Sette formam a Fenda, uma combinação de personalidades que culminam no EP Púrpura. A inspiração para o nome partiu da ligação da mob com a potência da personagem Celie, interpretada por Whoopi Goldberg, no filme “A Cor Púrpura” (1985). O trabalho marca o encerramento do ciclo da Fenda enquanto grupo, um projeto musical idealizado pelo selo, editora e agência mineira MacacoLab – braço da produtora A Macaco. As cinco artistas caminham agora em direção aos respectivos projetos-solo.

MC Soffia | Ilusão
A rapper Mc Soffia acaba de lançar novo EP com duas faixas autorais: “Meu BB” e “Piscina do Amor“, ambas já com videoclipes. A rapper que compõe músicas de empoderamento traz agora um lado romântico, mas sem deixar o clima de pista de fora. As duas músicas foram gravadas em Salvador com produção musical de Rafa Dias Day, influente artista e produtor da cena baiana, integrante da banda Attooxxa.

Yannick Hara | Terra em Transe Volume 2 Politiki
“Terra em Transe” é um dos grandes filmes brasileiros do cineasta Glauber Rocha, e é inspirado nessa obra cinematográfica que o artista Yannick Hara lança seu mais novo álbum. A apresentação do novo trabalho será dia 16 de julho, sábado, no Sesc Belenzinho, às 20h30. O volume 2 “Politiki” é a continuação do volume 1, o “Brasilis” – EP de 4 faixas que o rapper lançou em novembro de 2021 e que em 2022 virou curta metragem dirigido por Pedro Paulo Rocha, filho de Glauber. Esse trabalho rendeu um documentário que foi apresentado recentemente no Cine Satyros Bijou, cinema onde exibiu nos anos 70 os filmes do cineasta que foram censurados pela ditadura.

Luana Flores feat. Mestra Ana do Coco | O que vem ver
No nordeste futurista de Luana, o futuro é ancestral. No clipe de “O que vem ver”, Luana, que dirige a gravação com assistência de Helena Lima e Natália Di Lorenza, e roteiro de Ludmila da Mata (CURVA) e Renna Costa, materializa visualmente conexões suas e de sua arte com Mestra Ana do Côco. O trabalho chega como um aprofundamento da música, já que a composição, lançada em 2021, nasceu a partir da experiência de Luana no Quilombo, onde morou durante a pandemia em 2020. Agora, a artista busca aproximar a identidade visual do “Nordeste Futurista” através do protagonismo do povo quilombola.

Remobília | Ponto final
A banda ressignifica os reencontros e dá novo sentido aos recomeços neste primeiro álbum. O título, aparentemente ambíguo, apresenta um grupo aberto ao próximo capítulo, já iniciado com um EP. O projeto reúne os músicos André Gonzales, Beto Mejía, Esdras Nogueira, Fernando Jatobá e Gustavo Dreher, que povoaram o indie nacional com a formação memorável do Móveis Coloniais de Acaju, agora somando uma outra gama de experiências solo. O resultado é a vibração do encontro, a saudação aos caminhos percorridos e um aceno esperançoso às novas estradas.

Rodrigo Maranhão | Mercado das Flores
Ganhador do Grammy Latino de Melhor Canção Brasileira em 2006, por “Caminho da Águas“, Rodrigo Maranhão é um dos compositores mais gravados da MPB: são mais de cem músicas eternizadas nas vozes de artistas como Maria Rita, Zélia Duncan, Roberta Sá, Fernanda Abreu e António Zambujo, entre outros. Agora, ele lança seu quarto álbum, integralmente autoral, com direção de Henrique Alqualo e Fernando Young, além de participação de João Cavalcanti.

Luizga e iZem | Yemamaya
Luiz Gabriel Lopes, LG Lopes e, agora, Luizga, se une a iZem nesta faixa de linguagem pop universal, com abordagem quente e veranil. O single chega com a leveza musical dos dois artistas, embalada por violões acústicos e timbres eletrônicos.

Lily Nobre | Manda chuva
A artista carioca lança a canção que valoriza as conquistas pessoais e o poder de sedução e escolha da mulher. O single vem acompanhado de um videoclipe, também inédito, dando vida à faixa que tem forte influência do trap e outras bases eletrônicas para esquentar qualquer pista de dança.

Aramà feat. Aíla | Adrenalina
A cantora italiana radicada no Brasil, Aramà, segue vislumbrando em seu novo trabalho o tesão e o desejo de envolvimento num cenário pós-pandêmico. Dessa vez, ela se junta à paraense Aíla nesta faixa super alto astral. Traduzida pelo clima tecno-brega-funk, faixa conta com a produção musical de Felipe Cordeiro e faz parte do novo EP da cantora que, além desta, promete mais outras 5 inéditas com participações especiais de Samuca e a Selva, Marcella Maia e mais.

Didi | Formato
De cunho autobiográfico, o novo EP, que tem uma intro e quatro faixas, é como uma resposta para si mesmo de momentos que vivenciou durante os anos de 2020 e 2021, em isolamento, entre Curitiba e Palmeira, no interior do Paraná. E, como ele diz, “uma resposta mais solar e esperançosa”, com doses de psicodelia a la Os Mutantes passando por Secos e Molhados.

Maya | M
A artista lança seu primeiro EP com as canções que ajudaram Maya a se empoderar, dizer adeus a um relacionamento abusivo, encontrar o amor por ela mesma, pela música e também num novo relacionamento. A primeira faixa lançada, “Se Me Der Teu Coração” nasceu em homenagem à namorada e agora o EP completo chega às plataformas.

#cinema

Mostra de Cinemas Africanos 2022
São Paulo
Até 20 de julho

Entrada até R$ 24
O evento reúne cerca de 50 títulos de 20 países africanos, com destaque para a produção feminina e filmes inéditos no Brasil, além de atividades paralelas como debates, masterclasses e painéis com a presença de convidados do continente. A mostra traz ainda a exibição de curtas online para todo o Brasil, realizada pelo Sesc SP. Entre os destaques deste ano estão o thriller sul-africano “Boa Senhora”, de Jenna Bass e Babalwa Baartman; “Caminhar Sobre a Água”, que marca a estreia na direção da franco-senegalesa Aïssa Maïga, que vem à capital paulista para apresentar seu documentário. Fazendo sua estreia mundial, “Otiti”, da nigeriana Ema Edosio, segue a história de uma costureira que assume a responsabilidade de cuidar do pai doente que a abandonou quando criança. Ema também vem ao Brasil para apresentar uma masterclass sobre sua experiência como realizadora independente na Nigéria. Do Quênia, a comédia inédita “Contos da Cidade Acidental”, de Maimouna Jallow, mostra um eclético grupo que se reúne online para uma aula de controle de raiva.

Rua Guaicurus
Partindo de uma combinação entre o documental e a encenação, o diretor mineiro João Borges cria em “Rua Guaicurus” um filme único sobre o universo da prostituição no local que dá título ao longa, e fica em Belo Horizonte. O longa estreia nos cinemas nesta quinta-feira, dia em 14 de julho, nas cidades de Belo Horizonte, São Paulo, Salvador, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Manaus, Brasília e Balneário Camboriú, com distribuição da Embaúba Filmes.

#visuais

Estrutura modular e luz, de Francisco Sobrino
DAN Galeria SP
até o dia 30 de julho
Grátis
Com curadoria do francês Frank James Marlot, esta é a primeira mostra no Brasil do artista espanhol cinético Francisco Sobrino (1932-2014), que reúne 20 obras concebidas na Europa e na América Latina ao longo de 50 anos, marcando sua importância e originalidade no contexto da história da arte do século XX. Sobrino foi um dos fundadores do grupo GRAV – Groupe de Recherche d’Art Visuel (1960-1968), junto com outros 10 jovens artistas, entre eles Horacio Garcia Rossi e Julio le Parc – que conheceu na Escola de Belas Artes de Buenos Aires -, e François Morellet, Joël Stein e Jean-Pierre Yvaral (filho de Victor Vasarely, que, em partes, inspirou a criação do Grupo).

Escultura de Francisco Sobrino

Escultura de Francisco Sobrino

Reviravolta, de Tatiana Blass
Galeria Millan
até 16 de julho
Grátis
Há um movimento dúbio de apagamento e revelação, de construção e desconstrução, de intervalo e continuidade na atual produção da artista Tatiana Blass que leva o espectador a duvidar do que realmente se passa diante de si mesmo. A reflexão da curadora e crítica Camila Bechelany sintetiza a nova exposição que recebe o título da nova instalação construída pela artista para o espaço da galeria. Em Reviravolta (2022), uma mangueira de ferro que se encontra no interior da Millan goteja água que, então, escorre pelo piso até o andar inferior da construção, atravessando a arquitetura e marcando o espaço com um rastro de ferrugem.

#cênicas

Nzinga
Sesc Pompeia
De 15 de julho a 5 de agosto de 2022
15/7, às 20h30; de 19/07 a 05/08, terça a sexta às 20h30
R$30 ; R$15 (meia-entrada)
Aysha Nascimento e Flávio Rodrigues contam a história da rainha angolana Nzinga e de seu irmão Ngola Mbandi neste espetáculo com dramaturgia de Dione Carlos. A peça propõe ao público uma reflexão sobre a ética comunitária, as relações de gênero, a irmandade, as noções de família, as lógicas de poder e as táticas anticoloniais a partir da perspectiva bantu. “Nzinga” tem orientação artística de Eduardo Okamoto e direção musical de Salloma Salomão.

O Homem Mais Inteligente da História
Teatro Gazeta
Sábado, 16 de julho, às 19h
R$90 (inteira) e R$45 (meia-entrada)
Considerado o psiquiatra mais lido do mundo nas últimas duas décadas, com 35 milhões de livros em mais de 60 países, Augusto Cury lançou “O Homem Mais Inteligente da História” em 2016, após 15 anos de estudos e pesquisas sobre gestão da emoção. A adaptação do romance para os palcos, que já foi apresentada em vários teatros pelo país desde sua estreia em Setembro de 2021, é assinada pelo próprio escritor e por Francis Helena Cozta. A obra conta a trajetória do cientista Marco Polo, especialista no funcionamento da mente, quando ele é desafiado pela ONU a estudar a inteligência de Jesus, o homem mais famoso da história.

#literatura

História da maconha no Brasil
Jandaíra
A discussão sobre a presença e a criminalização da Cannabis sativa na sociedade ocidental é antiga. Muito se fala sobre a maconha, mas pouco é o conhecimento sobre sua história e seus impactos sociais em nosso meio. O livro de Jean Marcel Carvalho França nos faz refletir sobre essas questões com o auxílio de embasamento teórico apoiado em fatos históricos, nos leva à compreensão de como o canabismo foi incorporado em nossa sociedade ao longo dos anos, para além de uma análise focada apenas em seus benefícios ou malefícios.

Amir Haddad de todos os teatros
Editora Cobogó
O livro reúne o pensamento e os ensinamentos de um dos grandes mestres do teatro brasileiro, dimensionando seu legado e trajetória. Artista com identidade própria, Amir, fundador do grupo Tá na Rua, é porta-voz de uma arte que se libertou do espaço convencional do teatro e se aproximou do povo nas ruas, integrando as artes cênicas aos cenários urbanos – criando, com isso, um teatro tão inovador quanto político. O livro é organizado pelos atores e diretores Claudio Mendes e Gustavo Gasparani a partir de pesquisas no acervo de Amir Haddad, contando também com um texto do crítico, professor e jornalista Daniel Schenker sobre a carreira do artista e sua contribuição para cena teatral brasileira.

#gastronomia

Daiki Sushi
Pertinho da Cinemateca, em um dos lugares mais agradáveis da Vila Mariana, fica o Daiki Sushi, um japonês que a seis anos seduz gente de vários cantos. Comandada pelo Chef Jairo San, natural de Pariquera-Açu, a casa investe em ingredientes de alta qualidade e peixes fresquíssimos, que são servidos aos clientes com toda a cordialidade. Tem pratos executivos durante a semana com preços que variam de R$ 50 a R$ 74, mas vale ir até o salão aproveitar os especiais, que também chegam por delivery. Destaque para a Daiki Shisso (Folha shisso, atum e ovas), para o perfeito Tamago Ikura (ovo frito servido com ovas, azeite trufado e flor de sal) e para o Shisso Ebi, um delicioso charutinho a moda japonesa com camarão.

Publicidade

Canais Especiais Hypeness